76
Anterior
O português é suave, felizmente para os espertos
Seguinte
Europa: a cegueira que mata
Página Inicial   >  Blogues  >  Antes pelo contrário  >  Depois das chamas, as lições gregas

Depois das chamas, as lições gregas

|

No dia da aprovação de mais um pacote de austeridade grego, as ruas de Atenas estiveram a ferro e fogo. Dentro do Parlamento, 199 dos deputados aprovavam um suicídio coletivo. Mesmo com a chantagem, 21 deputados do PASOK e outros 21 da Nova Democracia foram expulsos dos seus grupos parlamentares por se recusarem votar a favor. Cá fora reinava o caos. Não sejam simplistas: não é a rua contra a legitimidade democrática. É o espetáculo da democracia em derrocada. É um parlamento que, passados meses de uma brutal austeridade, já tem muita dificuldade em representar, com o mínimo de fidelidade, os gregos. Os socialistas, desesperados, pedem o adiamento das eleições para 2013.

A sondagem mais recente, quando pouco falta para as eleições, dá-nos dados interessantes: a Nova Democracia, de direita, com 31%; os comunistas, do KKE, com 12,5%; o SYRISA (o Bloco de Esquerda lá do burgo), com 12%; os socialistas, do PASOK, com 8%; o LAOS, a extrema-direita que, até sexta-feira, participava no governo, com 5%; o CHRYSI AVGI, a extrema-direita fora do governo, com 3%. E um novo partido, a Esquerda Democrática, ocupa o segundo lugar, com 18%. É uma cisão "reformista" do SIRYSA que inclui muitos dissidentes do PASOK que se opuseram ao acordo com a troika.

Alguns dados a ter em conta. A direita fica-se com 38%. Os socialistas descem de mais de 45% para 8%. O centrão, até agora absolutamente hegemónico, vale 38%. Comunistas e esquerda radical sobem e conseguem, juntos, mais de 24%. Uma versão mais moderada da oposição de esquerda ao austeritarismo demente consegue, de um só golpe, transformar-se num risco para os partidos que levaram a Grécia para esta tragédia. Juntos, os partidos anti-troika já têm mais de 42%. Felizmente para a democracia grega, o eleitorado ainda não parece querer seguir vias autoritárias para expressar o seu desespero. Por enquanto.

Nas contas económicas dos burocratas irresponsáveis a política nunca entra. E é por isso que estes burocratas são tão perigosos. Já aqui escrevi: a contração económica que se está a tentar obrigar a Grécia a fazer nunca foi experimentada em democracia. Por uma razão: não é possível. Ou será a democracia, por via de uma maioria eleita, a pôr um ponto final nesta loucura e salvar a Grécia de um regresso ao seu triste passado ditatorial ou será a austeridade a matar a democracia.

Outra lição a tirar destas previsões eleitorais: se os socialistas continuarem a ser cúmplices do golpe de estado neoliberal que está a ser imposto em grande parte dos estados europeus terão o destino lógico a que a sua inutilidade política obriga - uma deprimente agonia. Mais um ensinamento interessante: a esquerda que consiga ter a inteligência de vencer o sectarismo e dirigir-se ao eleitorado tradicional dos socialistas pode, sendo uma alternativa ao centrão, dar resposta ao descontentamento. Por fim, a existência de uma esquerda democrática capaz de dar voz à justa indignação popular é o que pode salvar muitos países europeus de uma deriva nacionalista de extrema-direita, onde o desespero, se não tiver para onde se deslocar, acabará.

Com a Grécia, o diretório europeu deveria aprender que está a pôr em risco não apenas a União, o euro e a economia europeia, mas as democracias na Europa. Os socialistas, que a sua cumplicidade com a ditadura da austeridade poderá ser o seu muro de Berlim. Os que estão à sua esquerda, que, se estiverem à altura deste momento histórico, ainda podem ter uma palavra a dizer sobre o futuro dos seus países. Que em Portugal se vão tirando notas.


Opinião


Multimédia

Edwin. O rapaz que aprendeu a sonhar

O que Edwin sabia sobre a vida era sobreviver. Na cabeça dele não cabiam sonhos e os dias eram passados à procura de comida para ele e para a mãe e para o irmão. A fome espreitava nos cantos da barraca de palha no Quénia e ele escondia-se dela como podia - chupar as pedras era uma forma de a enganar. Mas a sorte dele mudou porque alguém viu nele outra coisa. E tudo começou numa dança. Agora, os mesmos dedos que agarravam as pedras tocam hoje teclas de um piano Bechstein. E os pés dele já não estão nus mas calçados. Com chuteiras. Primeiro no Benfica, agora no Estoril, o miúdo de 15 anos que fala como gente grande descobriu que tinha um sonho: ser futebolista. Como Drogba.

Todas as ilhas têm a sua nuvem

Raul Brandão chamou-lhe 'A Ilha Branca'. Como viajante digo que tem um verde diferente das outras oito que com ela formam o arquipélago dos Açores. É tenra, mansa, repousante e simultaneamente desafiante. Esconde segredos como a lenda da Maria Encantada e um vulcão florestado a meio do século passado que nos transporta para uma dimensão sulfurosa e mágica. Obrigatória para projetos de férias de natureza.

Em três quartos de hora não se esquece só a idade. "Esquece-se o mundo"

Maria do Céu dá três voltas ao lar sempre que pode. Edviges vai a todos os velórios, faz hidroginástica e sopas de letras. António dá um apoio na Igreja e nos escuteiros. Tudo é uma ajuda para passar os dias quando se tornam todos iguais. No Pinhal Interior Sul, a região mais envelhecida da União Europeia, quase um terço da população tem mais de 65 anos. Os mais velhos ficaram, os mais novos partiram.

Profissão: Sniper

O Expresso foi ver como são selecionados, que armas usam, para que missões estão preparados os snipers da Força de Operações Especiais do Exército. São uma elite dentro da elite. Um pelotão restrito. Anónimo. Treinam diariamente com um único objetivo: eliminar um alvo à primeira, mesmo que esteja a centenas de metros. Humano ou material. Sem dramas morais, dizem.

Xarém com conquilhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione com esta nova receita.

O que se passa dentro da cabeça dele

O que leva um tipo a quem iam amputando uma perna a regressar ao sítio onde os ossos se desfizeram, uma e outra vez, e testar os limites do seu corpo? Resposta: a busca pelo salto perfeito, que ele diz existir dentro dele e que ele encontrará mais dia menos dia. É a fé e a confiança que o movem e o levam a pular para lá do que é exigido a um campeão olímpico e mundial que não tem mais nada a provar a ninguém - a não ser a ele próprio. Este é um trabalho que publicámos em agosto de 2014, quando o saltador se preparava para os Europeus e falava das metas que tinha traçado para 2015 e 2016: mostrar que não estava acabado. Sete meses depois, provou-o no Europeu de pista coberta em Praga, onde venceu este fim de semana.

Amadeu, que aprendeu o mundo no campo e tinha o coração na ponta dos dedos

Em Portugal, a dedicação à língua mirandesa tem nome próprio: Amadeu Ferreira, o jurista da CMVM que - quando todos diziam que "era uma loucura impossível" - arranjou tempo para traduzir "Os Lusíadas", a "Mensagem", os quatro Evangelhos da Bíblia e ainda duas aventuras do Asterix para uma língua que pertence a um cantinho do nordeste português e é falada por menos de 15 mil pessoas. No final de 2014 deu ao Expresso aquela que viria a ser a sua última entrevista. Morreu no passado domingo e esta quinta-feira foi lançada a sua biografia, "O fio das lembranças", com quase 800 páginas.

Temos 16 imagens que não explicam o mundo, mas que ajudam a compreendê-lo

O júri do World Press Photo queria dar o prémio maior da edição deste ano (e talvez das edição todas) a uma fotografia com "potencial para se tornar icónica". A primeira imagem desta fotogaleria, por ser "esteticamente poderosa" e "revelar humanidade", é o que o júri procurava. A fotografia de um casal homossexual russo, a grande vencedora, é a primeira de 16 imagens de uma seleção onde há Messi desolado, migrantes em condições indignas no Mediterrâneo, a aflição do ébola, mistérios afins e etc - são os contrastes do mundo.

Vamos falar de sexo. Seis portugueses revelam tudo o que lhes dá prazer na cama

Neste primeiro episódio de uma série que vai durar sete semanas, seis entrevistados falam abertamente sobre aquilo que lhes dá mais satisfação na intimidade. Sexo em grupo, sexo na gravidez, prazer sem orgasmo e melhor sexo após a menopausa são alguns dos temas referidos nos testemunhos desta semana. O psiquiatra Francisco Allen Gomes explica ainda a razão de muitas mulheres fingirem o orgasmo. O Expresso e a SIC falaram com 33 portugueses que deram a cara e o testemunho de como são na cama. Ao longo das próximas sete semanas, contamos-lhe tudo.

Elvis. Gostamos ou não gostamos?

Ele não é consensual, mas é incontornável. Dispunha de penteado majestoso e patilha marota, aparentava olhar matador e pose atrevida. E deixou canções: umas fáceis e outras nem tanto, por vezes previsíveis e às vezes inesperadas, ora gentis ora aceleradas. E ele, Elvis, nasceu em janeiro de 1934 - há precisamente 40 anos, ao oitavo dia. Temos quatro textos sobre o artista: Nicolau Santos, Rui Gustavo, Nicolau Pais e João Cândido da Silva explicam o que apreciam, o que toleram e o que não suportam.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Desfile de vedetas

Saiba tudo sobre os modelos concorrentes ao Carro do Ano 2015/Troféu Essilor Volante de Cristal. Conheça o essencial sobre os 20 automóveis participantes nesta iniciativa, da estética, às características técnicas, do preço ao consumo. A apresentação ficará completa no dia 3 de janeiro.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.


Comentários 76 Comentar
ordenar por:
mais votados
Análises intrincadas
Mais um texto a tentar fugir à realidade.
  A realidade é que a Grécia precisa de 100 mil milhões anuais para viver como gosta.
Barbeiros reformados aos 50, ordenado mínimo de 750, 15 ordenados por ano, um milhão de funcionários mais uns milhares de filhas solteiras agarrados à teta, impostos só para 40% de palermas, etc.
Assim é que eles gostam de viver, o único problema é que estão a acabar os voluntários para fornecer os tais 100 mil.

Todas estas teorizações de DO, vão na linha da retórica e em que era possível demonstrar uma coisa e o seu contrário e em que os antigos gregos eram exímios......
DO não acredita no que escreve
Olha quem fala!!!
Sócrates na Justiça
Re: Análises intrincadas
DO
Sinceramente é patética a sua ideologia de esquerda, pois estão contra o capitalismo do qual sobrevivem e criticam quem empresta dinheiro a altos juros e porquê?
Porque querem viver como reis não fazendo contas ou seja a matemática na esquerda é deficiente a não ser que a China seja diferente aplicando a escravatura para viverem os do partido faustosamente.
É confrangedora a ideologia de esquerda e países que a aplica como Cuba, Coreia do Norte, China, etc. são exemplos degradantes numa sociedade moderna.
Democracia sim mas com justiça honesta mas é o que não vemos em muitos países e Portugal tem sido um bom exemplo disso por tal estamos nesta situação atual de ladroagem impune.
Re: DO
Re: DO
Re: DO
Re: DO
Re: DO
Re: DO
Re: DO
Re: DO
Re: DO
Re: DO
Os socialistas esvaziaram os cofres gregos
As politicas socialistas na Grécia esbanjaram as reservas dos cofres,foram demagogas nas promessas da caça ao voto ,nas mordomias dos seus apoiantes.
Afinal o que se passa na Grécia não é nada de novo para nós portugueses.Cá tivemos Sócrates , em 6 anos espatifou as nossas reservas,mentiu ao Povo e levou à quase bancarrota.Antes da inevitabilidade da troika, ainda Sócrates do palanque do PS berrava que não era precisa ajuda externa.
Portugal estava de tanga e o PS de Sócrates ainda apregoava bacalhau no prato do Povo,todos os dias.
2 milhões de pobres, 800 mil desempregados e um País ajoelhado aos credores externos,aonde Sócrates chegou
Estes PS nunca mais: que o Povo não se esqueça: seja na Grécia,em Portugal ou outro lugar qualquer.
Re: Os socialistas esvaziaram os cofres gregos
Mário Soares gosta de andar ao lombodas tartarugas
A mentira do PSD/CDS grego - Goldman Sachs
Re: A mentira do PSD/CDS grego - Goldman Sachs
A galinha julga que
Depois das chamadas lições gregas
Sempre ouvi dizer que ao ver as barbas do vizinho a arder o melhor é deitar as nossas de molho. Pelo andar da carruagem vai acontecer que a direita tome conta do poder não só na Grécia, mas também na maioria da Europa. O neoliberalismo é a causa desta crise e sendo assim é o mesmo que por a raposa a guardar as galinhas. Os partidos democráticos e de esquerda não têm sabido lidar com a situação e em vez de fazer justiça, igualdade, solidariedade e fraternidade deixaram-se corromper. Os políticos em vez de servirem o povo preferem servir-se.
Eis mais uma frase idiota, proferida por Passos Coelho, que fica para a história da desgraça/ruína portuguesa, ainda por cima em directo para as TVs: Não admira a revolta do Bispo das Forças Armadas e as suas palavras duras pelo apoio aos mais pobres perante o desprezo dos mais ricos.
  "O país está pobre a há portugueses que ainda não deram conta." A maioria já deu uma minoria é que não. Esses são aqueles que vêm frequentemente à televisão dizer aos portugueses que é preciso fazer sacrifícios.
  Nitidamente devia estar a pensar no Catróga e nos 700 mil que ele vai receber na EDP, bem como para as restantes corjas por ele nomeadas.
Vejam um dos milhares de exemplos que grassam em Portugal:
Mira Amaral reformou-se com 18.156 euros após 18 meses de trabalho na CGD. A reforma média em Portugal é de 397 euros.

http://www.youtube.com/wa...
...
Estes "socialistas" são os responsáveis da crise
Re: Estes
o largo do rato paga a recibo verde
Re: o largo do rato paga a recibo verde
Re: Estes
Re: o pior CEGO é o q NÃO QUER VER
Seguro vai à Multiopticas.
Re: o pior CEGO é o q NÃO QUER VER
Re: o pior CEGO é o q NÃO QUER VER
Odisseia, cada vez mais fanatizado
A TODOS OS DANIEIS OLIVEIRAS
O mundo tem mudado mas há coisas q não. Há conceitos e significados q não podem mudar pois se tudo passar a ser relativo nada pode ser levado a sério e voltaremos a uma espécie d lei do mais forte. Artigos como este, o q um certa estirpe d gente quer fazer passar é um autentico retrocesso civilizacional. Palavras como IRRESPONSABILIDADE, ROUBO, CEGUEIRA, FALTA D SENTIDO D ESTADO são conceitos universais e q ainda não mudaram. Na actual tragédia grega o q não faltou foi irresponsabilidade, cegueira, falta d sentido d Estado e roubo por parte dos sucessivos governos gregos. A Democracia q o Daniel Oliveira vem hoje aqui defender foi a q mergulhou os gregos neste descalabro irreversível e, EU NÃO QUERO ESSA DEMOCRACIA! Os números falam por si e não foi por falta de aviso – uma divida publica d 380.000 milhões d Euros o q corresponde a 180% do PIB helénico. Q ninguém duvide q a solução desta crise é d exclusiva responsabilidade dos gregos e q muito bom é ainda haver gente disposta a os ajudar. Melhor solidariedade é AINDA haver gente disposta a ajudar e, isso é q é d enaltecer ou, o kronista gostava q se avançasse com o dinheiro e os gregos mantivessem tudo na mesma? Não entendo o alcance deste artigo e a ter algum sempre poderia passar por sugerir q os gregos saíssem pura e simplesmente do Euro pois ESSA É ALTERNATIVA q ninguém quer a começar pelos próprios gregos, OU SERÁ Q ESTOU A MENTIR? A sua democracia NÃO é a minha pois foi o meu modelo q arrasou com o seu. Sabe ...
Re: A TODOS OS DANIEIS OLIVEIRAS 2
Re: A TODOS OS DANIEIS OLIVEIRAS
Re: A TODOS OS DANIEIS OLIVEIRAS
Re: A TODOS OS DANIEIS OLIVEIRAS
Depois das chamas, as lições gregas (I)
A ideia de q a Grécia está a ser vitima de uma Europa germanizada e pouco solidária, numa atitude de penalização pelas deficientes contas públicas Gregas, é apenas uma meia verdade, se chegar a tanto...
Atenas e os seus governos, fossem eles de direita ou de esquerda marimbaram-se anos a fio para a sua "honorabilidade" se assim podemos chamar, pouco ou nada cumpriram das suas obrigações como parceiros da Comunidade de Estados onde estão inseridos e as regras impostas pelo BCE aos países q aderiram à moeda única.
Uma coisa é a existência de franjas de economia paralela dentro de um Estado, outra coisa é a existência de um Estado paralelo dentro de outro Estado. É como se uma empresa pública entregasse a sua contabilidade para ser auditada, mas aquilo q lá vinha transcrito nas contas, não tivesse nenhuma correspondência com a realidade social e económica da empresa. Ou seja a Grécia q nos foi vendida, como parceiro da União, um país em crescimento q gastou os seus parcos recursos nuns Jogos Olímpicos, não existe.
Contrariamente a Portugal e Espanha onde a economia paralela e a corrupção existem de facto, mas são apontadas aqui e acolá, na Grécia ela está institucionalizada em todas as classes sociais e o Estado ignora-a pura e simplesmente como se ela fizesse parte da realidade social do país.
Ainda agora, mesmo com a cabeça perante o cutelo dos credores, alguns mantêm sérias reservas, quanto ao cumprimento do q for acordado. ...
Depois das chamas, as lições gregas (cont.)
Re: Depois das chamas, as lições gregas (cont.)
E incendeiam o que lhes pertence?
Estranha forma de dizer que não têm nada...
Grécia e Portugal
A "rua", mesmo quando se manifesta de forma violenta, não é nenhuma ameaça à democracia. É uma afirmação de vitalidade democrática - a afirmação da vontade de um povo - quando os partidos políticos se mostram incapazes de representar os cidadãos. A loucura de um PSD e de um CDS, acompanhados envergonhadamente por um PS patético, vão provocar algo de semelhante em Portugal. Quando não nos sabem representar, quando se tornam instrumentos de opressão, então temos de manifestar directamente qual é a nossa opinião e a nossa vontade. E é quem nos ignora que está a tentar matar a democracia Continuem por esta senda de imbecilidade, de ignorância e de má-fé, e depois queixem-se de que o poder está a cair na "rua".
Lições gregas
Uma cambada de cosa nostras, famílias, grupelhos cheios de chico espertismo, o importante é sacar (e ainda falamos dos ciganos), sem qualquer sentido de sociedade, de bem comum, afundados em ócios e dívidas para os sustentar.
Aqui está a lição do que um pôvo, um país, uma Nação que se preze de o ser não deve fazer.
Acham bem os idiotas andarem a pegar fogo e destruirem o que é seu?! E para quê? Para se queixarem que não lhes emprestam mais dinheiro se condições? Mas vivemos em que mundo, no mundo das maravilhas?
Quem empresta dinheiro só o faz se quiser. E se tiver a certeza de que vai ter retorno. Ponto.
Por isso vamos mas é trabalhar, enfiar a viola no saco, fazer o necessário para nos tornarmos o mais independentes possivel e depois sim, podemos ter uma voz audível e acatada.
Grécia
Não vislumbro uma solução para a Grécia. Já perderam demasiado tempo. Os planos de austeridade nunca seriam a solução, pelo menos na sua essência.
Fez-se um escândalo com a conversa entre Gaspar e Schlaube, quando eles disseram o óbvio.
PPC sempre soube que este plano não era a solução no entanto fez o que lhe competia e continua a fazer.
A única hipótese de Portugal e Grécia é ir além da troika. Sofrer mais num curto período de tempo até a inviabilidade do plano de resgate ser óbvia para todos especialmente para os credores. Numa expressão militar, "aguentar uma posição até ser rendido".
A Grécia, ao fazer uma fraca implementação de um plano de resgate, condenado desde o início ao fracasso, deu o motivo que a UE necessitava para fazer deles um exemplo para os restantes membros.
Penso que a Grécia vai acabar por sair do Euro, toda esta situação está a servir apenas para ganhar tempo para que os Bancos e o BCE possam absorver as perdas, para blindar o resto da zona Euro e para desenvolver um novo paradigma para a UE. Um novo modelo sério e exequível, e não as tretas fantasistas de Soares, Alegres e Louçã.
Quando damos 1 euro a um arrumador, se ele nos pedir para renegociar a dádiva, já sabemos qual será a nossa resposta.
Re: Grécia
Re: Grécia
Fogo neles..
Até posso concordar consigo em certa medida mas o problema da Grécia é outro e igual ao de Portugal:
Quem levou a Grécia para esse buraco são os mesmos que aparecem agora com as soluções sofucando o povo e salvando a pele deles.
Não deveria ser assim, o sistema Democrático deveria ter capacidade e mecanismos para julgar e condenar quem os colocou em tal situação e repare que o fizeeram em nome da Democracia .....mas da deles ! Agora é óbvio que é necesário resolver o problema mas os culpados deveriam ser presos e julgados e surgirem novas mentalidades e comportamentos sociais que levem a Grécia e Portugal a sair da crise de cabeça levantada sem ser necessário colocar o pé no pescoço....que é a politica que estão a seguir. Não vi ainda uma medida ue seja que penalize os capitalisatas e que os obrigue a pagar a sua parte da crise, obrigar a um ajustiça social e equidade no pagamento dos impostos , apanhar quem desbaratou milhões em fundos europeus obras e formações da treta....é urgente uma nova consciência social ....!
Re: Fogo neles..
Fogo neles..
Re: Fogo neles..
Re: Fogo neles..
Depois das férias há que trabalhar
Os gregos viveram este tempo todo de férias. Agora têm de trabalhar para pagar aquilo que tiveram sem merecer. A recompensa devia vir depois do trabalho. Foi ao contrário, e agora parece soar a castigo.
À desforra!

Espero ver muitas cabeças caírem no chão.

Esta Grécia....
... parece um doente oncológico em fase terminal, a quem todas as semanas é extraído um novo tumor, e prolongada a vida... por mais uma semana.
Tirar notas: importante
...e a malta pensa que é só esticar a mão e dizer "dá cá dessa palha" assim sem mais nem menos, só porque é "austeridade"... e só porque o moral de alguns é fazer o outros pagar o que os primeiros gastaram sem qualquer pudor... a esses irei-os fazer pagar coma vida... e ainda ficam a dever muito... se lhes faltou moral e consciência ao longo do processo pondo a vida do próximo em risco, então é porque nem a própria vida merecem.
Comentários 76 Comentar

Últimas

Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Pub