Anterior
Portugal conta tudo antes das reuniões na Europa
Seguinte
Sócrates será entrevistado amanhã na SIC
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Deolinda emocionam na Galiza com "Parva que sou"

Deolinda emocionam na Galiza com "Parva que sou"

No dia das manifestações em Portugal da "Geração à rasca", o grupo português cantou em Ferrol e pôs jovens galegos a vibrar com a canção. (Vídeo no final do texto
|

Sábado passado, dia da gigantesca manifestação em Portugal da chamada "Geração à rasca", os Deolinda protagonizaram um momento de grande emoção e intensos aplausos durante e após a interpretação da canção "Parva que sou" , num concerto em Ferrol, na Galiza.

Face à impossibilidade física de estarem presentes, Ana Bacalhau quis dedicar a canção estreada há mês e meio, no Coliseu do Porto, "a todas as pessoas que hoje (sábado) expressaram o seu descontentamento nas ruas do nosso país, Portugal".

Perante uma assistência entusiasmada e conquistada, Ana Bacalhau, numa das raras ocasiões em que o grupo decidiu ir mais longe na explicação do conteúdo político e social de um tema do qual de imediato se apoderaram milhares de jovens portugueses, referiu que se fala ali de "alguém muito desencantado com o seu trabalho, com a insegurança na sua vida".

Atentado à dignidade


Alguém que "sente quase um atentado à sua dignidade não fazer planos, tal a instabilidade que sente", prosseguiu Ana Bacalhau.

Sempre pontuada por aplausos, a intervenção da vocalista dos Deolinda fala ainda de uma personagem que acaba "a dizer que não pode mais, que vai fazer alguma coisa pela sua vida e vai tomar a ação nas suas mãos".

Numa referência direta aos acontecimentos do dia, Ana Bacalhau aproveitou para recordar que naquele sábado milhares e milhares de pessoas expressaram o seu descontentamento nas ruas "por estarem nas condições desta personagem".

Galegos sintonizados


O público galego vibrou com a introdução à canção, vibrou durante a interpretação e, no final, era percetível a emoção de uma assistência que, mesmo se não percebeu todo o conteúdo da letra, seguramente terá compreendido o essencial.

Até porque, como disse ainda Ana Bacalhau, a canção era cantada a pedido, porque também na Galiza muitos jovens se identificam com a mensagem contida no tema "Parva que sou". 


Opinião


Multimédia

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 35 Comentar
ordenar por:
mais votados
Ganda Deolinda !!!

Estas Deolindas vão facturando tratando os outros de parvos !!

A geração "à rasca" nunca o faria!!
É preciso passar recibos verdes, trabalhar à noite, domingos e feriados, sem férias certas, sem 13ª nem 14º mês.

PS: Ontem na Moda Lisboa, mais um exemplo de geração enrascada. Um jovem modelo dizia à Tv: estou solidário com a manifestação. Eu também sou precário, passo modelos a recibo verde !!

Modelos ao mês, costumam ter outro nome !!
Re: Ganda Deolinda !!!
Re: Ganda Deolinda !!!
Re: Ganda Deolinda !!!
Re: Ganda Deolinda !!!
Re: Ganda Deolinda !!! - E depois????
Re: Ganda Deolinda !!! - E depois????
Re: Ganda Deolinda !!!
Queres emprego?
Dirige-te ao Largo do Rato;
Inscreve-te no Partido Socialista;
Recebes um cartão rosa;
És remetido/a para a Juventude Socialista;
Fazes um exame técnico por faxe;
Ao Domingo dão-te um "canudo" de engenheiro ou doutor;
No primeiro governo vais para secretário/a de Estado, Assessor/a ou Secretário/a;
Tens automóvel, motorista, telemóvel e cartão de crédito garantido;
Ordenado mínimo de 3.000 euros, mais subsídios no mínimo de igual valor;
Caso não sejas eleito/a numa lista eleitoral tens à disposição:
Governador/a-Civil, Banco de Portugal, Tagus Park, Freeport, EDP, GALP, CGD, PT, RTP e outras sucursais do Partido Socialista;
Extras garantidos por sucateiros.
Protecção garantida pelo PGR e pelo presidente do Supremo Tribunal.
Podes roubar os gravadores aos jornalistas sempre que a conversa não te agrade.

Para mais informações contactar José Sócrates ou Armando Vara.

Um hino ao comodismo e à lamechice
Estão a fazer da geração "à rasca" a geração mais "enrascada" da história de Portugal (se é que algum sabe história ou ao menos, quem fez os Descobrimentos).

Em vez de protestarem porque há ALGUNS que são empregados a 500€ para desempenhar funções que exigem qualificações específicas, protestam porque são "doutores" e não têm o emprego equivalente.

Tiraram cursos de fuga à Matemática, à Física e afins, e agora querem que algum benemérito empregue o pessoal das "Relações Internacionais", quando o que faz falta são médicos, engenheiros, operários especializados...etc.

E de 300000 que se manifestaram...nem uma idéia ou iniciativa para "dar a volta". Foi triste.

Queixinhas só dão emprego a psicólogos e, mesmo a esses, em número limitado.
"Tiraram cursos de fuga à Matemática, à Física"
Re: Um hino ao comodismo e à lamechice
Re: Um hino ao comodismo e à lamechice
A luta continua...
Estou indignado, tenho 32 anos, acabei o meu curso superior de astronomia e não tenho emprego, a culpa é do governo, do estado, da NASA e dos meus pais que me pagaram este curso inútil e continuam a pagar-me o sustento. No centro de emprego falaram-me de um emprego “apanhar morangos”, apanhar morangos com estas mãos delicadas? Isso não prejudica a minha coluna, apanhar morangos com um curso superior? Isso é coisa de pobre… Pessoa formada = igual a pessoa reformada, não precisa trabalhar, o estado ou os meus pais têm que me sustentar. A luta continua… a luta continua..
Re: A luta continua...
Re: A luta continua...
E vai continuar parvo
Re: A luta continua...
Re: A luta continua...
Os antigos sofredores, coitados...
Re: Os antigos sofredores, coitados...
esta geração tem um quê de parvoíce
O curso de Eng. Electrotécnica no IST tem mantido 100% de empregabilidade à vários anos consecutivos. Abre mais de 200 vagas por ano em que a média acaba por se situar no limite minimo do IST, 12 valores, pois nunca preenche as vagas todas!!! Este é apenas um exemplo. Existem outros entre U. Porto, U. Aveiro, U. Minho... Pergunto à minha geração, porquê?! "Ah e tal, não gosto de matemática"; "ah e tal a minha vocação é a filosofia"; "ah e tal eu quero é psicologia"; "eu sou mesmo bom é em fotografia". Eu também queria ser astronauta mas a vida não proporciona tudo o que queremos. Tenho pena daqueles que escolheram cursos em que nada faria prever esta precariedade como por exemplo os cursos de ensino em Matemática, Física e Química, ou cursos que prometiam ter grande projecção social mas que tal não se verificou (e.g. Eng. do Ambiente). Peço desculpa a frieza mas não tenho pena daqueles que passavam os dias nos cafés das faculdades a jogar cartas. Esta geração tem o seu quê de parvoíce e enquanto não o assumir nunca sairá deste poço.
esta geração tem medo da matemática
Bingo
DEOLINDA
*************************************************
Para perceber o ambiente musical dos DEOLINDA

http://www.myspace.com/de...

http://letras.terra.com.b...

é interessante ouvir o programa
PLAY LIST/TSF de ANA BACALHAU

http://www.tsf.pt/Program...

*************************************************
Deixem de protestar, comecem a obrigar...

Em vez de gritar, manifestar e protestar com o presente, vamos pensar no futuro.

Que tal os políticos fazerem como os suecos?

Vejam o vídeo:

http://www.youtube.com/wa...

Este sistema afastará os políticos oportunistas e mafiosos, como o insecticidas afasta as melgas...

Re: Deixem de protestar, comecem a obrigar...
Petição!
Re: Deixem de protestar, comecem a obrigar...
GRUPO MUSICAL DE FACHADA
É um grupo de fachada e, concerteza com cartão de militante cor de rosa, basta ver atitude a quando da manifestação.
Estava num concerto na Galiza, se fosse para estarem num programa de TV, à noite já tinham tempo para estar no concerto, enfim.
Sem tirar mérito ao talento individual de cada um dos elementos, não têm nada de novo, ou seja, quem escuta uma canção, escuta o album todo, é sempre a mesma métrica de interpretação e sonoridade.
Re: GRUPO MUSICAL DE FACHADA
Claro que os DEOLINDA não são só ANA BACALHAU

************************************************

Claro que os DEOLINDA não são só ANA BACALHAU...
ver, ler e ouvir...

http://aeiou.visao.pt/o-p...

************************************************
Finalmente percebi !
" Até porque, como disse ainda Ana Bacalhau, a canção era cantada a pedido, porque também na Galiza muitos jovens se identificam com a mensagem contida no tema "Parva que sou". "
Ficámos, pois, a saber que a cantiguinha da treta dos Deolinda tem uma mensagem ... só que ainda não se descobriu qual é !
Qualquer dia ainda aparece por aqui um iluminado a fazer comparações com o Zeca ou com as mensagens contidas nas músicas do Zé Mário...

Ela pode não ser parva ... mas pensa que os outros são parvos !
Re: Finalmente percebi !
Que parvo que eu sou...
Quando há largos anos atrás, numa celebrada manhã de 25 de Abril, milhares de pessoas em Lisboa, contrariando as ordens para permanecerem nas suas habitações, "validaram" o golpe perpetrado por meia dúzia de militares, nenhuma delas, por certo, imaginava e muito menos aceitaria que o pre-conceito, a intolerância, a descrença, a precariedade e até a fome acabariam por se substituir à Liberdade e Igualdade por que ansiavam.
Comentários 35 Comentar

Últimas

Ver mais

Últimas


Pub