18 de abril de 2014 às 22:01
Página Inicial  ⁄  Dossiês  ⁄  Dossies Economia  ⁄  Desempregados de colarinho branco  ⁄  De funcionário 11 a um dos 8 mil dispensados

De funcionário 11 a um dos 8 mil dispensados

Luís Ferreira, 44 anos, fechou pela última vez a porta da Sony, aberta há 22 anos. É um dos 8 mil trabalhadores globalmente dispensados pela multinacional japonesa. No vídeo de hoje perceba como a Sony Portugal perdeu a liderança.
Marisa Moura
Não perca a reportagem, ao detalhe, na Exame deste mês, dia 30 nas bancas. E veja aqui, amanhã e quinta-feira, as últimas duas peças desta série de quatro vídeos.
Comentários 16 Comentar
ordenar por:
mais votados ▼
Assustador e Dramático
Além de ser assustador é sem duvida nenhuma dramático. Aconselho todos os funcionários públicos a seguirem esta infeliz história que o Expresso tem para contar. É isto que eu considero jornalismo de qualidade e quero desde já dar os parabens a este jornal por tal facto. Uma vez mais não me desiludiram. Se há uns tempos o desemprego batia à porta dos menos ileterados e menos capazes, hoje em dia também já incomoda mesmo os outros. Tenho a impressão que nem toda a gente percebeu ainda a realidade que vamos ter de nos habituar nos proximos tempos. O Mundo encontra-se numa mudança profunda e temo que a maior parte do que estavamos habituados vá desaparecer. Parece pairar no ar algo que não sei muito bem o que será.
Re: Assustador e Dramático Ver comentário
Re: Assustador e Dramático Ver comentário
Reagir em vez de temer! Ver comentário
Re: Reagir em vez de temer! Ver comentário
Estupefacto
Fico estupefacto perante alguns dos comentários ! Trabalhei mais de 20 anos no retalho esoecializado em electrónica de consumo e mais tarde especialmente no segmento da alta-fidelidade. Tive o privilégio de estar no mercado quando a Sony se instalou em Portugal, conheci o Luis e muitos outros, também de outras empresas e distribuidores nacionais e também me envolvi apaixonadamente no que fazia. Hoje estou desempregado com 48 anos e 3 filhos e defronto-me com a realidade de ter que fazer o que for preciso para chegar ao fim do mês e conseguir ter o dinheiro suficiente para todas as despesas, sei que muitos outros estão em piore situação, certamente que nunca recebi a remuneração do Luis mas fico realmente estupefacto por verificar que perante a adversidade se deseje a desgraça alheia. É triste verificar que este Potugal ( onde vivemos e em que nos demitimos de exercer a cidadania , mea culpa , onde continuamos a preferir a praia a ir votar responsávelmente e participar para que algo mude, a pedir mais um empréstimo para as férias porque queremos viver acima das nossas possibilidades, a achar que a escola tem a obrigação de cuidar dos nossos filhos e para os calar desejamos o supérfluo...) reaje perante a adversidade alheia como se os que também sofrem tivessem cometido um crime porque ganhavam mais ou viviam melhor. É triste quando verificamos que o acto de cidadania (?) a que se remetem tantos é por vezes o mal dizer e a omissão. Para onde caminhamos?
Re: Estupefacto Ver comentário
Re: Estupefacto Ver comentário
Coitadinho
"UE/Social: Relatório aponta Portugal como campeão da desigualdade na repartição de rendimentos
22 de Maio de 2008, 15:29

Bruxelas, 22 Mai (Lusa) - Portugal foi hoje apontado em Bruxelas como o Estado-membro com maior disparidade na repartição dos rendimentos, ultrapassando mesmo os Estados Unidos nos indicadores de desigualdade.

O Relatório Sobre a Situação Social na União Europeia (UE) em 2007 conclui que os rendimentos se repartem mais uniformemente nos Estados-membros do que nos Estados Unidos.

"Apenas Portugal apresenta um coeficiente superior ao dos Estados Unidos", sublinha ainda o documento.

O relatório é o principal instrumento que a Comissão Europeia utiliza para acompanhar as evoluções sociais nos diferentes países europeus.

Os indicadores de distribuição dos rendimentos mostram que os países mais igualitários na distribuição dos rendimentos são os nórdicos, nomeadamente a Suécia e Dinamarca.

"Portugal distingue-se como sendo o país onde a repartição é a mais desigual", salienta o documento que revela não haver qualquer correlação entre a igualdade de rendimentos e o nível de resultados económicos.

Mas se forem comparados os coeficientes de igualdade de rendimentos dos Estados-membros com o respectivo PIB (Produto Interno Bruto) por habitante constata-se que os países como um PIB mais elevado são, na sua generalidade, os mais igualitários."

FPB.

in Lusa/Fim

Re: Coitadinho Ver comentário
AS EMPRESAS NÃO NOS AMAM
O desemprego é uma experiência terrível qd ainda se tem pela frente muitos anos de trabalho antes da reforma.
A Sony, se perdeu a liderança, cortou nos custos fixos mais caros. O Luis não vai ser substituido por ninguém, alguém vai acumular o trabalho dele com outros trabalhos na empresa, é o tal aproveitamento de sinergias.
O Luís disse que trabalhou aos fins de semana, fez directas, etc, etc. As empresas não se relacionam emocionalemnet com os seus trablhadores, são frias, ao contrário dos colaboradores, que vestem a camisola e sacrificam a vida privada pelo crescimento das empresas. É uma relação perversa.
O Luis vai ver-se aflito para conseguir violtar a ter um emprego deste género. Vai receber subsídio d desemprego de cerca de 1300 euros mensais durante três anos, depois prolonga mais uns meses com o subsídio social. Entretanto aconselho-o a poupar o dinheiro da indemnização pq ele não cresce. E a programar a vida financeira todos os dias, a não ir em impulsos de comprar coisas supérfluas. Deve tentar reduzir as despesas com TV, telefones e luz.
O pior vai ser daqui a três anos, acredite, Luís, não é fácil, mas ainda tem a opção Angola se se sentir um bom técnico.
O QUE SE PASSA NO REGISTO PREDIAL
A propósito do Luis e de despedimentos, vou contar algo que vivi há dias. Fui fazer uma escritura a um Registo Predial. Chegados lá, fomos informados de que «não havia sistema» desde o dia anterior. Não dava para adiar, fomos ficando, a notária introduziu os dados como pôde e só por volta das 13h30 (não saem para almoçar!!!!) se conseguiu fazer o acto mas o sistema rebentou logo e nem pudemos trazer as cópias autenticadas..
Então as funcionárias disseram-me que é muito frequente o sistema ir abaixo e que quem paga são elas. E explicaram-me: «exigem-nos objectivos muito altos e difíceis e nós temos de trabalhar todos os dias mais duas horas e também aos fins de semana, sem nada ganharmos.»
E acrescentaram: «a direcção geral exige-nos impossíveis pq o sistema está sempre em baixo. E se não atingirmos os objectivos definidos a avaliação é negativa e podemos ser despedidas sem que a culpa seja nossa».
Havia ali muita amargura, muito desespero. E nenhuma das funcionárias, como eu já disse, saiu para almoçar, frisaram: «não dá para ir almoçar».
Re: O QUE SE PASSA NO REGISTO PREDIAL Ver comentário
No vídeo de hoje perceba...

Como a Sony Portugal perdeu a liderança.

E eu não percebi...
Não tenho... Pena...

Nem estou aqui para dar conselhos ao Luis, pois pelo que ouvi é uma homem maduro, consciente e numa idade, da qual ainda se pode esperar muito...

44 anos de idade para um diretor de marketing? Pode-se dizer que é um jovem ainda com muito sangue nas guelras.

Pela análise que fez da Sony em Portugal, está atualizado com as novas maneiras das empresas estarem no mundo. Pelo que entendi da conversa a sua dispensa era mais ou menos esperada.

Certamente, não levará muito tempo para voltar a se colocar... Pelo que percebi tem um bom cabedal ou melhor currículo... E talvez ainda acabe por ficar melhor do que estava.

Os que me preocupam, e sinto muita pena são daqueles sem qualificações, sem eira nem beira, e que só sabem fazer uma determinada tarefa... E que aquilo que hoje sabem fazer, não precisa ser mais feito, as novas tecnologias deram cabo do posto de trabalho ou de habilidades elementares.

Estes sim, certamente, não sabem e nem têm a menor idéia aonde ir, por onde terão de se virar. E, de certeza, têm à vista um desemprego de muito longa, longíssima, duração.
Re: Não tenho... Pena... Ver comentário
PUBLICIDADE
Expresso nas Redes
Pub