Anterior
"God Save Murray": um britânico ganha em Wimbledon
Seguinte
"Portugal não é só futebol mas precisamos de mais apoios"
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Desporto  >  Jogos Olímpicos 2012  >   David falhou dois xeques-mates para derrubar Golias

David falhou dois xeques-mates para derrubar Golias

Equipa nacional de ténis de mesa perdeu nos 'quartos' com a Coreia do Sul, número dois do mundo atrás da China. O jogo foi à negra, Portugal mexeu com a paciência dos asiáticos, mas no final imperou a lei do mais forte.
|
Marcos Freitas bem tentou, mas Portugal acabou por perder
Marcos Freitas bem tentou, mas Portugal acabou por perder / Nuno Veiga/Lusa

Era uma luta entre David e Golias, entre um anão com vontade de crescer e um gigante com a ambição de superar o maior de todos, a China. Mas Portugal esteve perto de fazer uma surpresa nos quartos-de-final do ténis de mesa por equipas, perdendo apenas na 'negra' (2-3) com a poderosa Coreia do Sul, segunda do ranking mundial e com todos os jogadores entre os top-20 (os portugueses situam-se entre o 31.º e o 39.º lugares).

Clique para aceder ao índice do Dossiê Jogos Olímpicos 2012

E a equipa nacional até esteve na frente, por 2-1. Foram dois xeque-mates 'desperdiçados' que podiam ter sido históricos mas, para a história, vai ficar apenas a boa réplica nacional. E uma espécie de vitória moral, daqueles que não dão nada a não ser esperança de, daqui a quatro anos, Portugal aspirar a mais nos Jogos Olímpicos. Mas uma coisa é certa: Marcos Freitas, Tiago Apolónia e João Pedro Monteiro mereciam mais.

Primeiro jogo - Uma ameaça que ficou por aí


Tiago Apolónia foi o primeiro português a entrar em jogo, ao contrário do que tinha acontecido com a Grã-Bretanha onde jogou apenas nos pares. E o início foi bom, tendo mesmo oportunidades para fechar o primeiro parcial a seu favor, mas Sangeun Oh (que tinha retirado Marcos Freitas do quadro individual) acabou por dar a volta. Aí e nos outros, com os parciais de 11-13, 7-11 e 9-11.

Segundo jogo - A calma ganhou à paciência


Marcos Freitas começou a mudar a tendência do encontro no segundo jogo de singulares. A jogar contra o número 10 do mundo, Saehyuk Joo, o madeirense teve a calma e a concentração suficientes para quebrar a paciência do sul-coreano, vencendo com os parciais de 16-14, 11-6, 6-11 e 11-9. E com bolas extraordinárias, como uma onde houve mais de vinte trocas (o ponto acabou por ser para a Coreia do Sul). Foi aqui que a bancada, composta maioritariamente por britânicos, virou - tudo por Portugal.

Terceiro jogo - A surpresa em versão dupla


O jogo de pares virou o resultado a favor de Portugal: João Pedro Monteiro e Tiago Apolónia ganharam a Sangeun Ho e Seungmin Ryu após uma recuperação fantástica de 0-2 para 3-2 com os parciais de 6-11, 10-12, 11-1, 11-8 e 11-7. E como entretanto o encontro entre Alemanha e Áustria terminou, as atenções passaram a estar apenas focadas no conjunto nacional, cada vez mais apoiado pelo público (que entretanto se galvanizou com a vitória de... Andy Murray).

Quarto jogo - A um bocadinho assim...


Portugal teve o primeiro xeque-mate para fazer cair a Coreia do Sul no encontro de singulares entre João Pedro Monteiro e Saehyuk Joo mas, desta vez, a paciência do asiático acabou mesmo por mexer com os nervos do português, que acabou por ser derrotado por 11-8, 6-11, 4-11 e 10-12. Ficou a sensação de que podia ter sido diferente. E, coincidência ou não, no final houve muita gente a ir embora.

Quinto jogo - A lei do mais forte


Marcos Freitas, o melhor português da atualidade (31.º do ranking), ia defrontar Seungmin Ryu, o pior sul-coreano do momento (17.º posto). Com uma pequena nuance - não era pior, era o menos bom. Porque, por exemplo, foi campeão olímpico em 2004. Aqui imperou a lei do mais forte, com os parciais 5-11, 6-11, 11-9 e 3-11. Mais um xeque-mate desperdiçado, com o speaker a louvar a exibição da equipa portuguesa no final. Não passou de uma vitória moral mas valerá, no futuro, bem mais do que isso...

 


Opinião


Multimédia

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 9 Comentar
ordenar por:
mais votados
Sinto orgulho de vocês.
O desporto é mesmo assim; pode-se trabalhar muito e perder, sendo que neste caso não há que retirar mérito a ninguém mas sim valorizar a capacidade adversária. Tenho muito orgulho dos portugueses e reconheço o mérito adversário. Parabéns a uns e a outros.
PS. Fiquei particularmente agradado por ver um meu conterrâneo a defender as cores nacionais.
Ingratos.
Meus caros, por aqui há muitos portugueses que acham que vocês não estão aí a fazer nada, pela minha parte acho que são uns ingratos ignorantes.
Quero também dizer que até hoje não perdi uma prova dos portugueses e sinto-me orgulhoso do vosso esforço.

Parabéns.
Re: Ingratos.
Re: Ingratos ou Papa mesmo tudo
Re: Ingratos ou Papa mesmo tudo
Jornalismo da treta.
"xeques-mates", isso é novo acordo? Não deveria ser "xeque-mates"?

Porreiro para eles que são bons no pingue-pongue, mas daí a ser desporto olímpico...
Re: Jornalismo da treta.
ESPETACULAR!
ESPETACULAR!
MUITOS PARABENS AOS NOSSOS ATLETAS!
MAIS NADA...
Comentários 9 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub