Anterior
Sr. Primeiro-Ministro: e as prostitutas e chulos pagarem impostos, não?
Seguinte
"Se ela estivesse morta cheirava mal!"
Página Inicial   >  Blogues  >  100 reféns  >   Dar o nome Carlos Castro a uma rua? Vão gozar outro!

Dar o nome Carlos Castro a uma rua? Vão gozar outro!

Eu pensava que já tinha visto tudo neste filme mas afinal não. Um grupo de amigos do cronista quer dar o nome Carlos Castro a uma rua de Lisboa. Surreal. Ridículo. Espero que seja uma brincadeira.
|

"Um grupo de amigos de Carlos Castro, em que se inclui La Féria, propõe ao presidente da Câmara de Lisboa que o nome do cronista seja incluído na toponímia da cidade" in Correio da Manhã

Não me vou ficar pelo óbvio que seria dizer apenas e só: quem foi Carlos Castro para dar o nome a rua, esquina, rotunda ou beco? Tem falecido muita gente de grande valor nos últimos tempos. Relembro a recente perda do jornalista Carlos Pinto Coelho, um grande, enorme comunicador e ícone da cultura e sua transmissão neste país. Mas pelos visto é outro Carlos quem está na calha para ser eternizado dando o seu nome a uma rua. Eu sugiro antes uma ladeira ou rampa. Não era ele que servia de rampa de lançamento para tudo o que é pára-quedista social?

Estou a ver daqui a uns anos o avô com o netinho pelo braço, a passearem e a desfrutar do sol da capital quando o petiz se sai com esta: "Ó avô, quem foi o Carlos Castro?" "Quem? Diz o velhote visivelmente atrapalhado..." "Ali avô - apontando - a placa diz rua Carlos Castro." "Ah sim meu filho... Olha esse senhor lançava muita gente no mundo cor-de-rosa com as suas crónicas de grande veia poética e conhecimentos no mundo do jet-set. Sabes o que é o jet-set filho? "Não avô, o que é isso?"

"Olha rapaz, em Portugal o jet-set são aqueles tesos que não têm dinheiro para comprar um pacote de sugus mas que parecem varejeiras em volta das festas do social. Desde que haja imprensa especializada em revistas de leitura de wc eles estão lá. Tarólogas, bruxos, manequins tenrinhos, desconhecidos ou conhecidos porque apareceram dois minutos na televisão a dizer bacoradas, e depois um grupo de gente que o teu avô não sabe bem o que faz ou como ganha a vida, mas que tem sempre um diminutivo no nome: Vivis, caquis, mimis, cócos, pipis, xonés e assim." "Não estou a entender avô... Olha filho, nem eu, mas é assim querido".

"Então e o que aconteceu ao senhor?" "Bem, o senhor foi viajar e a coisa correu mal. Lembras-te quando o avô te diz que é perigoso para os miúdos pequenos abrirem garrafas de vinho sozinhos? Mas deixa lá, isso a avó depois explica-te melhor..."

Se querem eternizar a vida de Carlos Castro sugiro um show travesti. Algo que ele adorava, faz mais sentido. Até dou umas dicas ao encenador La Féria: "As bichas de Nova Iorque" se for musical ou "E tudo o vento do túnel de Metro levou" se for drama. Agora, deixem-se é de ideias bacocas. Chamaram de tudo à população de Cantanhede por fazerem a missa e a vigília de solidariedade e agora querem dar o nome de uma rua da capital ao Carlos Castro? Antes dele estariam milhares de pessoas. Milhares.

O 100 Reféns tem uma página no Facebook. Apareça e pode trazer companhia: http://www.facebook.com/?ref=logo#!/pages/Blogue-100-Refens/144947845566183


Opinião


Multimédia

Os assassínios, as execuções, as decapitações são as imagens mais chocantes de uma propaganda cada vez mais sofisticada. É a Jihad, que recruta guerrilheiros no ocidente para matar e morrer na Síria. O Expresso seguiu as pisadas de cinco jiadistas portugueses, mostrando quem são e como foram convertidos e radicalizados. E como lutam, como foram morrer - e como já haverá arrependidos com medo de fugir. Reportagem em Londres, no café onde viam jogos de futebol, na universidade onde estudavam e na mesquita onde rezavam. Autoridades e especialistas em terrorismo estão alerta sobre este pequeno mas perigoso grupo, onde corre sangue português - e de onde escorre sangue por Alá.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.

Geração Z

Mais rápidos, mais capazes, mais solitários, os Z vivem agarrados aos ecrãs, pensam com a ajuda da internet e estão permanentemente preocupados com a bateria do telemóvel. Que geração é esta que nasceu com a viragem do século?

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.


Comentários 98 Comentar
ordenar por:
mais votados
Tricas e laricas !
Ao longo da minha vida, fartei-me de ver na toponímia de muita urbe, umas mais pequenas outras maiores, nomes de muitos energúmenos louvados pela História, sempre escrita pelos vencedores, ou por classes dominantes, apenas porque morreram do lado certo da barricada, ou tiveram um servil escriba que lhes amaciou o despotismo.
Não concordo com o nome de Carlos Castro para nenhuma Rua de Lisboa, pela mesma razão que nunca concordarei com o nome de Lili Caneças para nenhuma Praça da capital.
Sempre pensei que só tinham direito a ficar nos anais da História, pessoas excepcionalmente boas ou muito reles.
Gente mediana, fica-se pelas tricas e laricas!
Re: Tricas e laricas !
Que vergonha!
Mais uma provocação do lobby gay! Tudo fazem para dar nas vistas pq têm as costas quentes apoiados como são pelo governo do PS e o BE . Quem não der o seu aval a esta monstruosidade terá medo de ficar mal visto , de ser apelidado de homofóbico mas o que revolta é querer-se homenagear uma pessoa que não valia nada em detrimento de outras com imenso valor como Carlos Pinto Coelho, Vitor Alves só para falar dos que faleceram mais recentemente . É uma tristeza verificar o estado a que este país chegou pela mão de mediocres.
Vergonha são algumas conclusões insustentadas...
Que vergonha!
O poderoso lobby malu11 (I)
O poderoso lobby malu11 (II)
Re: O poderoso lobby malu11 (II)
Re: O poderoso lobby malu11 (II)
Re: O poderoso lobby malu11 (II)
Re: O poderoso lobby malu11 (II)
Re: O poderoso lobby malu11 (II)
Re: O poderoso lobby malu11 (II)
Re: O poderoso lobby malu11 (II)
Re: O poderoso lobby malu11 (II)
Re: O poderoso lobby malu11 (II)
ERRATA E ESCLARECIMENTO
Re: Que vergonha!
Re: Vergonha são algumas conclusões insustentadas.
Re: Vergonha são algumas conclusões insustentadas.
Re: Vergonha são algumas conclusões insustentadas.
Re: Vergonha são algumas conclusões insustentadas.
Re: Vergonha são algumas conclusões insustentadas.
Re: Vergonha são algumas conclusões insustentadas.
Re: Vergonha são algumas conclusões insustentadas.
Re: Vergonha são algumas conclusões insustentadas.
A homossexualidade é uma doença?
Re: A homossexualidade é uma doença?
Re: A homossexualidade é uma doença?
Re: A homossexualidade é uma doença?
Re: A homossexualidade é uma doença?
Re: A homossexualidade é uma doença?
Re: A homossexualidade é uma doença?
Re: Que vergonha!
Re: Que vergonha!
A Imprensa "côr de rosa"
Tem que se entreter.
Meu caro Tiago,
Quero aproveitar para o felicitar, pois, desta vez (ou, melhor, mais uma vez), foi certeiro.

Acho que não faz sentido nenhum atribuir o nome de uma rua a Carlos Castro.

Há tempos, o Presidente da Câmara do Porto foi, severamente, criticado pelo PEN clube português e por outros, por ter mantido a recusa da Comissão de Toponímia em atribuir o nome de Saramago a uma qualquer artéria do Porto com o fundamento de que não preenchia um critério objectivo: o escrito não possuía nenhuma ligação com a Cidade. Porém, a decisão foi legítima e adequada.

No caso de Carlos Castro, poderia existir essa ligação, mas, não me parece acertado, nem sequer ponderado, que se atribua o seu nome a uma rua e que tal não suceda com outros nomes como o de Carlos Pinto Coelho ou de Matilde Rosa Araújo cujos contributos para a cultura portuguesa superam, indubitavelmente, os de um cronista social ou deste em particular.

Dignificar a sua morte, condenar a barbárie é completamente distinto de exageradamente reconhecer à sua vida atributos comunitários que o justifiquem.

Assim, não poderia estar mais de acordo consigo.

Porém, jamais se deveria recusar uma qualquer escolha toponímica - estas não são palavras suas - apenas por ser homossexual e acho que nomes como Ary dos Santos ou António Variações fariam algum sentido. Mas, esta é a minha opinião pessoal.

Cumprimentos
Re: Meu caro Tiago,
Re: Meu caro Tiago,
Re: Meu caro Tiago,
Re: Meu caro Tiago,
Re: Meu caro Tiago,
????????????????????????????
Rua
Por favor não brinquem com coisas sérias !
Sugerir atribuir o nome de uma rua a Carlos Castro não passa de uma idiotice.
E se António Costa aceitasse tal sugestão deveria demitir-se da Câmara Municipal de Lisboa, imediatamente.
Não passaria de um idiota, e creio que ele não o é !
Esperemos que o bom senso impere.
Só falta sugerir o nome do BIBI....
Re: Rua
Não! poupem-nos...
As ruas devem ter nomes de pessoas que fizeram algo de verdadeiramente extraordinário para a sociedade.

Petição
http://www.peticaopublica...
  Por favor assinem antes que se cometa a maior barbaridade do século...
Re: Petição
Re: Petição
Re: Petição
SE FOSSE A UM BANCO DE JARDIM DO P.EDUARDO VII
Neste país triste , não me surpreenderia nada que alguma câmara ou junta dominada pelos lobis gay assim o faça, sobre proposta do BE.

Se ainda fosse dar o nome a algum banco de jardim do Parque Eduardo VII , ainda concordava.

Lá sabe do que fala...
O CC ERA CONTRA O CASAMENTO E A ADPOÇÃO
Re: O CC ERA CONTRA O CASAMENTO E A ADPOÇÃO
Re: O CC ERA CONTRA O CASAMENTO E A ADPOÇÃO
Re: O CC ERA CONTRA O CASAMENTO E A ADPOÇÃO
Re: O CC ERA CONTRA O CASAMENTO E A ADPOÇÃO
A provocação do TM
Nignguém de bom senso perde tempo a ler notícias côr-de-rosa deste calibre...
O TM arranjou um tema provocatório que vai espicaçar os antis a bregeirarem a linguagem e os prós a degladiarem-se com os seus argumentos de esquerda!
É capaz de chegar aos 50 comentários e alguns serão seguramente ilariantes!!
Não me senti provocado; sentiu-se?
Re: Não me senti provocado; sentiu-se?
Re: Não me senti provocado; sentiu-se?
Re: A provocação do TM
Muito bem
Plenamente de acordo.
homessa!
Dêem o nome do fulano a um "túnel"...De preferência debaixo de água a 200 milhas da costa na mesma latitude da cidade de Lisboa!!
A inauguração será realizada com banda e fanfarra,sem escafandro,pelos idiotas que tiveram a brilhante ideia!
No lugar da fita será colocada uma rolha que será retirada no início da cerimónia.
Re: Dar o nome Carlos Castro a uma rua? Vão gozar
Oh Tiago, brilhante como sempre! Porque isto é uma piada, p/ a malta escrever aqui mais uns disparates, certo? Não me diga que alguém queria mesmo dar o nome do falecido a uma rua?! Non crediderim!!!
Perdoai-lhes Senhor...
Esta crónica é por demais ofensiva para sem mais delongas apenas sugerir que se pondere de futuro a publicação de opiniões impróprias de serem publicadas num orgão de comunicação com o prestígio do «Expresso»... não esperava nada assim por estas bandas...
Pratos Limpos
Gostaria de o felicitar pelo brilhante comentário, que chega a ser grotesco e um tanto ou quanto sádico - o que me deixa bastante agradada. isto porque, já ando cansada de tolerância a mais e de falta de noção por parte das pessoas que alegremente saltitam pelas ruas do nosso país.
Não há qualquer sentido em dar o nome de uma rua a um homem, que além de ser indiferente para muitos, era, na maioria dos casos, sentido como desprezível. e a história de que quando se morre se vira santo....não papo, nem com ajuda de líquidos.
Não considero que tenha feito nada para que receba uma homenagem destas... nomes de ruas dão-se a grandes pessoas.... e este, não me parecia ser grande coisa.
Quanto à sua descrição do jet-set, apelido-a de brilhante e com toques buliçosos.
ABSURDO
Acho um absurdo dar o nome de CC a uma rua ,não vejo o porquê de tal ideia.
O nome de uma rua a meu ver, é dado para se fazer um elogio a alguem teve algum merito academico , humanitário ou outro qualquer ,por essa razão não vejo o porquê de tal ideia, pois CC ,é apenas uma pessoa normal que infelizmente teve um morte horrivel e lamentavel , mas não passa disso. A
Comentários 98 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador

PUBLICIDADE

Pub