9
Anterior
Strauss-Kahn: o anjo da guarda da Grécia
Seguinte
Número de inscritos em centros de emprego cai 5%
Página Inicial   >  Economia  >   Dar a volta: procurar emprego depois dos 50

Dar a volta: procurar emprego depois dos 50

Ter mais de 50 anos e estar desempregado não é fácil, mas não é o fim do mundo. Veja com atenção os conselhos de quem recruta mão-de-obra em Portugal.
Dar a volta: procurar emprego depois dos 50

A Transitar, uma empresa  especializada  em  "outplacement"  e  processos  de  transição  de  carreira,  apresenta  algumas  dicas  para  conseguir  o  tão almejado emprego quando já se tem 50 anos:

- Relançar  a carreira: investir  na  área  na  qual  se  trabalhou  durante  a
maior  parte  da  vida  pode  ser  o  investimento  mais  seguro.  A  longa
experiência  e  conhecimento  prático  podem  levar  uma  empresa  a
optar por um candidato mais velho em detrimento de um mais jovem
e inexperiente. É boa ideia frequentar cursos de formação, acções de
reciclagem, e quaisquer iniciativas que possam actualizar e reforçar as
competências.

- Rever  e  actualizar o  currículo: Com  uma  carreira  longa,  importa
salientar no  seu currículo as experiências profissionais mais  relevantes,
com  maiores  probabilidades  de  contribuírem  para  que  seja  possível
obter um novo emprego. O currículo deve ser curto e conciso.

Apostar nas  novas  tecnologias: as  redes  sociais constituem  hoje  uma
forma ímpar de manter contacto com um grande número de pessoas
e entidades, o que pode abrir inúmeras portas a um novo emprego.
Para além disso, é  sempre importante estar actualizado com as mais
recentes inovações.

Criar o próprio emprego: Com a experiência e o conhecimento que
um candidato de 50 anos  tem, criar o  seu próprio posto de  trabalho
pode  ser uma  excelente  alternativa.  Já  conhece  o  mercado,  já
conhece o trabalho - do que está à espera?

- Voltar a estudar: Dizer que  "nunca é  tarde para aprender" pode  ser
um  cliché, mas  também  é  verdade.  Os  50  anos  são  uma  idade  tão
boa como outra qualquer para actualizar os conhecimentos, ou para
adquirir  formação noutra  área,  complementar ou radicalmente
diferente, que possa abrir mais portas.

Aproveitar o  momento  da  entrevista  de  emprego  para  mostrar  que,
com toda a experiência que possui, não só tem ainda muito para dar,
como  não  se  acomodou.  O  candidato  deve  exibir confiança  e
flexibilidade.

Sublinhar as  mais-valias  que  empregos  passados  possam trazer  às
funções a que  se candidata. A idade é menos importante do que a
experiência.

- Cuidar da  imagem.  O  candidato  não  deve  esconder  a  idade  que
tem,  no  entanto,  deve  assegurar-se de  que  a  sua  aparência  é  a
melhor.


Opinião


Multimédia

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola, em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Costeletas de borrego com migas de castanhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Strogonoff de peixe espada preto

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Caril de banana

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Cantaril com risotto de espargos

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.


Comentários 9 Comentar
ordenar por:
mais votados
É um drama.
Fala-se de geração à rasca, enrascada , rasca.
De gente com um canudinho na mão que exige ser colocada porque já contribuiu para o peditório.
E os desactivados? A chamada classe de "velhos para trabalhar e novos para a reforma".
Muitos deles sem qualificação, com família para sustentar - onde se contam os ditos enrascados- e aflitos porque ninguém olha para eles, ninguém lhes quer dar uma oportunidade.
E os mais qualificados? Estão na mesma.
O meracdo de emprego considera que um indivíduo com mais de 50 anos é considerado demasiado velho para ser contratado. Uma empresa que o diga mostra que também ela é velha.
Os governos resolveram diminuir a idade da reforma enquanto que aumentava a esperança de vida e com isso criaram um desiquilibrio na segurança social que actualmente, de forma desesperada, tentam corrigir mas ao qual o mercado não reage.
Contratamos duas pessoas no ano passado com 51 e 53 anos respectivamente, nenhum deles licenciado, com formação do antigo 7º ano de liceu. Uma fez um ano de casa a outra para lá caminha e com contratro sem termo, depois de cumprido o período experimental. Substituiram dois jovens licenciados, um que aguentamos 4 meses e outro 5 meses e uma semana. Brilhantes notas, bons psicotécnicos, entrevistas cuidadas e bem vendidas.
Problemas: Não tinhamos professor de português para corrigir os erros ortográficos; ...
Eu trabalho por 15.000€ brutos !!!
Re: Eu trabalho por 15.000€ brutos !!!
Re: É um drama.
Part 2
Pouca disponibildade para aprender.
Cooperação e colaboração pareciam ser palavras arredias do seus diccionários.
Se pudessem baldar-se era na hora.
Foram avisados que quando fossem vistos como custo e não como investimento o caminho era para a rua.
No final de cada período, tendo emconta que estavam em período experimental de 180 dias foi indicada a porta a um.
O outro percebeu e mostrou algum empenho durante 2 semanas e depois seguiu o mesmo caminho.
Ambos mostraram-se estupefactos por não cumprirem os 6 meses.
Não sei se um salário bruto anual superior a 15000€ estava nas ambições da rapaziada mas devia ser excessivo.
Os novos recrutas, começaram com um salário mais baixo e após alteração contratual é-lhes pago esse valor sendo que em ambos os casos esteja indexado um prémio em função dos objectivos anuais, individuais e colectivos.
Claro que não podemos generalizar, antes considerar como opções válidas essas candidaturas.
No entanto o mercado continua a esquivar-se.
Mas não desistam.
O combóio vai passar, não tantas vezes como em outras ocasiões, mas vai passar.
É estar lá para o apanhar.

Na empresa onde trabalho na Alemanha,
Re: Na empresa onde trabalho na Alemanha,
Emprego depois dos sessenta
Re: Emprego depois dos sessenta
Comentários 9 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub