Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

Os Três Duques já não têm xerife

  • 333

Morreu James Best. Fez parte dos anos de glória de Hollywood e contracenou com atores como Clint Eastwood e Paul Newman. Durante seis anos, fez o papel mais carismático da sua carreira - o xerife Rosco Coltrane de "Os Três Duques", série que recordamos enquanto revisitamos a carreira de Jimmie, como gostava que os amigos o tratassem.

O ator James Best, conhecido pelo seu prolífero papel de xerife Rosco na série "Os Três Duques", faleceu na noite desta segunda-feira, vítima de complicações de uma pneumonia, num hospital em Hickori, nos Estados Unidos. Tinha 88 anos. Além de ator, deu aulas de atuação a nomes como Quentin Tarantino.

James Best teve uma carreira cinematográfica sólida. Começou a atuar há mais de 50 anos, interpretando papéis de vilão em westerns. Mas o personagem mais emblemático que encarnou foi o xerife Rosco Coltrane, que tentava apanhar os primos Duke numa série que fez a viragem da década de 70 para 80 ("Os Três Duques" viveram originalmente de 1979 a 1985). Foi um personagem acarinhado por muitos fãs da série, que não se vão esquecer deste xerife que tinha um sotaque sulista característico. 

Durante a sua carreira, Best apareceu em mais de 80 filmes e 60 séries, incluindo as intemporais "Twiligh Zone" (1959), "Rawhide" (1959) e "Alfred Hithcock Presents" (1955). Foram vários anos de carreira que, para James Best, souberam-lhe a pouco: o ator desejava realizar ainda outros planos cinematográficos. "Existem outros filmes e projetos que gostava de terminar, mas há sempre algum peixe que precisa de ser pescado", referiu Best no livro que escreveu em 2009, intitulado de "Best in Hollywood: The Good, the Bad, and the Beautiful". Best queria retratar Hollywood da forma em que ele a conheceu.

Além de ator, o octogenário foi também professor. Fundou uma escola cinematográfica para atores, que operou durante 25 anos. Nas suas aulas tinha como estudantes nomes que também não serão esquecidos: Quentin Tarantino, Clint Eastwood, Roger Miller, Teri Garr e Farrah Fawcett. Os seus conhecimentos levaram-no ainda a dar aulas nos anos 70, altura em que "escapou" de Hollywood por um curto período de tempo.  

Mudança drástica  James Best ficou conhecido pela sua energia e curiosidade, que o tornaram num homem com uma personalidade "genuína", como muitos colegas de trabalho dizem. Para outros companheiros de carreira, o octogenário foi uma mestre da sétima arte. "Aprendi mais sobre atuação em frente às câmaras com Jimmie Best numa tarde do que com outra pessoa qualquer num ano", disse John Schneider, o ator que interpretou Bo Duke na série de 1979.

James Best nasceu em Kentucky em julho de 1926 sob o nome Jewel Franklin Guy. Tinha nove irmãos e era ele o mais novo. Três anos após o seu nascimento, a sua mãe biológica faleceu e James foi adotado por Essa e Armen Best. Mudaram-se para Indiana e foi lá que James passou a sua infância e juventude.

Quando era ainda jovem, Best tinha o sonho de se tornar um piloto. Foi por essa razão que se alistou em 1944 na Força Aérea. Mas, na altura, os militares precisavam de atiradores e operadores de rádio e, por isso, o ator não concretizou o desejo que tinha. Foi, porém, lutar na Alemanha e foi aqui que percebeu a vontade que tinha de encenar e atuar, uma mudança drástica.

O facto de ter vivido de perto a Grande Depressão de 1929 serviu de inspiração para escrever a sua primeira peça, "Hell-Bent for Good Times", que foi também produzida, direcionada e protagonizada pelo ator. Foi o início do seu novo sonho de trabalhar em Hollywood. Nos seus primeiros filmes, James fez muitos westerns com lendas do mundo cinematográfico, como James Stewart - fizeram quatro filmes juntos - e Paul Newman - dois filmes em conjunto. 

O último filme que completou data de 2013, "The Sweeter Side of Life", uma comédia realizada por Michael Damian e que não estreou em Portugal. Além deste filme, ia começar a trabalhar para "Old Soldiers", que aborda a história de dois veteranos da I Guerra Mundial.

O xerife precisava de um companheiro Depois de ter sido vilão em vários westerns e 33 anos volvidos, Best recebeu o convite que iria mudar a sua vida. Estava a meio de um projeto com Burt Reynolds quando recebeu uma chamada de um produtor a convidá-lo para entrar na série "Os Três Duques". Inicialmente, o ator recusou o convite porque pensava que iria ser filmado longe da sua casa. Mas decidiu ir ao casting na mesma. Quando se reuniu com o diretor e produtor da série, foi-lhe pedido para ler o guião e interpretar o xerife Rosco de uma forma cómica. Depois de ler o guião, James pensou para si: "O que é que eu vou fazer? Não quero envergonhar os xerifes deste país".  

Depois lembrou-se das brincadeiras de perseguição que tinha com as suas filhas e fez "exatamente o mesmo". O feedback não podia ter sido melhor: o diretor e produtor caíram das cadeiras de tanto gargalharem, relembra Best. Não foi preciso mais nada. Foi o escolhido para interpretar o xerife Rosco durante seis anos.

Best era conhecido também pela sua paixão por animais. Salvou muitos animais ao longo da sua vida. Quem assistia à série certamente lembrar-se-á de Flash, o cão castanho e de orelhas compridas que acompanhava Rosco nas suas aventuras para capturar os primos Duke. O cão Flash foi resgatado das ruas por Best, que o levou para o estúdio no início da terceira temporada. Disse à produção que o xerife "precisava de um companheiro" e deu a conhecer a todos Flash. Embora os produtores não tenham gostado da ideia, Best foi tão convincente que conseguiu um lugar no elenco para o cão.

Muitos colegas de trabalho já prestaram tributos a James Best. Burt Reynolds, também amigo do ator, elogiou as suas competências enquanto ator e professor. "Sinto-me agradecido por poder chamá-lo de amigo desde o dia em que ele entrou no estúdio de Gunsmoke, no início dos anos 60", disse o ator num comunicado.

James Best, ou Jimmie, como gostava de ser chamado pelos amigos, deixa uma carreira de cinema sólida e de um profissionalismo que andava de mãos dadas com a sua personalidade engraçada. Quando lhe pediam para chorar em frente às câmaras, Best respondia apenas "Claro, claro. Qual olho?".