Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

Cavaco fala num "testemunho inconfundível da cultura portuguesa"

Chefe de Estado recorda Manoel de Oliveira como um cineasta "maior" reconhecido internacionalmente, cuja obra projetou Portugal lá fora.

O Presidente da República, Cavaco Silva, transmitiu esta quinta-feira de tarde as suas "sinceras condolências" à família de Manoel Oliveira, destacando a projeção internacional que a sua obra cinematográfica deu ao país.

"Neste momento de luto para a nossa cultura, em nome dos portugueses e em meu próprio nome, apresento as mais sinceras condolências à família de Manoel de Oliveira", declarou o Chefe de Estado em Belém, sublinhando o caminho de "sucessos" do realizador centenário.

Falando num "cineasta maior" com um lado "erudito", Cavaco Silva defendeu que Manoel de Oliveira constitui um  "testemunho inconfundível da cultura portuguesa" e "popular" que recebeu os mais "importantes galardões",

O governante elogiou ainda a visão do cineasta que acreditava que o "futuro era capaz de ultrapassar as dificuldades" e que fez questão de trabalhar até ao final da vida, realçando que teve oportunidade de testemunhar o reconhecimento pelo trabalho de Manoel Oliveira por parte de profissionais da sétima arte de outros países.

"Em 2008, na visita que fiz à Alemanha, confirmaram numa exposição em Berlim sobre a sua obra cinematográfica o prestígio do seu nome para lá das fronteiras do nosso país. Nesse mesmo ano, no Palácio de Belém comemoramos o seu centenário com alguns familiares e atores", acrescentou.

Manoel de Oliveira morreu esta quinta-feira. Tinha 106 anos.