Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

A magia de entrar num documentário

Os óculos de realidade virtual possibilitam a exploração de conteúdos filmados 
a 360 graus 
de forma imersiva

getty

O canal Odisseia está 
a diversificar a sua oferta 
e lançou uma app de realidade virtual, com conteúdos exclusivos relacionados 
com os seus programas. 
O objetivo é ampliar “
a experiência do documentário além da televisão”

Os documentários são o espelho da realidade e são muitos os que veem neles o melhor da programação televisiva. Mostram o mundo tal como ele é — ou exploram uma parte deste, contando uma história desconhecida da maioria — e apresentam ao grande público o que por vezes se mantém preservado a milhares de quilómetros de distância. O género continua a cativar telespectadores e a produção não para de aumentar, com meios tecnológicos a permitirem um novo olhar, que antes era impossível captar. Hoje as câmaras são melhores e os drones oferecem a possibilidade de dar a conhecer novos ângulos, é certo, mas parecia faltar algo. Algo que levasse a experiência a um novo nível, que a tornasse mais imersiva. E esse algo pode muito bem ser a realidade virtual.

Embora a maioria considere que esta não será uma tecnologia que revolucionará a televisão nos próximos tempos — a maior parte dos canais e serviços de streaming contactados pelo Expresso admite algumas experiências na área, mas refere que não se dedicará a produzir conteúdos para a realidade virtual nos próximos tempos —, há canais que não partilham dessa visão e que estão já a apostar neste segmento. O Odisseia não perdeu tempo e construiu uma programação especial dedicada à realidade virtual, que agora se apresenta em antena.

É uma forma de se diferenciarem face aos demais e de dar um passo em frente rumo ao futuro. Pode ainda ser cedo, mas mais vale não ficar para trás e mostrar àqueles que não dispensam a programação documental do canal como pode evoluir a oferta nos próximos anos. Esta não passará apenas pela televisão linear e vai alastrar-se aos dispositivos móveis que quase todos utilizam no dia a dia (e que não raras vezes roubam tempo de atenção à TV). É através da aplicação móvel Odisseia VR (já disponível de forma gratuita para dispositivos com sistema operativo Android ou iOS) que tudo acontece, com alguns dos conteúdos a apresentarem-se já ao dispor dos telespectadores.

Em causa estão mais de 40 clips de realidade virtual — quatro deles de produção própria e divididos em quatro grandes temas-chaves: Natureza, Atualidade e Tecnologia, Arte e História; e Aventuras —, que poderão ser acedidos tanto com óculos de realidade virtual como apenas com recurso ao smartphone, numa aposta que o canal espera ser vencedora. A descida pela chaminé de um vulcão, uma viagem ao interior do corpo humano, a experiência de estar presente num pit stop de Fórmula 1 ou conhecer de perto uma das obras de Hieronymus Bosch são algumas das possibilidades que fazem parte da nova experiência televisiva do canal.

De acordo com o Odisseia, em comunicado, esta nova proposta amplia “a experiência do documentário para lá da televisão” e conta com “conteúdos selecionados especificamente pelo canal”, numa altura em que estas novidades acompanham também algumas alterações na grelha. É aos sábados e aos domingos, pelas 22h10, que “Odisseia VR” se apresenta como programa de televisão propriamente dito, com vários trabalhos documentais a serem depois complementados com o lado mais tecnológico. “Após desfrutar do documentário no canal de televisão, [o telespectador] poderá fazer o download de clips associados a este conteúdo e sentir-se como parte do mesmo ou experimentar sensações que só a última tecnologia de gravação 360 graus/VR pode oferecer.”

“Urbex” — sobre um grupo de “exploradores urbanos” que arriscam a vida para conhecerem determinados espaços vedados ao público — é a série documental em destaque nas noites de sábado e é acompanhada por uma experiência de realidade virtual em 360 graus que apresenta “alguns dos espaços urbanos mais espectaculares do mundo”. Amanhã é a vez de “Crianças Selvagens”, centrado na história daqueles que foram criados longe do contacto humano, entrar na programação, com o documentário a surgir acompanhado na app pelo Mogli de Rudyard Kipling, o menino-lobo de “O Livro da Selva”. Acompanhar o fotógrafo aquático profissional Joe Bunni numa viagem pelos rios e mangais mais impressionantes do mundo é a proposta para o próximo fim de semana (dia 17, 22h10), que será completada por cinco mergulhos — ou melhor, cinco experiências de realidade virtual autónomas — onde será possível estar entre baleias e tubarões.

A programação especial dedicada a esta temática termina no dia 24 (sábado, 22h10), com a exibição de um documentário “que revela como, num futuro muito próximo, a realidade virtual mudará as nossas vidas”. A garantia é do próprio canal, que produziu este trabalho em parceria com Óscar Hormigós e Sebastian Sylwan, responsáveis por dois dos estúdios que trabalham com a tecnologia, e que preparou ainda quatro experiências adicionais para encerrar o tema. Criadas pela VRain, especializada na produção de projetos imersivos, “Barcelona Supercomputing Centre”, “Grande Telescópio Canárias”, “Petroleiro Navantia” e “Avião de Combate Eurofighter” são os nomes das produções de realidade virtual em destaque e que dão aos telespectadores a possibilidade de explorarem um dos maiores supercomputadores em funcionamento do mundo, o maior telescópio em funcionamento a nível global, um navio de grandes dimensões (274 metros de comprimento e uma altura equivalente à de um edifício de 12 andares) e um dos aviões de combate mais avançados e poderosos do momento.