Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

O que está Ricardo Araújo Pereira a fazer nas Nações Unidas em Nova Iorque?

Ricardo Araújo Pereira foi a Nova Iorque celebrar a Língua Portuguesa. Ao seu lado, está Mónica Grayley, responsável pela emissão em português da rádio das Nações Unidas e Onésimo Teotónio de Almeida, professor na Universidade de Brown e Comissário das Comemorações do 10 de Junho

D.R.

Ter António Guterres, secretário-geral das Nações Unidas, e o humorista Ricardo Araújo Pereira a intervir na mesma celebração é pouco provável. Se quer saber o motivo que juntou estes dois homens leia o que lhe contamos e fique a saber que tem tudo a ver com uma ‘ferramenta’ que faz de nós quem somos

A Língua Portuguesa está em festa e o humorista Ricardo Araújo Pereira (RAP) foi até Nova Iorque para participar nas comemorações e conversar com o professor Onésimo Teotónio de Almeida que foi nomeado pelo PR Marcelo Rebelo de Sousa para presidir às comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades em 2018.

E porque o português é língua materna de outros povos e continentes, a conversa entre Onésimo e RAP – na zona exterior do edifício da ONU – foi moderada pela brasileira Mónica Grayley, diretora da emissão em português da rádio das Nações Unidas.

No sábado, a celebração nos jardins das Nações Unidas, contou com a presença do secretário-geral da ONU, António Guterres, que destacou a importância da “diversidade cultural” e o papel da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa na defesa desta: “É necessário dizer que nós na CPLP nos orgulhamos da nossa diversidade, reconhecemos que as nossas próprias sociedades são multiétnicas, multiculturais, multirreligiosas, e que isso é um bem, não é uma ameaça, e que isso deve ser valorizado, e afirmado, e que isso deve ser uma lição para outras partes do mundo, outros povos, outras culturas. E penso que a CPLP tem aqui um papel essencial a desempenhar”, disse António Guterres no discurso.

As comemorações associadas ao Dia da Língua Portuguesa e da Cultura na CPLP prolongam-se até junho em mais de meia de centena de países e contam com o apoio do CAMÕES–Instituto da Cooperação e da Língua, e da CPLP.

“Em 2018, Este ano estão planeados 180 Eventos em 57 países, da Árica do Sul ao Uruguai. Mas a importância da celebração deste 5 de maio, nos jardins das Nações Unidas, com a presença do secretário-geral da ONU e da secretária-executiva da CPLP, Maria do Carmo Silveira, tem de ser destacada”, disse ao Expresso, Luís Faro Ramos, presidente do CAMÕES: “Não há lugar mais apropriado para celebrar a língua portuguesa que as Nações Unidas, berço do multilateralismo em que todos os países membros da CPLP se revêem”.

Resta saber se RAP vai ser desafiado a viajar para outros países para celebrar o português que todos falamos.