Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

“O Mecanismo”, a série que nos revela a corrupção no Brasil

Selton Mello interpreta Marco Ruffo, um antigo delegado da Polícia Federativa obcecado pelo caso em investigação

Pedro Saad/Netflix

O início da ‘Operação Lava Jato’ é o ponto de partida para “O Mecanismo”, de José Padilha e Elena Soarez. A cocriadora da série falou ao Expresso sobre a experiência de trazer para a ficção uma história que permanece sem desfecho

A história estava ali, contada no livro de Vladimir Netto, mas não bastava colar a realidade no ecrã e filmá-la. Era preciso ir além de “Lava Jato — Os Bastidores da Operação Que Abalou o Brasil e o Mundo” (ed. Desassossego, a lançar no início de abril) e dar um olhar diferente ao trabalho do jornalista brasileiro, que tinha feito “uma pesquisa bastante extensa sobre a Lava Jato”. Quando José Padilha convidou Elena Soarez para o projeto, tudo o que havia era um livro, mas depois de Padilha ter feito “Narcos” ambos sabiam que isso não chegava para o que tinham em mãos.

Não foi fácil construir uma narrativa televisiva e ficcional a partir da realidade e Elena Soarez gostava de ter tido mais tempo para dar forma a “O Mecanismo”. “Só não foi mais demorado porque não podia”, conta a cocriadora ao Expresso, considerando que teve “muito pouco tempo” para criar o argumento. “A investigação em si, ela é ingrata do ponto de vista narrativo porque ela vai abrindo, tem um desenho de leque.” A investigação começa “com um pequeno grupo de doleiros, depois vamos para diretores de estatais e a seguir para empreiteiros, que já são muitos, até chegar aos políticos, que são quase todos”. Elena lembra que “essa gente toda não cabe na tela”, pelo que foi necessário recorrer “a uma série de simplificações e reduções com o objetivo de construir uma estrutura narrativa”. “O grande desafio foi esse: fazer o equilíbrio entre realidade e ficção, entre política e entretenimento.”

Apesar do desafio de pegar numa investigação ainda em curso e trazê-la para a televisão, Elena Soarez considera que tem “uma certa margem de segurança” no seu trabalho. “A primeira temporada termina na sétima parte da investigação e só para ter uma ideia essa semana a investigação completou a sua 49ª fase, então por esse lado eu estou mais ou menos coberta, o que não impede que uma vez ou outra eu tome um susto.” O risco vale a pena, considera a argumentista, que vê em “O Mecanismo” a oportunidade de contar de contar uma história próximo do tempo em que ela acontece na realidade. “Se eu estivesse contando essa história passado muito tempo, eu estaria contando essa história do ponto de vista dos vitoriosos porque essa é a versão que fica na história”, mas não é isso que acontece aqui. Na série da Netflix, que nasceu de uma proposta de Padilha ao serviço de streaming, a história é contada “de todos os lados, com todas as vozes”, o que acaba por dar um fôlego maior à narrativa. “Está tudo em aberto”, reafirma Elena Soarez.

Ao tratar “uma história que tomou o país de assalto” e que “rachou a sociedade civil ao meio”, levando as posições a extremarem-se, Elena apostou tudo na construção de algo que revele a realidade sem tomar um lado. Aqui não há esquerda e direita — “Nós nos esforçamos para que ambas odeiem e elas odiarão, porque queremos justamente nos retirar desse debate ideológico”, frisa —, pelo que a receita de “O Mecanismo” é mostrar que a corrupção “é uma prática no Brasil desde sempre e que não é monopólio de nenhum governo, seja ele de direita ou de esquerda”. “É uma perversa associação entre capital e poder que se retroalimenta, financiando interesses privados em detrimento de interesses públicos, em detrimento do bem comum.”

Embora considere que o Brasil passou “por situações muito traumáticas recentemente”, Elena Soarez acredita que todo este processo teve também um lado bom. “Eu acredito que a perda da ilusão é o lado bom; é melhor saber do que não saber”, considera, e é também essa a sua missão. “Acho que a realidade brasileira tem nos servido um excesso de histórias, pelo que a dificuldade atualmente é filtrá-las. São tantas... Nesse momento de crise, mais do que nunca, a gente faz a nossa parte nessa área do entretenimento, mas a realidade brasileira está cheia de histórias para contar.”

A aposta num assunto que é “profundamente brasileiro e local” pode parecer arriscada, quando o objetivo é alcançar público de todo o mundo, mas a cocriadora de “O Mecanismo” acredita que o facto de a corrupção ser “um assunto mais ou menos universal” pode levar a que “as pessoas se conectem com ele”. Por outro lado, também o lado ficcional chamará outros públicos para a série. “Investimos muito na ficção das personagens”, garante Soarez a propósito das mais de 100 personagens diferentes de “O Mecanismo”, que ainda assim se centra num núcleo mais restrito. Selton Mello é Marco Ruffo, um antigo delegado da Polícia Federativa, e Carol Abras interpreta Verena Cardoni (a ajudante de Ruffo), ao passo que Enrique Diaz dá vida ao criminoso Roberto Ibrahim.

A primeira temporada de “O Mecanismo”, composta por oito episódios, já está disponível em streaming na Netflix, mas a segunda leva de episódios ainda não foi anunciada. À pergunta direta do Expresso sobre a existência de novos capítulos seguiu-se um silêncio, que passados alguns momentos Elena Soarez quebrou. “Vocês têm essa expressão em Portugal de que quem cala consente? É isso.”