Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

“Curious?”: igreja da Cientologia lança canal de televisão online

d.r.

Está no ar (aliás, em ‘streaming’) a Scientology TV. As emissões começaram na semana passada nos Estados Unidos, com uma aparição do controverso líder da igreja da Cientologia, David Miscavige, a explicar que o novo canal pretende dar a conhecer todos os aspetos da igreja e da forma como funciona e que não se foca na oração ou na pretensão de converter

Luís Proença

O mote da televisão da Cientologia está lançado e na primeira hora de emissão o canal apresentou uma sequência de vídeos que desvendam um conjunto de séries produzidas “in-house”, nos estúdios próprios da Scientology TV, que incluem “Meet a Scientologist”, “Destination Scientology” e uma minissérie em três partes, “L. Ron Hubbard: In His Own Voice”.

No discurso de abertura, Miscavige assinalou aliás que o canal vai dar a conhecer a vida e a filosofia do fundador, L. Ron Hubbard. “Sejamos claros”, sublinhou: “não estamos aqui para doutrinar, convencer ou converter. Não. Queremos simplesmente mostrar-lhe. Afinal de contas, o primeiro princípio da Cientologia é que só é verdade se for verdade para si. Por isso, veja e decida por si”.

“Fala-se imenso sobre nós. E nós entendemos”, disse Miscavige. “As pessoas são curiosas. Nós queremos responder a todas as questões, porque, francamente, o que ouvem sobre nós não foi dito por nós e posso assegurar que não somos o que está à espera”.

Miscavige acrescentou que entre os seguidores da igreja estão “alguns dos mais famosos e conhecidos artistas e celebridades do mundo”, sem nomear, designadamente, Tom Cruise ou Kirstie Alley. A app da Scientology TV informa que o canal vai exibir em direto (através de ‘online streaming’) episódios completos dos programas favoritos dos espectadores norte-americanos, sem indicar de que programas se trata em concreto ou se terão a participação de outros atores e celebridades membros de longa data da igreja da Cientologia como John Travolta, Elisabeth Moss ou Danny Masterson.

O canal foi lançado e está disponível nos Estados Unidos através de sete plataformas de distribuição digitais: AppleTV, Google Play, iTunes, Chromecast, Roku, fireTV e DIRECTS e surge dois anos após o lançamento da Scientology Media Productions e da edificação de um estúdio de emissões em Los Angeles. Os custos do investimento não foram revelados. O “Hollywood Reporter” refere apenas que se trata de um investimento significativo.

A igreja da Cientologia está no ar, mas não se trata do primeiro contacto com o meio televisivo. Ano após ano têm investido nos mais caros spots publicitários da televisão nos Estados Unidos, com a emissão de um anúncio de 30” no intervalo da transmissão da final do SuperBowl. Este ano, o anúncio já mostrava o logótipo da Scientology TV com a mesma “assinatura” de campanha: “Curious?”. Agora e para o lançamento do canal, compraram espaço num dos ‘outdoors’ eletrónicos de Times Square, em Nova Iorque.

d.r.

Na opinião de Stephen Kent, um académico norte-americano que estuda a igreja da Cientologia há trinta anos, o novo canal é uma tentativa de tomada de controlo sobre a narrativa. “É uma tentativa de ganhar legitimidade e ao mesmo tempo de contrariar o impacto provocado pelo criticismo mediático extensivo”. Kent, citado pela agência australiana “News”, acrescenta que o facto de a igreja optar por fazer as suas emissões através dos novos media é um indicador dos problemas que a organização tem com a sua imagem atual.

As hostes de crítica à igreja da Cientologia têm vindo a crescer, nomeadamente no espaço mediático, fundadas na soma de acusações continuadas de abusos sobre antigos membros. O escrutínio tornou-se mais apertado, nomeadamente, após a exibição pela A&E da série documental “Scientology and the Aftermath”, vencedora de um Emmy, que retrata detalhadamente uma série de casos de abusos físicos, mentais, sexuais e financeiros.

Na base, a igreja professa ensinamentos de que a tecnologia pode expandir a mente e ajudar a resolver os problemas da Humanidade. A igreja da Cientologia afirma ter dez milhões de membros em todo o mundo.