Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

“Os homens falharam à grande e as mulheres tiveram de começar a namorar com peixes”

MARK RALSTON/ Getty Images

Jimmy Kimmel voltou a apresentar a cerimónia dos óscares. O monólogo de abertura teve quase sempre por base a questão do assédio sexual e desigualdade de género

“Este ano, quando ouvirem o vosso nome, não se levantem logo. Esperem um minuto. Não queremos outra situação.” “A situação” que o apresentador não queria que se repetisse é o erro no anúncio do vencedor, tal como aconteceu no ano passado, em que “La la land” foi anunciado como melhor filme, mas afinal o vencedor era “Moonlight”. Jimmy Kimmel não queria mais uma “situação” e por isso deixou logo o aviso assim que arrancou. A piada era esperada, até porque já a tinha feito no vídeo de apresentação da cerimónia: “Não podemos arruinar isto outra vez”. Depois, o tema do monólogo de abertura não variou muito: os homens, o assédio sexual e a desigualdade de género na industria cinematográfica.

“O Óscar é o homem mais adorado e respeitado de Hollywood. E há boas razões para isso. Olhem para ele: mantém as mãos onde qualquer um pode vê-las, nunca diz nada desagradável e, mais importante, não tem um pénis. É um tipo de homem como este de que esta cidade mais precisa.”

Em tom mais sério, Kimmel referiu-se à expulsão de Harvey Weinstein da cerimónia deste ano: “O que aconteceu com Harvey, o que está a acontecer, já chega tarde. Não podemos deixar estes comportamentos impunes. O mundo está a observar-nos. Precisamos de ser um exemplo. Se formos bem-sucedidos, se formos capazes de acabar com o assédio sexual nos locais de trabalho, as mulheres só vão ter de viver o assédio sexual em todos os outros locais que frequentarem. Ao longo desta noite, espero que se ouçam os muitos apoiantes corajosos de movimentos como #MeToo e Time’s Up”.

Mas o apresentador aproveitou ainda para lembrar que a indústria, ainda que devagar, está a mudar. “Lembro-me de uns tempos quando os grandes estúdios não acreditavam que uma mulher [“Wonder Woman”] ou as minorias [“Black Panther”] podiam protagonizar um filme de super-heróis. E lembro-me porque esses tempos foram em março do ano passado. Este ano temos muito que celebrar.”

Kimmel manteve depois a habitual tradição de ir dizendo piadas sobre alguns dos nomeados: “Timothee Chalamet [nomeado na categoria de melhor ator], estás a divertir-te? Ele está a perder um episódio da ‘Patrulha Pata’ [um desenho animado] para estar aqui esta noite” ou “graças a Guillermo del Toro, vamos sempre lembrar-nos que este ano os homens falharam à grande e as mulheres tiveram de começar a namorar com peixes”, afirmou Kimmel em referência à história do filme mais nomeado (13), “A forma da água”.