Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

A Leitura chega ao fim - o adeus a uma livraria onde se escreveu história

Com quase 50 anos de vida cultural, fechou portas a livraria portuense frequentada por Mário Soares, Marcelo Rebelo Sousa, Manuel Alegre, José Saramago, Agustina Bessa-Luís, entre outros. Perde-se, assim, um clube de pensadores e um baluarte de resistência contra o Estado Novo

Quem por esta semana passou na Rua de José Falcão, no Porto, podia assistir à azáfama: caixas de livros empilhadas eram levadas para o interior de camiões. Escrevia-se o último capítulo da Livraria Leitura. O mítico espaço fechou e um vazio incomensurável fica por preencher. Como uma cicatriz na cidade. Insanável. No ano em que comemoraria 50 anos de uma existência dedicada à proliferação do pensamento e à produção de massa crítica, o momento é de “luto”. O Porto diz adeus à Leitura, onde foram escritas páginas douradas da cultura portuguesa da segunda metade do século XX..

O desfecho é o resultado da insolvência da empresa Bulhosa Livreiros, decretada a 15 de janeiro pelo Tribunal Judicial da Comarca de Braga. Inaugurada em setembro de 1968, pelo livreiro Fernando Fernandes e pelo editor José Carvalho Branco, a Leitura tornou-se numa das mais emblemáticas livrarias da Invicta, adquirindo um significado cultural inestimável a nível regional e nacional. Destacava-se pelo vasto catálogo, onde constavam nas prateleiras aproximadamente 120 mil obras.

Durante décadas, constituiu um baluarte de resistência durante os anos de ditadura, comercializando livros proibidos pela censura, e serviu de “casa” para o pensamento, tornando-se num local de passagem obrigatória para ávidos e ilustres leitores, como Mário Soares, Marcelo Rebelo Sousa, Manuel Alegre, o Nobel José Saramago, os também escritores Mário Cláudio e Agustina Bessa-Luís, a poetisa Ana Luísa Amaral, o professor Óscar Lopes ou o pintor Armando Alves - um dos “quatro vintes”, juntamente com José Rodrigues, Costa Pinheiro e Ângelo de Sousa. A lista poderia prolongar-se, porque muitas foram as figuras da vida portuguesa que por ali passaram, sempre em busca de raridades, impossíveis de conseguir noutros locais.

“O livro anda para trás e o mundo não anda para a frente sem livros”

O encerramento do espaço deixa um vazio por preencher. Na Leitura escreveu-se história. Ergueu-se o pensamento e a saudade, essa, permanecerá em stock. “É um atentado à cultura”, começa por dizer Manuel Alegre ao Expresso, para quem o “adeus” a este espaço é um “retrocesso cultural e civilizacional”. A Livraria Leitura, considera o histórico socialista, era “um ponto de encontro de várias gerações que lá procuravam vários tipos de livros, muitos deles proibidos” durante os últimos anos de repressão fascista.

“Muita gente ali leu e conviveu. É a morte de uma memória e de uma história. É também um sinal dos tempos, em que o livro anda para trás e o mundo não anda para a frente sem livros”, frisa Manuel Alegre, frequentador assíduo da Leitura nos tempos de juventude, quando estudou no Porto, no liceu Alexandre Herculano. Lá procurava romances, livros de poesia e de história. “Era um local onde, não só se compravam livros, mas onde também se falavam de livros. Era um lugar de tertúlia, onde se falava de cultura, de política e do país em geral”, explica o poeta e político de 81 anos, reconhecendo que “é um luto que fica” pelo encerramento desta casa dos livros, onde chegou a ir com Mário Soares.

Atualmente, na Leitura trabalhavam quatro pessoas - alegadamente sem salários desde há um ano. Em 2006, houve um virar de página. A livraria foi vendida, mudando o nome para “Leitura Books & Living”, já sem Fernando Fernandes - aposentado desde 1999 - à frente do estabelecimento.

“Haverá uma fatura a pagar por todos nós”

Diz a sabedoria popular que é o homem quem faz o barco e, assim sendo, é impossível falar da Leitura sem enaltecer o papel do seu histórico timoneiro. Atualmente com 84 anos, Fernando Fernandes foi um dos últimos livreiros na verdadeira aceção da palavra e assumiu-se como figura de relevo no panorama cultural portuense da segunda metade do século XX, como explica Mário Cláudio, à conversa com o Expresso.

“Não se pode falar da Leitura sem recordar a extraordinária figura de Fernando Fernandes, um dos últimos grandes livreiros do Porto. Além de ser de uma extrema afabilidade, era uma fonte de informação sobre aquilo que tinha sido ou ia ser publicado”, recorda o escritor portuense de 76 anos, para quem a livraria “era uma presença de resistência contra um regime que apostava numa política anticultural cega”.

Na opinião de Mário Cláudio, o Porto “perde um dos últimos lugares de reunião de pessoas, um conjunto de grandes leitores e que se interessavam por aquilo que estava a acontecer em termos editoriais. Encontravam ali um espaço de convívio privilegiado”. Mais do que uma livraria, a Leitura era um clube de pensamento vivo, onde ali também folhearam páginas incontáveis personalidades como Eugénio de Andrade, Vasco Graça Moura, Óscar Lopes e Manuel António Pina.

O que o futuro reserva para este espaço é ainda uma incógnita, mas uma certeza fica: o Porto viu partir um dos mais importantes para a veiculação da cultura. A “triste notícia” do encerramento não deixa dúvidas para Mário Cláudio: “haverá uma fatura a pagar por todos nós”, até porque, argumenta, “houve uma descaracterização da relação entre os autores e os leitores, para a qual as livrarias tradicionais contribuíam muito”.