Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

Turismo do Alentejo: classificação dos “Bonecos de Estremoz” é vitória para Portugal

Os “Bonecos de Estremoz” pertencem a uma arte de caráter popular, com mais de 300 anos de história, tendo sido o primeiro figurado do mundo a merecer a distinção de Património Cultural Imaterial da Humanidade da UNESCO

O presidente da Turismo do Alentejo, António Ceia da Silva, considerou esta quinta-feira uma “vitória para Portugal” a classificação pela UNESCO da produção dos “Bonecos de Estremoz” como Património Cultural Imaterial da Humanidade.

“Muito orgulhoso, muito satisfeito. Eu diria que é uma grande vitória, uma grande vitória para Estremoz, para o Alentejo, mas uma grande vitória para Portugal”, disse.

O presidente da Entidade Regional de Turismo (ERT) do Alentejo e Ribatejo, que falava à agência Lusa após a classificação dos “Bonecos de Estremoz” pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), como Património Cultural Imaterial da Humanidade, destacou a forma como aquele organismo tem reconhecido nos últimos anos as candidaturas portuguesas.

“Houve dossiês aqui que demoraram horas a ser discutidos, o dossiê de Estremoz demorou cinco minutos, e isso diz bem o reconhecimento da UNESCO do trabalho que se faz em Portugal nesta área da preservação do património cultural imaterial” enalteceu.

Ceia da Silva recordou ainda que tem sido desenvolvido um trabalho nos últimos anos em redor da preservação e divulgação da “identidade”, acrescentando que é uma área “estratégica” para a região, uma vez que o turista que visita o Alentejo procura o “genuíno e autêntico”.

“Nós temos lutado muito pela questão da identidade, para nós é central, é estratégica. Digo muita vez e repito: o turista quando vai ao Alentejo vai para encontrar aquilo que é mais identitário, que é mais autêntico, que é mais genuíno, e termos obtido cinco selos consecutivos é único no mundo”, disse.

Nesse sentido, a Entidade Regional de Turismo (ERT) do Alentejo e Ribatejo está a trabalhar num projeto denominado por “Rotas do património cultural imaterial”, projeto que deverá estar concluído no final de 2018.

A classificação da “Produção de Figurado em Barro de Estremoz”, vulgarmente conhecida como “Bonecos de Estremoz”, foi decidida esta quinta-feira na 12.ª Reunião do Comité Intergovernamental da UNESCO para Salvaguarda do Património Cultural Imaterial, que decorre na Ilha Jeju, na Coreia do Sul, até sábado.

A decisão, que ocorreu pelas 1h05 (hora de Lisboa), foi bastante celebrada pela comitiva portuguesa que durante os festejos exibiu exemplares de “Bonecos de Estremoz”.

Os “Bonecos de Estremoz” pertencem a uma arte de caráter popular, com mais de 300 anos de história, tendo sido o primeiro figurado do mundo a merecer a distinção de Património Cultural Imaterial da Humanidade, na sequência da candidatura apresentada pela Câmara Municipal de Estremoz, no distrito de Évora.

A candidatura teve como responsável técnico o diretor do Museu Municipal de Estremoz, Hugo Guerreiro.

Com mais de uma centena de figuras diferentes inventariadas, a arte, a que se dedicam vários artesãos do concelho, consiste na modelação de uma figura em barro cozido, policromado e efetuada manualmente, segundo uma técnica com origem pelo menos no século XVII.

Em Estremoz, trabalham atualmente nesta arte emblemática Afonso e Matilde Ginja, Célia Freitas, Duarte Catela, Fátima Estróia, Irmãs Flores, Isabel Pires, Jorge da Conceição, Miguel Gomes e Ricardo Fonseca.