Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

Kevin Spacey pode impedir temporada final de “House of Cards”

O ator norte-americano foi afastado da sexta temporada da série, que pode nunca estrear

d.r.

A Netflix decidiu pôr um ponto final na relação com o ator norte-americano, na sequência do escândalo sexual em que Spacey está envolvido. A ideia seria continuar “House of Cards” sem ele, mas isso pode não ser possível. Em causa está uma das alíneas do contrato

Quando a Netflix e a Media Rights Capital decidiram afastar Kevin Spacey da série “House of Cards”, estavam longe de imaginar que isto pudesse acontecer. Apesar das dificuldades em dissociar a produção televisiva do ator que a protagoniza — Spacey interpretou Frank Underwood, o malévolo homem que chegou a Presidente dos Estados Unidos —, o serviço de streaming estava empenhado em encontrar um novo caminho para a narrativa. No entanto isso pode não ser possível.

De acordo com as últimas informações sobre o caso, o contrato de Spacey impossibilita qualquer continuação da história sem a sua participação. Não é propriamente isso que vem descrito no documento, mas é essa a sua leitura prática num caso como este. Embora os argumentistas continuem numa “corrida contra o tempo” para eliminar a sua personagem dos guiões da sexta temporada, que já estava em produção e cujas filmagens estão paradas até novas indicações, o esforço pode mesmo ser em vão.

Segundo várias fontes consultadas pela imprensa norte-americana, o contrato de Spacey não tem qualquer cláusula relacionada com o seu comportamento — a chamada ‘morality clause’ —, o que torna impossível ir em frente com a suspensão ou despedimento do ator por causa das acusações de assédio e abuso sexual conhecidas nas últimas semanas. Kevin Spacey apenas poderia ser dispensado pela Netflix em caso de indisponibilidade ou incapacidade do próprio para continuar, o que não se verifica. Além disso, e em comunicado, o ator já referiu estar à procura de tratamento para a sua dependência de sexo numa clínica especializada no Estado do Arizona.

Se a Netflix e a Media Rights Capital prosseguirem com a intenção de filmar uma temporada final (era essa a vontade do serviço de streaming e da produtora), poderão ter de pagar uma indemnização milionária ao ator, mas existe uma outra solução. De acordo com as fontes ligadas ao processo, o fim imediato da série não quebra qualquer regra contratual e pode mesmo ser a única saída. A não ser que Spacey prescinda dos seus direitos e permita a continuação da série sem ele.

Quanto ao filme “Gore”, que contava com Spacey e que a Netflix decidiu cancelar, não haverá qualquer penalização. O mesmo aconteceu com “All The Money in The World”, o filme de Ridley Scott em que o protagonista de “House of Cards” iria interpretar John Paul Getty III e no qual foi substituído por Christopher Plummer.