Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

Novo Banco cede Biblioteca de Pina Martins à Universidade de Lisboa

José Carlos Carvalho

Adquirida em 2008 pelo então BES, a biblioteca de Pina Martins, um dos mais importantes acervos humanísticos do país, vai, a partir de quarta-feira, poder ser consultada na biblioteca da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. O acordo com o Novo Banco assim o permite

O Novo Banco, que manteve até hoje a propriedade da Biblioteca de Pina Martins como ativo, assina quarta-feira um protocolo de cooperação com a Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, que permite o seu estudo e consulta.

O acervo completo da extraordinária Biblioteca de Estudos Humanísticos de Pina Martins será alvo de estudo e disponibilidade na Biblioteca da Faculdade de Letras da UL.

Fazem parte deste acervo cerca de 1100 livros antigos, entre os quais nove incunábulos (livros impressos com tipos móveis, nos primeiros tempos da imprensa), cerca de 90 obras impressas pelo humanista Aldo Manuzio e seus sucessores, 600 títulos impressos no século XVI, bem como alguns tesouros bibliográficos pela sua raridade ou pela beleza da impressão e encadernação tal como a rara primeira edição das Obras Completas de Sá de Miranda (1585) e uma outra de Os Lusíadas, de 1613, comentada pelo compositor Manuel Correia.

O acervo foi comprado, em 2008, pelo então BES, à família do Professor Doutor José Vitorino de Pina Martins (1920-2010), homem que no decorrer de décadas de intenso labor académico no país e no estrangeiro, reuniu um dos mais relevantes acervos bibliográficos existentes em Portugal e profissionalmente promoveu o estudo do livro renascentista e dos seus textos.

Desta coleção de obras bibliográficas que abordam os temas do Humanismo do Renascimento, fazem parte um conjunto de textos importantes formulados pelos grandes espíritos do pensamento humanista, como Dante Alighieri, Francesco Petrarca, Giovanni Pico della Mirandola, Angelo Poliziano, Marsílio Ficino, Erasmo de Roterdão e Thomas More. No domínio do humanismo português, de que se destacam os temas ligados aos Descobrimentos, estão presentes textos de Luís de Camões, André de Resende, Damião de Góis, Luís António de Verney, Francisco de Sá de Miranda e Bernardim Ribeiro.

Já o fundo do Arquivo de Estudos Humanísticos constituído por diversos documentos, datados entre os séculos XV e XX, relacionados com a cultura e história nacional, destacam-se os manuscritos das cartas régias de D. Afonso V (1432-1481) e D. Manuel I (1469-1521), os inventários da Casa da Tapada mandada construir em 1540 por Francisco de Sá de Miranda (1481-1558), e ainda os fundos documentais de Francisco Marques de Sousa Viterbo (1845-1910) e Carolina Michaëlis de Vasconcelos (1851-1925).

José Vitorino de Pina Martins nasceu em Penalva de Alva a 18 de janeiro de 1920, tendo feito os seus estudos nas áreas de Filologia Clássica e Filologia Românica na Universidade de Coimbra entre os anos 1942 e 1947. Aprofundou o estudo das literaturas portuguesa, espanhola, francesa e italiana, tendo exercido funções de ensino da Língua e Literatura Portuguesas na Universidade de Roma (1948-1955), na Universidade de Poitiers (1955-1962) e na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (1962-1972 e 1983-1994?). Em 19 de dezembro de 1974 defendeu na Universidade de Paris (La Sorbonne Nouvelle) as suas teses de doutoramento de Estado baseadas na obra do humanista italiano Giovanni Pico della Mirandola, tendo sido aprovado por unanimidade com a mais alta classificação.

Investigador constante de vários acervos bibliográficos em Portugal, Itália e França, organizou e dirigiu diversos cursos, conferências, seminários, exposições bibliográficas e publicações. De destacar a “Exposição Bibliográfica e Iconográfica de Os Lusíadas” que esteve patente na Biblioteca Nacional entre março de 1972 e junho de 1973.

Foi ainda diretor da Fundação Calouste Gulbenkian no Centro Cultural Português em Paris (1972-1983) e, regressando a Lisboa, do Serviço de Educação da mesma instituição; assumiu a presidência da Academia das Ciências de Lisboa e foi membro de diversas instituições.