Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

Aqui nasceu a pornografia

James Franco interpreta os gémeos Vincent e Frankie Martino em “The Deuce”

foto hbo

A HBO pegou no nascimento da indústria pornográfica e transformou-a em série com James Franco como protagonista. “The Deuce” tem estreia mundial marcada para o TVSéries

Conhecemos um homem que tinha tido um bar em Times Square nessa altura, no despontar da indústria pornográfica em Nova Iorque”, conta George Pelecanos, cocriador de “The Deuce”, que explica como tudo se precipitou e levou a que a série da HBO se desenvolvesse tão depressa. “Quem o trouxe até nós foi outro homem, o Mark Henry Johnson” — que trabalhou com a dupla formada por Pelecanos e David Simon em “Treme” (sobre os eventos posteriores ao furacão “Katrina”, em Nova Orleães) — “mas recebemo-lo com alguma relutância porque não queríamos fazer uma história sobre porno”. Talvez só achassem que não queriam, porque acabaram por fazê-la.

Em declarações disponibilizadas ao Expresso, Pelecanos explica que tudo mudou depois daquela tarde e que souberam logo o que se seguiria. “Estivemos com ele durante algumas horas, saímos, e eu disse logo que havia alguma coisa aqui.” E não se tratava apenas da vontade de criar uma história em torno de uma época. A história estava mesmo ali, diante deles. “Ele conhecia toda a gente, porque teve um bar onde ia todo o tipo de pessoas. E isso era algo pouco habitual para aquela altura.” Na verdade, o espaço gerido por esta fonte histórica até era propriedade da máfia, mas “como ele era um bom homem de negócios puseram-no a gerir também outras coisas, como por exemplo salões de massagens, então ele tinha acesso a tudo.”

George Pelecanos e David Simon também passaram a conhecer ao pormenor o que estava relacionado com este mundo, mas por tempo limitado. “Acabámos por nos sentar com ele numa sala durante uma semana e depois ele morreu”, conta Pelecanos. “Ele” era o homem que lhes mostrou tudo o que estava em causa neste submundo nova-iorquino, mas “ele” nunca ganhou nome e esse é um dos segredos bem guardados da série. Era tempo de o projeto de “The Deuce” continuar a ganhar forma, com a realidade nova-iorquina a mostrar-se em todas as suas dimensões.

O brilho de Times Square ofuscava os que por lá passavam, mas era nas ruas em volta (42nd Street incluída) que grande parte da ação acontecia. Aquela zona de Nova Iorque tinha sido tomada pela prostituição e a segurança no local nem sempre era garantida, com a violência dos proxenetas sobre as prostitutas, o consumo de drogas e o posterior aparecimento do VIH a mancharem a vida daqueles que por lá trabalhavam (ou se divertiam).

Eram necessárias alternativas àquela vida e foi assim que nasceu a indústria da pornografia — e consequente luta pela sua legalização. No centro da trama estão os gémeos Vincent e Frankie Martino (interpretados por James Franco), donos de um estabelecimento noturno, e Eileen ‘Candy’ Merrell (Maggie Gyllenhaal), uma prostituta independente que olha para os filmes pornográficos como um escape à prostituição. É exatamente aqui que tudo começa a mudar, com os irmãos Martino a criarem um bar em que juntavam outras atividades. O facto de terem funcionárias com roupas mais provocantes dava uma ajuda. Sem saberem, os Martinos estavam a dar uma nova vida a The Deuce — nome pelo qual era conhecida a 42nd Street, em Manhattan, entre os anos 1950 e 1980 —, mas este não era um lugar para fracos. O diabo morava ali e era preciso enfrentá-lo ou juntar-se a ele. A indústria dos filmes pornográficos parecia ser o caminho.

NA PELE DE DOIS GÉMEOS

James Franco foi o nome escolhido para protagonizar “The Deuce”, numa proposta que trazia o desafio extra de dar vida a duas personagens. Apesar de semelhantes, tinham uma forma diferente de olhar para a vida e era necessário captá-la assim que possível. Era preciso distingui-las fora do set de filmagens, para que tudo o que acontecesse em cena fosse o mais real possível (mesmo que fossem necessários efeitos especiais para colocar os dois gémeos a contracenar). “O Vincent era o mais responsável, aquele que é baseado no homem com quem o George falou, e o Frankie é o degenerado, o jogador, que tem dívidas à máfia. O irmão tem de estar sempre a pagar-lhe fianças.”

A responsabilidade de Vincent, que se esforça para pagar as dívidas de Frankie, acaba por chamar a atenção da máfia e é neste ponto que os maiores mafiosos de Nova Iorque lhe propõem uma missão. O homem que vive dentro da lei terá de fugir dela e tornar-se um pião de um jogo maior do que ele, enquanto gere os negócios daqueles que vivem do crime. Para James Franco, a trama de “The Deuce” não seria a mesma se não existissem as duas personagens — até porque também na vida real existiam dois gémeos —, mas o ator vai mais longe e explica a importância de a série contar as histórias dos dois irmãos.

“O Frankie não podia existir sem o Vincent”, diz, concluindo que não seria possível “ter uma série em que Frankie estivesse no centro” porque “o Frankie só existe por causa do Vincent”. Pode parecer confuso que assim seja, mas também está em causa o público-alvo para quem a série foi pensada. “Penso que um telespectador mais maduro vai perceber que é através do Vincent que se consegue o drama — é de onde se suga, emocionalmente, mais sumo —, porque é ele que esta a passar por tudo isto.” Por oposição, James Franco considera que “Frankie não se preocupa com nada” nem se responsabiliza “por qualquer coisa que tenha feito, pelo que nunca poderia estar no centro” da narrativa.

A série dramática da HBO — protagonizado por James Franco e que conta ainda com Maggie Gyllenhaal, Gary Carr, Margarita Levieva, Lawrence Gilliard Jr., Dominique Fishback, Emily Meade e Gbenga Akinnagbe no elenco — tem estreia mundial marcada para este fim de semana. A transmissão da produção televisiva em Portugal acontece em simultâneo com os Estados Unidos e está marcada para a madrugada de amanhã para segunda-feira, pelas duas horas da madrugada. A transmissão da série em horário nobre acontecerá às segundas-feiras, pelas 22h50, e prolongar-se-á por oito semanas, sem que haja ainda luz verde para uma segunda temporada.