Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

Fórum do Futuro discute relação da humanidade com o planeta

A companhia da braileira Lia Rodriogues estará no Rivoli a 8 e 9 de dezembro

Sammi Landweer

Teatro Municipal Rivoli entra no quarto ano de atividade com um reforço dos laços internacionais

O Fórum do Futuro quer discutir o planeta Terra. Decorrerá no Porto de 5 a 11 de novembro e vai organizar-se à volta do tema “Terra Elétrica”. A partir do contributo de especialistas de áreas tão diversas como a arte contemporânea, a antropologia, a astronomia ou a biologia, tratará de tentar perceber como a ação humana tem interferido e continua a afetar o planeta em que vivemos.

Podemos adotar teorias negacionistas, ou podemos enfrentar a realidade tal qual se nos depara no dia-a-dia. O homem tem uma relação estranha com o seu planeta. A Terra anda a ser delapidada, destruída, amachucada, afetada, às vezes de modo irreversível, em consequência da ação humana. Se já muito se discutiu, nunca se discutiu bastante, sobretudo quando se constata como o que parece uma evidência, continua a confrontar-se com poderosos setores de opinião empenhados em desvalorizar o que pode ter consequências inimagináveis para todos. Daí a importância deste Fórum.

Esta é apenas uma componente da extensa e muito diversificada programação do Teatro Municipal Rivoli até o final do ano, esta quarta-feira anunciada no Porto. No total serão mais de meia centena de espetáculos, sem contar com os festivais festivais, de cinema ou teatro. Há 14 espetáculos internacionais, nove deles em estreia nacional. Companhias e estruturas da cidade responsabilizam-se por 25 produções.

O primeiro destaque acontece já no próximo dia 15 e constitui a abertura deste terço final da programação. O coreógrafo francês Christian Rizzo apresenta “Le Sindrome Ian”, última parte de uma trilogia construída à volta de diferentes tipologias de dança, neste caso das chamadas “danças noturnas”.

De 21 a 24 decorre a primeira edição do BEAST-Festival Internacional de Cinema dedicado à cinematografia da Europa situada a Leste. Distribuído pelo Rivoli, Cinema Trindade, passos Manuel e Auditório da Biblioteca Municipal Almeida Garrett, abre no Rivoli com “All these Sleepless Nights”, do polaco Michal Marczak.

Outro grande momento está agendado para 22 e 23 deste mês, com a presença de Milo Rau, um dos grandes nomes internacionais das artes performativas. O suíço vem, como sempre, acompanhado da International Institute of Political Murder e mostrará “Five easy pieces”.

O cinema Queer regressa de 4 a 8 de outubro, com a terceira edição de um festival com uma programação multidisciplinar. Logo de seguida acontece um dos momentos maiores da oferta cultural do Porto com mais uma edição, de 13 a 21, do Festival Internacional de Marionetas. Grandes nomes, grandes companhias, nacionais e internacionais do teatro de objetos e formas animadas marcarão presença no Porto.

O confronto entre o rural e o urbano

Novembro poderá ficar marcado pela estreia nacional de "Dancing Grandmothers", um espetáculo da coreógrafa sul-coreana Eun-Me Ahn, que encena uma espécie de diálogo, ou confronto, entre a cultura rural de um conjunto de avós, e a vivência urbana dos bailarinos.

O Porto/Post/Doc, um festival que assume o esbater de fronteiras entre o cinema documental e a ficção, decorre entre 27 de novembro e 3 de dezembro no Teatro Rivoli e no Passos Manuel.

Também no início de dezembro, no dia 2, o argentino Sergio Boris, encenador, dramaturgo e ator, apresenta “Viejo, solo y puto”. O festival Porta-Jazz, a partir de 8 de dezembro, confirma o estatuto de grande acontecimento do mundo do jazz concebido por músicos radicados no Porto.

A dança contemporânea é sempre um dos argumentos mais fortes da atividade do Rivoli. De entre os vários espetáculos, destaque ainda para o trabalho de Lia Rodrigues, “Para que o céu não caia”, marcado para 8 e 9 de dezembro.

Por fim, o regresso de “Oupa! Cultura em Expansão”, um projeto de intervenção social e artística formado no bairro do Cerco em 2014. Numa segunda edição foi para Ramalde e este ano será desenvolvido na freguesia de Lordelo do Ouro, sempre com Capicua e André Tentúgal. São seis meses de residência artística com jovens dos bairros. Participam em oficinas de escrita, produção musical e vídeo, performance, promoção e produção de espetáculos. O fim de festa é assinalado com um grande espetáculo no Teatro Rivoli, este ano também com a participação de Vasco Mendes e Tiago Espírito Santos.