Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

Vimos “A Guerra dos Tronos” como se fosse cinema

A sétima temporada da popular série estreou-se em Portugal esta segunda-feira, no SyFy. O Expresso viu o primeiro episódio numa sala de cinema e conta como foi, assinalando o melhor e o pior momento deste regresso

“A Guerra dos Tronos” regressou esta segunda-feira à televisão portuguesa (pelas 22h15, no SyFy), com o primeiro episódio da sétima temporada – visto em direto por 10,1 milhões de telespectadores nos Estados Unidos e por mais de seis milhões em streaming – a captar a atenção de milhares de fãs em Portugal. O Expresso viu ‘Dragonstone’ numa sala de cinema da capital e conta como foi a experiência.

A série criada a partir dos livros de George R.R. Martin é um daquele produtos televisivos que vale a pena ver com qualidade e num ecrã de grandes dimensões. E disso não há dúvidas. Mesmo que a HBO tenha vindo a diversificar a sua oferta (em alguns mercados é possível aceder aos conteúdos do canal em streaming, através de aplicações móveis), é quase um desperdício ver “A Guerra dos Tronos” com tão pouco pormenor. É aqui, em séries como esta, que se aplica a máxima “quanto maior, melhor”.

Mesmo que a série já esteja na sétima temporada (este foi o 61.º episódio), parece que também a história tem continuado a crescer, com os fãs a considerarem que está cada vez melhor. Será que é mesmo assim? A avaliar pelo episódio inaugural, talvez seja mesmo verdade (mesmo que tenham existido muitos momentos de puro contexto). Os Lannister, Jon Snow e Daenerys Targaryen estão de volta à ação e apostamos que nem todos sairão vivos desta temporada.

Abaixo, o Expresso seleciona dois momentos – o melhor e o pior –, pelo que o melhor é não prosseguir com a leitura caso ainda não tenha visto o primeiro episódio da sétima temporada.

O PONTO ALTO

Começar com uma introdução como esta não garante um grande episódio, mas ajuda a entrar no mundo de “A Guerra dos Tronos” depois de uma ausência muito prolongada. Os argumentistas e produtores executivos D.B. Weiss e David Benioff decidiram que a melhor forma de regressar à história para uma sétima leva de episódios passaria por um banquete em casa de Walder Frey (David Bradley) e a verdade é que esta é uma das grandes cenas do primeiro episódio.

Na presença dos seus homens mais fiéis, Walder faz um brinde com todos os presentes, oferecendo-lhes vinho como forma de comemoração. É depois de todos beberem o líquido – exceção feita às mulheres, que não teriam direito a tal privilégio – que o inesperado acontece. Morrem todos envenenados.

“Deixem um lobo vivo e as ovelhas nunca estarão a salvo. O Norte lembra-se”, diz o suposto Walder. Na verdade, é Arya Stark (Maisie Williams) quem está no seu lugar (ela já o tinha matado na temporada passada) e este é um daqueles momentos de vingança que há muito se esperava. Quem também viu o ‘Red Wedding’ sabe que os Frey, históricos aliados dos Stark, traíram e assassinaram Robb Stark (Richard Madden) e a sua mulher grávida Talisa (Oona Castilla Chaplin), assim como Catelyn (Michelle Fairley).

O PONTO MAIS BAIXO

Maisie Williams, que protagoniza um dos melhores momentos do episódio –ainda que este surja numa parte introdutória do mesmo –, é uma das atrizes em cena no pior momento de “Dragonstone”. Sim, a participação de Ed Sheeran (ídolo da jovem que dá vida a Arya Stark) foi o momento mais desnecessário de todo o episódio.

A cena, que pode ser (re)vista acima, mostra Ed Sheeran muito pouco à vontade no seu papel de soldado-viajante-cantor, numa sequência que podia ter sido muito melhor conseguida. Vale apenas pelo momento em que Arya revela que está a caminho de King’s Landing para matar a rainha e todos se riem dela. Que esperem para ver.

A entrada do cantor pop em cena apenas valeu pelo crescimento da série nas redes sociais. A estreia da sétima temporada foi o episódio com maior atividade no Twitter de sempre – foram publicados 2,4 milhões de tweets durante a exibição do capítulo inaugural – e houve um momento que captou a atenção dos internautas. Sozinha, a aparição de Ed Sheeran representou 7% de todos os tweets escritos a propósito de “A Guerra dos Tronos” durante a estreia mundial.