Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

O 'cowboy' singular

Carlo Allegri

Há 9 anos, morria Heath Ledger, um dos melhores atores da sua geração. O australiano tinha apenas 28 anos. A 23 deste mês, estreia, no Festival de Cinema de Tribeca, em Nova Iorque, o documentário "I am Heath Ledger", o primeiro filme sobre o ator.

O dia 22 de janeiro de 2008 foi de má memória para muitos cinéfilos. O ator que interpretou a primeira história de amor gay entre 'cowboys', e que desempenhou, para muitos, o melhor "Joker" de sempre, morria precocemente, aos 28 anos de idade. Heath Ledger, australiano de nascença, "americano" de adoção, tinha um futuro brilhante à sua frente. Em 2008, uma sobredose de medicamentos encurtou-lhe tragicamente a vida. Agora, quase uma década depois, surgem as primeiras imagens póstumas do ator, na forma de um documentário, com muitas imagens inéditas, filmadas pelo próprio Ledger. Ele que andava sempre de câmara na mão, como dizem alguns dos intervenientes do filme rodado por Derik Murray, fosse de Polaroid, de Rolleiflex ou de handicam, vê agora algumas filmagens suas emergirem.

Heath Ledger morreu ainda não tinha terminado as rodagens de "The Dark Knight", de Christopher Nolan. Nele, interpreta um arrepiante Joker.

Heath Ledger morreu ainda não tinha terminado as rodagens de "The Dark Knight", de Christopher Nolan. Nele, interpreta um arrepiante Joker.

Paul Kane

Ben Harper, o realizador Ang Lee, ou a irmã de Heath dão alguns dos testemunhos que integram o documentário - onde se ouve, por exemplo, Ang Lee dizer que "mesmo num papel secundário, Heath roubava a cena. Esse era o seu poder", assegura o realizador que o dirigiu em "O Segredo de Brokeback Mountain". No total, participou em 19 filmes, uma atividade intensa, que traduz a sua forma de estar na vida - rápida. Ledger dirigiu ainda videoclips, e um dos seus desejos não concretizados era realizar.

Filho de uma professora de francês e de um corredor de automóveis e engenheiro de minas que criou a Fundição de Engenharia Ledger, Heath tinha ascendência inglesa, irlandesa e escocesa. Um cidadão do mundo, como aquele que o levaria já adulto a tentar voar mais alto, em terras do Tio Sam. Aos 10 anos, estreou-se nas tábuas, dando vida a Peter Pan num teatro da escola. Uma das suas principais influências foi a irmã mais velha, Kate, que também era atriz e o inspirou nesse percurso. Por essa altura, era também um jogador de xadrez de exceção - ganhou o campeonato de júniores da Austrália ocidental. Foi ainda aos 10 anos que os seus pais se separaram, e que Heath ganhou duas meias-irmãs.

Com 17, Heath deixou a escola para se dedicar à representação. Depois de uma década bem-sucedida na Austrália, deu o salto para os EUA. Ali, as coisas também lhe correram bem. Talvez o excesso de atividade mental fosse o único entrave que se lhe colocou no caminho. Conta Michelle Williams, mãe da única filha de Ledger e sua mulher entre 2004 e 2007: "Desde que o conheço que ele lutava contra a insónia. Tinha demasiada energia. A sua mente não parava de andar às voltas, e às voltas..." Em 2005, "O Segredo de Brokeback Mountain", um filme épico de Ang Lee, ancorado na história de amor entre dois cowboys, marca-lhe a carreira. Ganha muitos prémios - à exceção do Óscar. É no set de filmagens deste filme que conhece a futura mulher, Michelle Williams, de quem terá uma filha, Matilda.

Michelle Williams e Heath Ledger conheceram-se nas filmagens de "O Segredo de Brokeback Mountain". Casaram em 2004, separaram-se em 2007, e tiveram uma filha, Matilda.

Michelle Williams e Heath Ledger conheceram-se nas filmagens de "O Segredo de Brokeback Mountain". Casaram em 2004, separaram-se em 2007, e tiveram uma filha, Matilda.

Kevin Winter

Terá sido na sua última rodagem, o filme de Batman "The Dark Knight", realizado por Christopher Nolan, em que interpreta um arrepiante Joker, que a qualidade do seu sono se deterioriou. Nessa altura, começou a tomar comprimidos para dormir, para ultrapassar isso. "Não consigo parar de pensar. O meu corpo está exausto, mas a minha mente não pára", disse ao New York Times, em novembro de 2007. Três meses depois, a mistura de medicamentos tomados para dormir resultou numa morte acidental. Matilda, a filha, seria a única herdeira da fortuna do ator, avaliada em mais de 15 milhões de euros.

Veja aqui o trailer do documentário que vai ser divulgado a 23 de abril: