Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

E se tivesse ganhado uma mulher nos EUA?

PROTAGONISTA. Claire Danes regressa ao papel de Carrie Mathison para a sexta temporada, agora com Nova Iorque como pano de fundo

FOTO JOJO WHILDEN/SHOWTIME

Carrie regressa à televisão portuguesa e o episódio inaugural da sexta temporada de “Segurança Nacional” estreia esta quarta-feira na FOX. Neste texto, não lhe contamos o que aconteceu a Quinn depois do envenenamento com gás Sarin (um dos mistérios que ficou por resolver na última temporada), mas dizemos lhe que a Heather Dunbar de “House of Cards” chegou à Casa Branca como Elizabeth Keane. Confuso?

Berlim já não é a morada de Carrie. A antiga agente da CIA já não vive em solo alemão — onde esteve depois da passagem por Cabul, no Afeganistão — e está de regresso aos Estados Unidos para uma nova fase da sua vida. É em Brooklyn que a encontramos, três meses após os acontecimentos do final da quinta temporada de “Segurança Nacional” (“Homeland” no original lançado pelo canal Showtime em 2011) e tudo está diferente.

Agora a protagonista dedica-se a algo que nunca imaginámos possível: trabalha numa organização sem fins lucrativos que oferece ajuda legal a muçulmanos a viver nos Estados Unidos. Sem arma no coldre, terá de usar outras munições nesta nova fase da sua carreira. A Nova Iorque que todos conhecemos brilhante poderá ter de enfrentar novos perigos, que a voltem a manchar de sangue e cinza.

Conhecida por transpor parte da realidade para a ficção (é mesmo esse um dos segredos da série), “Segurança Nacional” volta a surpreender-nos com uma trama complexa nos novos capítulos. No ano passado ouvimos falar dos atentados de 13 de novembro em Paris poucos dias depois do ocorrido e desta vez é a eleição presidencial norte-americana que está em causa. A sexta temporada da série cobre um arco temporal curto, preenchendo de ação e decisões arriscadas os dias que separam as eleições nos Estados Unidos do dia da tomada de posse.

NOVA PRESIDENTE. Elizabeth Marvel interpreta Elizabeth Keane, a recém-eleita Presidente dos Estados Unidos

NOVA PRESIDENTE. Elizabeth Marvel interpreta Elizabeth Keane, a recém-eleita Presidente dos Estados Unidos

FOTO JOJO WHILDEN/SHOWTIME

MULHER NO PODER

A verdade é que o mundo — ou melhor, os eleitores norte-americanos — trocou as voltas aos argumentistas da série, mas talvez até seja melhor assim. Estava tudo preparado para que os novos episódios seguissem os passos de uma Presidente eleita, aproximando a trama a Hillary Clinton. Não será assim e Alex Gansa, co-criador da série, parece não se importar demasiado com estas diferenças entre a realidade e a ficção. Elizabeth Keane tem, nas palavras do showrunner, características que a assemelham a três personalidades distintas. Ela é “um bocadinho Hillary [Clinton], um bocadinho [Donald] Trump e um bocadinho Bernie [Sanders]”, explicou à revista norte-americana “Entertainment Weekly”.

Estaremos perante uma mulher diferente das políticas a que estamos habituados e a magia dela reside exatamente aí. É esperar (pouco) para ver do que estamos a falar. Também não será difícil ver Elizabeth Marvel no papel de Presidente eleita, ou não fosse ela a atriz que deu corpo a Heather Dunbar em “House of Cards”. Sim, ao contrário do que aconteceu na série da Netflix (exibida em Portugal também pelo TVSéries), onde a candidata acabou vencida, na produção do Showtime (distribuída por cá pela FOX) ela ganha mesmo as eleições. A guerra não se decide apenas na Casa Branca e também se faz na televisão, entre produtoras que procuram por fragilidades e oportunidades na concorrência.

1 / 3

2 / 3

3 / 3

No decorrer da sexta temporada de “Segurança Nacional”, e ainda antes no Inauguration Day (o de Trump acontece dentro de três dias), Keane vai começar a construir a sua equipa presidencial e a mostrar que nem todas as suas decisões serão consensuais entre a opinião pública. Nem mesmo entre aqueles que sempre trabalharam para que os Estados Unidos se mantivessem longe dos maiores perigos.

A PEOTUS (acrónimo de President-elect of the United States) vai reunir-se com Dar Adal (F. Murray Abraham) e Saul Berenson (Mandy Patinkin), ambos veteranos da série, e explicar-lhes qual o seu plano no campo da Defesa. Num briefing com o alto responsável da CIA Berenson, Keane revela que quer que todas as tropas norte-americanas no Médio Oriente regressem à pátria. Em causa estarão as suas convicções mas também a história pessoal e o drama que ainda não ultrapassou: o filho de Elizabeth morreu no Iraque. Será que o instinto materno começa desde logo a sobrepor-se aos interesses nacionais?

1 / 3

2 / 3

3 / 3

CULPADO OU INOCENTE?

Num mundo polarizado em que as posições tendem a extremar-se, é difícil manter a distância e deslindar até que ponto uma opinião é apenas isso, uma opinião. O preconceito não ajuda e os relatos sobre o extremismo islâmico e o recrutamento de novos fiéis ecoam na cabeça de muitos. Às vezes, a discriminação é mesmo a vencedora e pode dizer-se que Sekou Bah (J. Mallory McCree) é só mais um dos vencidos — ou será um vilão? O jovem, que vive com a mãe e a irmã, está no centro da teia sem saber como lá chegou.

O seu único pecado é a publicação de vídeos que fogem aos temas abordados pelos rapazes da sua idade. O apelo ao radicalismo — há um vídeo intitulado “39 Formas de Servir e Participar na Jihad” — fez soar os alarmes do Governo norte-americano e Sekou acabou por ser levado pelas autoridades. Estará inocente ou será culpado? Até que ponto se pode julgar alguém por pensar de forma diferente no país da Liberdade? Terá sido alvo de uma cilada? Os pertences encontrados no seu quarto são provas plantadas?

São muitas as questões a responder nesta nova fase de “Segurança Nacional” e a sexta temporada promete muita polémica ao longo dos 12 episódios deste ano. As rápidas alterações no rumo dos acontecimentos parecem fazer parte do passado, com os novos capítulos a abrirem portas a uma série mais madura que não terminará antes de 2019. A continuação da produção do Showtime está assegurada até à nona temporada mesmo que, numa entrevista recente, a produtora-executiva Lesli Linka Glatter tenha explicado que “cada primeiro episódio de uma nova temporada é como um episódio-piloto”. Veremos o que se segue nas próximas semanas.

SEGURANÇA NACIONAL

De Alex Gansa e Howard Gordon

Com Claire Danes, Mandy Patinkin, Rupert Friend, F. Murray Abraham, J. Mallory McCree, Elizabeth Marvel

FOX, estreia hoje, 23h10
(Temporada 6)

Netflix, disponível em streaming
(Temporadas 1 a 5)