Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

Levar os poemas de Pessoa pelas estradas do jazz

Peppino Margiotta

“Pessoa pela estrada do Jazz”, o último trabalho de Mariano Deidda dedicado à obra do poeta português (que conta com a colaboração de Enrico Rava, Kenny Wheeler, Miroslav Vitous, entre outros), chega esta sexta-feira às lojas portuguesas. O músico italiano está de novo em Lisboa, na casa de Pessoa, “onde em qualquer rua podemos ouvir os seus passos”

Mariano Deidda nunca se cansa de conhecer e dar a conhecer Fernando Pessoa através da música. “Dediquei aos versos de Pessoa quase a minha discografia, 15 anos de trabalho”, recorda ao Expresso esta sexta-feira, dia em que foi colocado à venda o seu novo disco, o segundo editado em Portugal. Depois de cinco álbuns, seguiu-se uma versão da “Mensagem”, totalmente renovada e este novo trabalho.

É pelas estradas do jazz que o cantautor italiano vai mostrando o poeta português a todos aqueles que o quiserem ouvir. “O jazz, tal como a música clássica, é intemporal, fala a todas as línguas do mundo tal como o próprio Pessoa.”

Foi por isso que o cantor e compositor decidiu escolher o nome de “Pessoa Sulla Strada Del Jazz” (“Pessoa Pela Estrada Do Jazz”, numa tradução livre) para regressar a alguns dos temas de outros álbuns que não canta habitualmente em concertos, compilando-os num só, com ligeiros toques e novos arranjos, próximos do jazz. O disco conta com a participação dos trompetistas Enrico Rava e Kenny Wheeler, do contrabaixista Miroslav Vitous, do clarinetista Gianluigi Trovesi, entre outros.

“Clarino chiaro” (“Clarim claro”) é o poema de abertura do álbum, que passa ainda por “Canzone per Lisboa” (“Canção para Lisboa”), “Non ho fatto alto che sognare” (“Não fiz outra coisa que sonhar”), entre outros.

“Foi uma escolha pessoal, estas são as canções que mais gosto. Assim tenho a possibilidade de ouvi-las todas juntas e espero que o público português também goste”, explica. “O que torna este disco diferente dos outros é o o jazz, mas sobretudo porque reúne todas as grandes músicas que tinha criado em trabalhos anteriores.”

Este é também o segundo álbum de Mariano Deidda editado em Portugal. Nos últimos anos, o cantautor que se dedica a transformar em música a obra de grandes poetas, como Pessoa, já tocou em várias salas do nosso país, onde tem gosto em regressar. “Lisboa é mesmo a casa de pessoa, em qualquer rua podemos ouvir os seus passos.”

Mariano Deidda vive fascinado pela obra de Pessoa. E, também por isso, juntou todos os esforços que conseguiu para dedicar o nome de um jardim-infantil em Chivasso, Itália, a Fernando Pessoa - o que conseguiu fazer no ano passado.

“Acredito que, como o Luigi Pirandello, [Pessoa] foi um dos mais assíduos 'frequentadores' das despersonalização, da fragmentação do "eu", e nunca como nesta época foi tão necessário descobrirmos o nosso duplo, triplo e quádruplo, porque só atravessando isso podemos ter a possibilidade de nos abrirmos aos outros”, remata. “Também por isto sou fã de Pessoa.”