Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

Amadeo está de volta ao Porto

Exposição no Porto recria a primeira e única mostra individual do pintor, inaugurada na cidade há um século. Em janeiro a mostra será apresentada em lisboa, no Museu do Chiado

Em tom caricatural podia dizer-se que Amadeo de Souza Cardoso já não expõe no Porto há cem anos e só isso seria motivo bastante para se olhar com toda a curiosidade a mostra de obras do pintor com inauguração marcada para amanhã no Museu Nacional Soares dos Reis.

O interesse cresce quando se percebe que esta não é apenas mais uma exposição de obras de Amadeo. Depois do grande impacto da retrospetiva do pintor modernista apresentada este ano pela Fundação Calouste Gulbenkian em Paris, no Grand Palais, o que poderá ser visto no Porto assume também uma dimensão inusitada. Desde logo pelo projeto inerente a uma mostra construída ao longo de vários anos.

No dia 1 de Novembro de 1916 era inaugurada no salão de festas do Jardim Passos Manuel, onde agora se situa o Coliseu do Porto, a primeira e única exposição individual organizada em vida de Amadeo de Souza Cardoso. O pintor foi o comissário da sua própria mostra e encarregou-se da divulgação, e de todos os aspetos relacionados com a organização.

Das 114 obras então exibidas, 91 estão identificadas e 81 delas estarão no Soares dos Reis. Não são conhecidas imagens da mostra tal como Amadeo a organizou há um século, mas foi vontade das curadoras, Raquel Henriques da Silva e Marta Soares, reproduzir e o estilo expositivo da época, muito diferente das soluções hoje adotadas. Ainda assim, os quadros serão mostrados pela ordem que o artista usou no catálogo então publicado e que também estará visível no Soares dos Reis.

Não foi fácil reunir todo aquele conjunto de trabalhos, uma vez que as obras de Amadeo, que morreu em 1918, com 30 anos de idade, estão hoje dispersas por diversas coleções públicas e privadas.

O escândalo de há um século

Em declarações à Lusa, Raquel Henriques da Silva recordou alguns aspetos mais do domínio do anedótico relacionados com o modo como foi recebida a mostra de 1916 para dizer que "aquilo que se diz desta exposição é sempre um aspeto anedótico mais castiço, que as pessoas não perceberam nada, que foi um escândalo, que lhe cuspiram para os quadros, que lhe deram pancada". É importante sublinhar, no entanto, que a exposição do Porto, depois exibida no Palácio de Calhariz-Palmela, então sede da Liga Naval Portuguesa, suscitou um importante debate sobre o a arte contemporânea.

Há um século, dizem as notícias, as obras de Amadeo terão sido vistas no jardim Passos Manuel por mais de 30 mil pessoas, o que a terá transformado num sucesso absoluto. Porém, como refere Raquel Henriques, será necessário não esquecer a circunstância de nada ter havido de inocente na escolha do Jardim Passos Manuel, um espaço por onde sempre circulava muita gente, fosse para ver cinema, fosse para frequentar os chás dançantes.

A exposição estará no Museu Nacional Soares dos Reis até 1 de janeiro de 2017, após o que segue para Lisboa, onde será apresentada no Museu do Chiado a partir do dia 12 daquele mês.

Há um século, Amadeo não vendeu um só quadro no Porto. Em Lisboa, e não obstante o entusiástico acolhimento do grupo do Orpheu, vendeu apenas uma obra. Agora estão todas vendidas.