Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

A Bíblia de Lourenço

  • 333

A tradução da Bíblia a partir do grego é o acontecimento literário do ano

António Marujo

Como Frederico Lourenço, o protestante João Ferreira de Almeida e os padres Pereira de Figueiredo, e Matos Soares também fizeram traduções solitárias da Bíblia

Como Frederico Lourenço, o protestante João Ferreira de Almeida e os padres Pereira de Figueiredo, e Matos Soares também fizeram traduções solitárias da Bíblia

Marcos Borga

A primeira observação deveria ser uma evidência: uma nova tradução da Bíblia (mesmo se ainda só com os quatro evangelhos) é o acontecimento literário do ano. A Bíblia, como refere Frederico Lourenço (na apresentação geral da obra a propósito da Bíblia grega, que serve de base a esta tradução) é “um marco da cultura universal que — pelo seu valor religioso, estético e histórico — urge conhecer”.

Seria fastidioso enumerar outros apelos do género, desde Goethe a Bono Vox ou a George Steiner. Só isso deveria bastar para reconhecer a importância de uma nova tradução bíblica. Mas, numa realidade culturalmente deficitária em várias áreas como é a portuguesa, é de temer que isso não se registe em toda a sua grandeza. É uma grande alegria, por isso, que alguém com a erudição e a qualidade reconhecida de Frederico Lourenço se abalance a traduzir a Bíblia.

Esta é uma aventura de um homem só, mesmo se não é a primeira vez que acontece em português: o protestante João Ferreira de Almeida e os padres Pereira de Figueiredo e Matos Soares fizeram traduções solitárias, dando todos eles contributos riquíssimos à língua portuguesa.

João Ferreira de Almeida foi, no século XVII, um caso único: tendo ido de Portugal para o sudeste asiático, empreendeu a tradução da Bíblia, que não chegou a concluir antes de morrer na atual Jacarta, em 1691. Mas deixou uma versão que, depois de completada por outros seguidores, foi já impressa em mais de duas mil edições e perto de duzentos milhões de exemplares, em Portugal e no Brasil — o que faz dele, como diz Herculano Alves na biografia que escreveu, o escritor mais editado em português: as Sociedades Bíblicas continuam a publicar o seu texto, que é a referência para os protestantes lusófonos. Uma das últimas versões da Bíblia de Almeida, como é conhecida, foi publicada há uma década, com texto fixado por José Tolentino Mendonça e ilustrações de Ilda David.

A propósito de Almeida, há duas incorreções de Lourenço: ele não fugiu de Portugal para traduzir a Bíblia — os dados mais seguros que atualmente se conhecem apontam para uma saída do país a que se seguiu uma conversão ao calvinismo, já na Holanda ou nas Índias Orientais; e ainda em vida, em 1681 (dez anos antes de morrer), o tradutor da Bíblia viu publicado o seu Novo Testamento.

Na noção de “a Bíblia mais completa em português” tem jogado a informação divulgada pela editora. E isso é verdade, em parte. Mas desengane-se quem pense que estamos perante alguma nova revelação de matéria que nos foi escondida durante séculos. O cânone bíblico, ao contrário do que a fraca literatura de cordel pretende, foi-se fixando ao longo de séculos e foi matéria de grandes debates. Hoje, grosso modo, subsistem dois grandes cânones.

Se em relação ao Novo Testamento (a parte da Bíblia referente a Jesus), os 27 livros que dele fazem parte são aceites por todos os cristãos pelo menos desde o século XVI, já o mesmo não acontece com o Antigo Testamento cristão (ou Bíblia hebraica), sujeito a diferentes arrumações.

Lourenço propõe-se traduzir um dos mais extensos, o da Septuaginta, ou Bíblia dos Setenta (assim chamado porque teria sido traduzido do hebraico para grego por um conjunto de 72 sábios judeus, em Alexandria do Egito, no século III a.C.). A Septuaginta inclui entre 46 e 53 livros, consoante as edições e organização interna.

O mais normal são os 46 livros do cânone usado pela Igreja Católica e boa parte das Igrejas Ortodoxas. (O protestantismo assumiu como canónicos apenas os 39 livros usados pelos judeus da Palestina, retirando da Bíblia os sete que eram usados pelos judeus da diáspora, chamados deuterocanónicos.)

Em rigor, deveríamos, por isso, falar de outra organização da Septuaginta, pois também nesta há versões diferentes. Por exemplo, os livros de Susana e de Bel e o Dragão, que no plano da tradução de Lourenço aparecem separados, fazem parte do cânone católico e estão traduzidos na edição da Bíblia dos Capuchinhos (são os dois últimos capítulos do livro de Daniel). Já os terceiro e quarto livros de Macabeus são considerados pela tradição cristã como pseudoepígrafes, uma espécie de livros de piedade popular, mais ao nível de textos como o Talmude (comentários de rabinos judeus à Bíblia). E esta diferença — de textos, mas sobretudo de arrumação — deveria aparecer mais clara na introdução.

Há outra falta: nunca se refere, nas introduções, a chamada fonte Q, aquele primeiro texto onde Marcos se teria inspirado para escrever o seu evangelho, e que seria depois também fonte de Mateus e Lucas.

É nas introduções que encontramos, aliás, outras reticências: ao dizer que esta tradução privilegia, na tradução e nos comentários, uma forma “não-doutrinária, não-confessional e não-apologética” de compreender o texto grego, Lourenço está a inferir que uma tradução confessional — ou feita por pessoas ligadas às diferentes confissões — é doutrinária e apologética. Mas o próprio, além de se assumir dentro da tradição cristã (ainda que com reservas para com as instituições) reconhece o valor de traduções como as de Almeida, Figueiredo ou dos padres capuchinhos. E a estas poderia acrescentar-se a tradução da Bíblia de Jerusalém, da Escola Bíblica ligada aos padres dominicanos. Todas elas são traduções confessionais, e todas elas têm dado grandes contributos para a evolução dos estudos bíblicos (e da própria língua, com o caso mais espantoso da King James para o inglês). Pode dizer-se, aliás, que tem sido em grande parte a investigação bíblica a fazer mudar várias formas de as igrejas cristãs pensarem e se organizarem.

Uma última referência em relação à prioridade dada à literalidade: é pena que, em algumas ocasiões, ela não vá mais longe. Apenas um exemplo: em Mateus 1, 18, traduz-se: “O nascimento de Jesus Cristo aconteceu deste modo. Estando sua mãe Maria desposada com José — e antes que eles tivessem consumado o casamento...”; em nota, o tradutor acrescenta que esta última expressão, à letra, se traduziria: “antes que se tivessem juntado”.

De resto, sublinhe-se de novo a importância deste trabalho e a grande beleza de determinadas passagens. E verifique-se que, como escreve Frederico Lourenço sobre Jesus: “Bem vistas as coisas, Ele afinal não morreu. Porque a verdade é esta: tanto crentes como não-crentes andaremos às voltas com Jesus nas nossas cabeças, enquanto houver seres humanos na Terra.”