Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

Cinco artistas portugueses na Bienal de São Paulo 2016

  • 333

DV

Carla Filipe, Gabriel Abrantes, Lourdes Castro, Priscila Fernandes e Grada Kilomba são os artistas que irão participar na 32.ª Bienal de Artes de São Paulo, no Brasil, que abre portas a 10 de setembro.

Os artistas portugueses Carla Filipe, Gabriel Abrantes, Lourdes Castro, Priscila Fernandes e Grada Kilomba vão participar na 32.ª Bienal de Artes de São Paulo, no Brasil, que abre a 10 de setembro, segundo o Ministério da Cultura. A representação de Portugal, que tinha sido anunciada no final de 2015 pela Direção-Geral das Artes (DGArtes), inclui agora mais uma criadora portuguesa, Grada Kilomba, escritora, 'performer' e artista interdisciplinar.

A representação nacional na Bienal de São Paulo, que se realiza de 10 de setembro a 11 de dezembro, no Parque de Ibirapuera, inclui ainda meia centena de artistas portugueses e duas centenas de obras em várias exposições. Será, segundo o gabinete do ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, "o maior contingente estrangeiro presente nesta edição da bienal", intitulada "Incerteza Viva", com curadoria geral de Jochen Volz e Lars Bang Larsen.

Em julho do ano passado, os curadores visitaram 'ateliers', exposições e galerias portuguesas para selecionar um grupo de artistas de Portugal.
Grada Kilomba é uma escritora e artista interdisciplinar portuguesa, com ascendência são tomense e angolana, e a sua produção baseia-se em questões de memoria, trauma, raça, género, e pós-colonialismo, traduzido em vários idiomas em antologias internacionais e encenada internacionalmente.

Nascida em Lisboa, em 1973, Carla Filipe tem vindo a realizar um trabalho de arqueologia das questões e formas de vida que se alteraram na modernidade e, como suporte, utiliza o desenho, o objeto, a palavra e a instalação. Entre outras exposições, apresentou, no início de 2015, no Museu Coleção Berardo, "Carla Filipe da cauda à cabeça", que explorava as questões da paisagem, a geografia e o território nacionais.

Gabriel Abrantes nasceu em 1984 em Chapel Hill, Carolina do Norte (EUA), estudou cinema e artes plásticas na Cooper Union for the Advancement of Science and Art, em Nova Iorque, e o seu trabalho tem sido desenvolvido nas áreas do cinema e instalação de artes visuais.
Expõe a título individual desde 2006, na Galeria 111 de Lisboa e do Porto, e na Houghton Gallery, em Nova Iorque, e venceu o Prémio EDP Novos Artistas em 2009.

A artista Lourdes Castro, nascida no Funchal, em 1930, é, entre os quatro artistas, o nome mais consagrado em Portugal, e retirou-se da vida artística intensa nos anos 1980, regressando à Madeira, em 1983, depois de 25 anos em Paris. Estudou Belas Artes e, em Paris, publicou com um grupo de artistas a revista/movimento "KWY: Da abstração lírica à nova figuração", com as três letras que não existiam no alfabeto português. Ao longo da carreira apresentou exposições individuais em Portugal, na Alemanha, na Holanda, na República Checa, em França, no Brasil, no Reino Unido e em Espanha.

Nascida em Coimbra, em 1981, Priscila Fernandes, distinguida em 2011 com o Prémio EDP Novos Artistas, usa no seu trabalho uma grande densidade e complexidade de linguagens. A artista estudou inicialmente na Escola de Belas Artes do Porto e continuou os estudos em pintura no National College of Art and Design, em Dublin, na República da Irlanda, e na Willem de Kooning Academy da Universidade de Roterdão, na Holanda.