Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

Tocam os sinos e ninguém dorme em Braga. É “Noite Branca”

  • 333

Rita Carmo

Concertos, performances, instalações, programação infantil, animação de rua, atividades em museus e gastronomia local. Todos os caminhos vão dar à “Noite Branca” de Braga

São 48 horas e mais de 90 eventos gratuitos de música, arte e cultura sem parar entre sexta-feira e domingo. Na “Noite Branca”, em Braga, tocam os sinos – literalmente, mas já lá vamos – e ninguém dorme. A edição deste ano conta com o concerto especial de Jorge Palma e Sérgio Godinho (juntos), sábado, pelas 22h30, no Theatro Circo, assim como com a energia e visceralidade de Linda Martini que atuam à meia-noite do mesmo dia no espaço cultural GNRation. Exposições, performances, instalações, programação infantil, animação de rua, atividades em museus e gastronomia são outros dos atrativos.

A banda brasileira Boogarins (sexta, 24h), os portugueses The Gift (sábado, 0oh30), a fadista Carminho (sexta, 21h30), o cantautor Miguel Araújo (sexta, 23h) e o chileno Matias Aguayo (sábado, 3h) ajudam a dar cor a um cartaz que pretende ser “o mais abrangente possível, como explicou ao Expresso Cláudia Leite, responsável pela organização e administradora do Theatro Circo.

Os concertos de alguns de algumas referências da música nacional” e duas apostas sul-americanas – num ano em que a cidade é a Capital IberoAmericana da Juventude – vão estar distribuídos por dois palcos – Palco Principal, no Theatro Circo, e Palco GNRation).

“Temos alguns concertos destinados ao grande público, mais ‘mainstream’, mas também vamos apresentar alguns projetos diferenciados, como é o caso dos Boogarins e do Matias Aguayo”, explicou a organizadora.

GONCALO F SANTOS

Mas há muito mais para ver e ouvir. Não se deixe adormecer. A pensar nas famílias e no público mais pequeno, foi reforçada a programação infantil que terá um espaço próprio. Espaços emblemáticos como a Sé de Braga, o Museu Nogueira da Silva ou o Museu Pio XII vão estar abertos fora de horas para que todos os possam visitar.

Cláudia Leite sublinha que “a principal novidade em relação aos anos anteriores tem a ver com o reforço da animação de rua”, que começa na tarde de sexta-feira e estende-se até ao final da tarde de domingo. As ruas vão estar recheadas de instalações artísticas com uma forte componente digital e a animação está sempre garantida com diversos espetáculos.

Domingo é, para muitos, dia de ir à igreja e os espaços religiosos da cidade também se associam à “Noite Branca”. Em jeito de despedida, às 19h30, realiza-se um concerto de sinos das igrejas do centro histórico que conta com a participação de 80 pessoas da comunidade.

Jogar à “Sirumba” e descobrir “O Elixir da Eterna Juventude”

O principal destaque vai para o regresso de Jorge Palma e Sérgio Godinho ao Theatro Circo, um ano depois de aí terem dado um concerto que ficou registado em álbum, integrado no projeto “Juntos”. “Mestres na arte de envelhecer, os anos não passam por eles”, escreve a organização na sua página de Facebook sobre os músicos que parecem ter descoberto “O Elixir da Eterna Juventude”.

A aposta em dois palcos permite tornar o evento bastante abrangente e eclético, com sonoridades muito variadas, desde o fado de Carminho até ao “soul” de HMB e às influências “post rock” e “punk” dos Linda Martini, que não querem ser doutores. Ao toque das doze badaladas na noite de sábado, a banda liderada pelo vocalista André Henriques vem até Braga jogar à “Sirumba” (2016) com “Putos Bons” e o seu “Unicórnio de Sta. Engrácia” .

Para Cláudia Leite, o evento constitui “um marco em Braga, não só pela diversidade do programa, mas sobretudo pelo seu cariz cultural e, por fim, é também um espaço de apresentação de propostas da própria cidade”.

Em 2015, a “Noite Branca” recebeu mais de 250 mil pessoas e para este ano a organização espera ultrapassar as 300 mil. O orçamento do evento, apoiado e financiado pela Câmara Municipal de Braga, ronda os 300 mil euros. O programa completo pode ser consultado aqui.