Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

A festa da música independente faz-se no bosque com PAUS

  • 333

DR

O Indie Music Fest (IMF) está de regresso a Baltar, no concelho de Paredes, para, ao longo de três dias, celebrar e promover a música independente nacional. Para a quarta edição, o micro-festival que de ano para ano aumenta a sua dimensão, tem como principais destaques a atuação de “PAUS” e os concertos de pré-apresentação dos álbuns de “You Can’t Win, Charlie Brown” e “Octa Push”. De 1 a 3 de setembro, as sonoridades mais experimentais e alternativas vão ecoar no Bosque do Choupal

Muito há para ver e “todo o cartaz é de saltar à vista”, como realçou ao Expresso Tiago Nalha, produtor do evento. “Salto”, “Pista”, “Riding Pânico”, “Galgo”, “Basset Hounds” ou “Alek Rein” são outros dos atrativos que constam na programação, entre muitos outros. A duração dos concertos no Bosque é de 45 minutos, mas o largo da vila de Baltar terá animação e dj’s das 14h às 18h todos os dias.

O responsável destaca a componente “eclética” do IMF e explica que todos os anos o objetivo passa por levar até Baltar bandas que tenham algum culto e que toquem menos a Norte. “Damos-lhes a oportunidade de tocarem num festival com quatro palcos e onde garantidamente têm público”, salientou Tiago Nalha.

“Nunca repetimos uma mesma banda, exceto Solution, um dj residente de Baltar e que está a dar cartas no estrangeiro. Queremos todos os anos dar ao público uma experiência diferenciadora, mas sempre com uma aposta na música nacional”, acrescentou o responsável.

No Indie Music Fest até os horários são alternativos e a pontualidade do festival não é britânica. Esqueça a ideia de assistir a um concerto às 18h ou às 23h em ponto, até porque é sabido que tal nunca acontece. No IMF todos os espetáculos começam com um atraso intencional de um minuto.

“Tentamos sempre ser pontuais, mas ao pormos esse atraso de um minuto significa que não somos 100% certos. É também uma forma de sermos diferentes e gostamos de aprimorar para as pessoas que gostam desses detalhes. Fazia sentido e tinha piada”, contou Tiago Nalha.

Concertos secretos, gastronomia indie e atividades repletas de adrenalina

Nem só com música se faz a festa no bosque e o evento conta com outras atividades como exposições artísticas, concertos secretos, um mercado indie e ainda um show cooking, no centro da vila, com dois chefs da região para apresentar aos festivaleiros.

O IMF inclui em todas as edições atividades radicais disponibilizadas ao público e para este ano os mais aventureiros terão a oportunidade de fazer uma descida repleta de adrenalina em drift bikes, triciclos que são “meio kart e meio bicicleta”, como explicou Tiago Nalha.

O recinto também está melhorado e permite um maior conforto. Tem mais chuveiros na área de acampamento, mais casas-de-banho, a zona vip tem uma estrutura nova e a zona da restauração está renovada. Em anos precedentes, “o público queixava-se da existência de muito pó”, conta o produtor do Indie Music Fest que nesta edição terá um recinto alcatifado em algumas zonas e com relva noutras.

Em 2015 passaram 5600 pessoas pelos três dias do festival. Este ano as vendas estão a ser, até agora, 19% superiores em relação à edição anterior. O orçamento é de 150 mil euros, superior aos 89 mil da edição anterior.

Um micro-festival premiado e em constante crescimento

O Indie Music Festival não tem qualquer apoio camarário ou estatal, algo incompreensível para Tiago Nalha. “Em 2014 e 2015 recebemos o prémio de melhor micro-festival atribuído pelo Portugal Festival Awards e também por esse motivo não consigo perceber a razão de não termos mais apoios”, confessou o responsável. “Paredes carece de cultura. Não há quase nada para os jovens e nós somos um festival que atrai gente de todo o país e até público internacional”
Tiago Nalha destacou que, ainda assim, sem esse tipo de apoios, o IMF consegue ser o “melhor” do país. “Começa a ser um festival que de micro não tem nada”, concluiu.

O passe-geral para os três tem um custo de 30 euros e permite acesso gratuito à zona de campismo. Os bilhetes diários têm um preço de 15 euros.

A programação e os horários dos concertos, bem como todas as atividades paralelas podem ser consultadas aqui.