Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

Prémio Camões para Raduan Nassar

  • 333

Escritor brasileiro sucede à portuguesa Hélia Correia e ganha o Prémio Camões, no valor de 100 mil euros, instituído por Portugal e pelo Brasil em 1988

O escritor brasileiro Raduan Nassar é o vencedor do Prémio Camões 2016, foi anunciado esta segunda-feira, em Lisboa, numa conferência de imprensa com o secretário de Estado da Cultura, Miguel Honrado. Contactado pela Lusa disse apenas: "Peço desculpa mas não vou falar".

Raduan Nassar, de 80 anos, viveu os últimos 30 numa fazenda, praticamente sem dar entrevistas nem aparecer em público, sendo conhecida da imprensa brasileira a sua preferência pela pacatez. Nassar também não voltou a escrever qualquer outro livro, depois dos três que o celebrizaram na década de 1970 do século passado.

Autor de referência para muitos brasileiros, Raduan Nassar nasceu em 1935, no Estado de São Paulo, é filho de libaneses, estudou direito e filosofia, mas foi a literatura que o celebrizou. Publicou o primeiro livro, o romance "Lavoura Arcaica", em 1975, e, três anos depois, a novela "Um copo de cólera". As duas obras seriam posteriormente adaptadas ao cinema. Em 1997 publicou uma coletânea de contos, "Menina a caminho".

O júri desta 28.ª edição do Prémio Camões, que justificou a escolha, com a promoção que Nassar fez da consciência política e social, contra o autoritarismo, foi constituído pela professora catedrática da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa Paula Mourão, pelo escritor português Pedro Mexia, pela escritora e professora da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Flora Sussekind, pelo escritor e professor da Universidade Federal de Minas Gerais Sérgio Alcides do Amaral, pelo reitor da Universidade Politécnica de Maputo, Lourenço do Rosário, e pela professora da Faculdade de Letras de Lisboa e da Universidade de Macau Inocência Mata, natural de S. Tomé e Príncipe.

O Prémio Camões, no valor de 100 mil euros, foi instituído por Portugal e pelo Brasil em 1988, e atribuído pela primeira vez em 1989, ao escritor Miguel Torga (1907-1995). No ano passado, foi distinguida a escritora portuguesa Hélia Correia.