Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

No bairro do Demolidor

  • 333

O protagonista de “Demolidor” é britânico, mas Hell’s Kitchen também já lhe pertence. O Expresso esteve com Charlie Cox nas gravações da segunda temporada da série da Marvel

João Miguel Salvador

João Miguel Salvador

Em Nova Iorque

Jornalista

Há novos perigos em Nova Iorque. A cidade está prestes a ser tomada. Tudo começará por Hell’s Kitchen, a pouco minutos do coração da Big Apple, mas o mal propaga-se depressa. A Yakuza, que Matthew Murdock julgava ter eliminado, está de regresso. Estava só à espera do momento certo para voltar a atacar. O segredo da máfia foi saber esconder-se na sombra enquanto o herói-cego enfrentava e aniquilava os seus inimigos. Os inimigos comuns.

Charlie Cox é o homem por baixo da máscara. O ator interpreta a personagem pelo segundo ano e avança que a nova temporada “será o oposto da primeira”. A ação tomará os ecrãs desde o primeiro episódio. “No ano passado tudo aconteceu de forma mais lenta, mas agora será diferente”, assegura ao Expresso. Habituámo-nos a ver os super-heróis como personagens de ação — com acrobacias no ar a toda a hora. Desta vez será mesmo assim. É preciso estar preparado.

“Tento fazer todas as cenas, mas nem sempre me deixam”, confessa Charlie Cox, com vontade de dar mais corpo à personagem. “A verdade é que não posso ficar muito amassado porque a agenda é curta e isso invalidaria a continuação das filmagens.” Está tudo programado ao segundo e as falhas devem ser evitadas. Gravar uma cena curta pode demorar várias horas e tudo tem de ser controlado. O set está montado, os duplos estão mais do que preparados e o elenco também está a postos. As ruas de Brooklyn só podem ser fechadas entre a meia-noite e as seis da manhã, pelo que não há tempo a perder. Claro que seria muito mais fácil gravar em estúdio, mas não teria tanta graça.

É tempo de se ouvir “Ação”. O protagonista surge ao volante de um carro clássico e a cena a filmar mostra Matt Murdock — aquele que de dia é advogado e à noite se torna vigilante — a enfrentar um grupo de ninjas. “Não é fácil porque o ninja é uma pessoa real e tão depressa está em cima do carro como no momento seguinte já se encontra na lateral, junto ao vidro”, explica Charlie Cox, que tenta “não o esmurrar com força para evitar que ele seja mesmo projetado de um carro em andamento”. O resultado final “terá pouco mais do que dois minutos, mas precisámos de duas noites para filmar”, relembra o ator um dia depois de enfrentar um grupo de ninjas. Esta era a noite, um dos grandes desafios da temporada para a produção, “e cada cena teve de ser gravada de todos os ângulos, a várias velocidades, com lentes diversas”. Correu bem.

As correias já estão soltas e quem vir Demolidor nos novos episódios reparará que também o fato que usa é diferente. Foi feito à medida, tal como o primeiro, mas inclui algumas inovações. Desta vez foi preciso “entrar num scanner corporal apenas de boxers, para que me medissem e o fato assentasse na perfeição”, conta o ator, envergonhado com a situação. Sorte de quem agora já se consegue vestir sozinho. “O deste ano é mais prático e isso faz toda a diferença”, assegura.

Não são apenas os fatos que mudam e também o showrunner da segunda temporada será outro. Steven DeKnight saiu do projeto e talvez tenha levado com ele os flashbacks. Doug Petrie, que assina os novos episódios com Marco Ramirez, não revelou qual é a sua fórmula narrativa para explicar acontecimentos do passado, mas não resistiu a deixar uma pista: “Às vezes as histórias precisam de flashbacks, mas há outras em que não há nada com mais força do que duas pessoa a falar sobre algo que lhes aconteceu”.

Segredos bem guardados

No universo Marvel tudo é secreto e terá de continuar a sê-lo para que tudo corra pelo melhor. Os estúdios em que a série é gravada não ficam em Hell’s Kitchen — bairro onde vive o ficcional Matt Murdock — e pouco mais se sabe sobre o local em que se encontram. Ringside é o nome de código para o local. Não há qualquer referência à série em todo o complexo e a captação de imagens também não é permitida. Tudo é controlado. Nem os jornalistas podem saber onde estão. “Se houver uma fuga de informação deitamos tudo a perder”, explica um dos responsáveis dos estúdios. Alguns dos segredos desfazem-se já na sexta-feira, com a estreia da segunda temporada de “Demolidor da Marvel” no Netflix.

Expresso viajou a convite da Netflix