Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

Morreu o maestro austríaco Nikolaus Harnoncourt

  • 333

HERWIG PRAMMER/Reuters

Nikolaus Harnoncourt criou o festival Styriate, que se realiza anualmente. Foi violoncelista da Sinfónica de Viena e professor de Interpretação na Universidade Mozarteum de Salzburgo.Como maestro, trabalhou com os principais solistas e orquestras europeias e o seu trabalho discográfico abarca óperas, oratórios e obras sinfónicas dos séculos XVIII e XIX

O prestigiado chefe de orquestra austríaco Nikolaus Harnoncourt morreu no sábado aos 86 anos de doença, informou hoje a sua família citada pela agência noticiosa APA. A 5 de março, “Nikolaus Harnoncourt morreu serenamente rodeado da sua família. A pena e agradecimento são grandes. Foi uma relação maravilhosa”, assinalou a mulher, Alice Harnoncourt, num curto comunicado.

O maestro austríaco tinha anunciado em dezembro a retirada profissional devido a problemas de saúde. Thomas Angyan, diretor da famosa sala de concertos Musikverein de Viena, da qual o maestro Harnoncourt era membro de honra, expressão a consternação do mundo da música. “Uma era chegou ao fim”, lamentou. “Nunca esperei que entre a sua retirada do mundo dos concertos e a sua morte houvesse um período tão curto”, disse à APA. “Ele era o original do seu original (...) Devemos continuar o legado musical que nos deixa”, adiantou.

O conde Nikolaus de la Fontaine und d'Harnoncourt-Unverzagt nasceu em Berlim em 1929, mas passou a sua infância na cidade austríaca de Graz, onde muito anos depois criou o festival Styriate, que se realiza anualmente. Foi violoncelista da Sinfónica de Viena e professor de Interpretação na Universidade Mozarteum de Salzburgo.

O Concentus Musicus Wien, criado por Harnoncourt quando tocava violoncelo naquela orquestra, dedicou-se à interpretação de música barroca europeia em instrumentos de época e a partir de numerosos projetos de investigação, ajudando a revolucionar a interpretação desta música.

Como maestro, trabalhou com os principais solistas e orquestras europeias e o seu trabalho discográfico abarca óperas, oratórios e obras sinfónicas dos séculos XVIII e XIX.