Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

José Cid, o “menino prodígio”, vence Prémio Pedro Osório

  • 333

DR

O cantor, compositor e músico recebe esta quarta-feira o galardão da Sociedade Portuguesa de Autores, pelo álbum “Menino prodígio”, editado em abril de 2015

O músico José Cid recebe esta quarta-feira o Prémio Pedro Osório, que distingue o álbum “Menino prodígio”. Em comunicado, a Sociedade Portuguesa de Autores justifica a escolha do cantor, compositor e músico pelo disco lançado em 2015, mas também “pelo grande êxito da sua carreira em palco e em estúdio”.

O galardão foi criado em 2012, em memória do maestro e compositor Pedro Osório e tem o valor pecuniário de dois mil euros. O prémio já distinguiu anteriormente nomes como Pedro Abrunhosa, Rão Kyao, Jorge Palma e Janita Salomé.

“Menino prodígio” foi editado em abril do ano passado. Em março desse ano, o seu autor José Cid definiu o álbum como “roqueiro, de combate e interventivo”. “É um álbum que entra na área da objeção de consciência, mas levada para o rock”, disse o músico, em entrevista à Lusa.

O tema que dá título ao álbum, 'Menino Prodígio', assume-se como autobiográfico. “O menino-prodígio morreu! / E o seu epitáfio sou eu...”, canta Cid a dada altura da canção.

José Cid nasceu em 1942, na Chamusca. Co-fundador do Quarteto 1111, é um dos principais responsáveis pelo surgimento do rock progressivo português. É o responsável por várias canções que ficam na memória popular, como 'Cai neve em Nova Iorque', 'No dia em que o rei fez anos' ou 'A minha música'. Venceu o Festival da Canção em 1980 com o tema 'Um grande grande amor', representando Portugal na Eurovisão, onde ficou em sétimo lugar.

O galardão que lhe faltava - o Prémio Pedro Osório - distingue anualmente “um nome e uma obra relevantes na vida musical portuguesa”. Será entregue ao “menino prodígio” esta quarta-feira na sede da Sociedade Portuguesa de Autores (SPA), em Lisboa.