Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

Clo Bougard conta a história do macho alfa

  • 333

Acrílico sobre placa de madeira, de Clo Bougard

DR

A história do macho alfa, o pai veado de uma família de veados, pretende ser uma “sátira social”. Quem o diz é a autora desta escultura em terracota folheada a ouro, uma das 17 peças que compõe a mais recente exposição da artista

A pintura de Clo Bougard, 45 anos, quer “sentir, respirar, sentir, não sentir”. É assim que a artista que emerge de uma ‘primitiva formação em Restauro, desafia os sentidos em 15 fortes ‘pinceladas’ em acrílico sobre placas em madeira, numa exposição individual que inaugurou esta sexta-feira.

São “ilusões, olhares, a força da cor contida em gestos cognitivos”, como a narrativa que conta a história do macho alfa e da sua família.

Escultura em terracota folheada a ouro: o macho alfa, a mamy e o bambi

Escultura em terracota folheada a ouro: o macho alfa, a mamy e o bambi

DR

O macho alfa é um veado que tem uma fémea que que sonha com “a independência, a mamy, e um filho, o bambi”. A peça quer ser uma “sátira social das famílias tradicionais”, diz Clo apresentando a sua família de veados em terracota folheada a ouro.

Clo, de Clotilde, olha “só com a alma” porque “sentir é mais forte que o olhar, o olhar corta a intenção intimida, através dos rostos que representam um veículo de comunicação ...sem máscaras”.

No catálogo, Rui Paiva, curador da fundação Millenium, diz que a sua “pincelada grossa, densa, vibrante traz um expressionismo humano. São rostos-Mundo. Que se paisajam no olhar”.

A exposição pode ser vista até 8 de março no Espaço Exibicionista, em Lisboa.