Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

Os cowboys afinal falam muito (pelo menos os de Tarantino)

  • 333

Diálogos e situações delirantes, desta vez servidas com uma boa dose de enigma e suspense. O muito aguardado novo western de Quentin Tarantino vai chegar aos cinemas em fevereiro. Nesta semana que antecede o ano novo, escrevemos sobre cinco filmes que vão agitar o 2016 que há de vir

“The Hateful Eight”

Realização: Quentin Tarantino
Com: Samuel L Jackson, Jennifer Jason Leigh, Kurt Russell, Channing Tatum, Tim Roth
2h48m

A “Hollywood Reporter” escreve que “Hateful Eight” é o filme em que Quentin Tarantino nos mostra que afinal os cowboys não são homens de poucas palavras. Depois da estreia nos Estados Unidos na viragem do ano, chegará aos cinemas portugueses a 4 de fevereiro.

Filmado no amplo formato Ultra Panavision 70 – semelhante ao usado em filmes dos anos 1950-60 – conta com música Ennio Morricone, um verdadeiro clássico dentro dentro dos filmes dos westerns, género que previsivelmente voltará a ser levado ao limite e “pervertido” neste novo filme de Tarantino.

Depois de “Django Libertado”, a sua nova aventura pelo velho oeste americano decorre alguns anos depois do fim da Guerra Civil, quando o “enforcador” Ruth (Kurt Russell) transporta a assassina Daisy Domergue (Jason Leigh) até Red Rock para prestar contas à justiça. Pelo caminho eles encontram e dão boleia ao Major Marquis Warren (Samuel L. Jackson), um ex-soldado que se transformou num terrível mercenário, e a Chris Mannix (Walton Goggins), um renegado sulista que quer ser o novo xerife da cidade. Uma tempestade de neve leva o grupo a ter de procurar refúgio numa estalagem administrada por Minnie (Dana Gourrier), onde se vão cruzar com uma série de estranhas e dúbias personagens.Entre diálogos e situações delirantes, o filme deixa-se contaminar pelo espírito de Alfred Hitchcock, à medida que se torna óbvio que alguém irá tentar libertar Daisy e o suspense cresce.

“Hateful Eight” esteve envolto em polémica do princípio ao fim. Antes do início da rodagem, o argumento foi inadvertidamente tornado público, o que levou o realizador e argumentista a pensar mesmo em desistir do filme e limitar-se a publicar a história em livro. A estreia estava prevista para 25 de dezembro. Tarantino pretendia que, entre outras salas, estreasse no emblemático Cinerama Dome de Los Angeles, mas a Disney terá pressionado os proprietários do cinema a prolongarem a exibição da nova saga de “Star Wars” durante toda a quadra natalícia, inviabilizando o que fora anteriormente acordado em relação a “Hateful Eight”, levando o cineasta a proferir iradas declarações a esse propósito no programa de Howard Stern.

  • Sabes qual é o teu problema? Para não sofreres, preferes iludir-te

    As relações humanas, as desigualdades sociais, os jogos de poder e a irascibilidade: um grande filme turco, vindo das Montanhas da Anatólia. Nesta semana de Natal escrevemos sobre cinco filmes que fizeram 2015 prosperar - e depois haverá tempo, mas somente na próxima semana, para prosar sobre cinco filmes que vão agitar com o 2016 que há de vir

  • Uma pequena e simples lição de psicologia

    Há alegria, medo, raiva, repulsa e tristeza: “Divertida-Mente”, um filme para relembrar, explicar e sugerir. Nesta semana de Natal escrevemos sobre cinco filmes que fizeram 2015 prosperar - e depois haverá tempo, mas somente na próxima semana, para prosar sobre cinco filmes que vão agitar com o 2016 que há de vir

  • Três mulheres deste país perderam o juízo

    O trailer começa com um bandido irrelevante a perguntar a uma mulher prudente se ela é um anjo. Basta aquele momento para querer ver o filme inteiro. Nesta semana de Natal escrevemos sobre cinco filmes que fizeram 2015 prosperar - e depois haverá tempo, mas somente na próxima semana, para prosar sobre cinco filmes que vão agitar com o 2016 que há de vir

  • Que Deus nos ajude

    Hollywood pegou num dos seus meninos bonitos, tornou-o careca e fez dele um vilão de dentes esquisitos, olhos turvos e coração gelado. Nesta semana de Natal escrevemos sobre cinco filmes que fizeram 2015 prosperar - e depois haverá tempo, mas somente na próxima semana, para prosar sobre cinco filmes que vão agitar com o 2016 que há de vir

  • Quando a paranoia aterrorizou o mundo

    Spielberg já fez muita coisa, faltava-lhe pôr Tom Hanks a defender um espião russo. Nesta semana de Natal escrevemos sobre cinco filmes que fizeram 2015 prosperar - e depois haverá tempo, mas somente na próxima semana, para prosar sobre cinco filmes que vão agitar com o 2016 que há de vir

  • Quando o jornalismo ainda faz a diferença

    Está a chegar o filme sobre a grande investigação jornalística do “Boston Globe” que causou uma avalanche de revelações sobre a pedofilia na Igreja Católica nos EUA. Nesta semana que antecede o ano novo, escrevemos sobre cinco filmes que vão agitar o 2016 que há de vir

  • Assumidamente pudico e lúdico

    O realizador explica ao que vai: “A exploração a que me propus quis-se sempre distante daquela que olha a atração entre uma adolescente e alguém mais velho como um sintoma de doença social”. Está dado o mote do filme e deste texto. Nesta semana que antecede o ano novo, escrevemos sobre cinco filmes que vão agitar o 2016 que há de vir