Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

Ele não vê o futuro, ele ouve-o

  • 333

Mick Jagger pensou e Martin Scorcese concordou. A história e o mundo da música serão revelados a partir de fevereiro. Nesta semana de ano novo, escrevemos sobre as séries que vão abanar com 2016

Estamos nos anos 1970. Richie Finestra (Bobby Cannavale) é o presidente de uma editora discográfica em declínio e a sorte do passado já não mora com ele. Entre o casamento com Devon (Olivia Wilde) em apuros e os problemas com o sócio Zak Yankovich (Ray Romano) no interior da American Century Records, Finestra terá de descobrir um novo rumo para si e para a companhia que dirige.

“Ele não vê o futuro, ele ouve-o” é a frase que se vê pelos posters da nova série da HBO e o projeto promete muitas horas de boa televisão. À mente brilhante de Richie Finestra (habituada a ouvir o que de melhor se faz no meio) junta-se boa música, muito sexo e demasiada cocaína. O cocktail é explosivo e Nova Iorque, a cidade que nunca dorme, tinha mais horas do que as 24 de cada dia.

Instagram

EM BUSCA DE UMA PORTA ABERTA (E DAS MEMÓRIAS PERDIDAS)

A ideia partiu de Mick Jagger, há mais de 20 anos, e desde aí que “Vinyl” não lhe sai da cabeça. O músico dos Rolling Stones continuou a sua carreira com a banda, mas a vontade de contar a história recente da música — especialmente nos anos 1970 — não desapareceu.

Embora tenha trabalhado com Martin Scorcese e Terrence Winter para um filme épico sobre este submundo desconhecido, o projeto acabou por não sair do papel. Os responsáveis perceberam que não era possível incluir todas as histórias nas poucas horas que o cinema oferece e era tempo de quebrar barreiras e encontrar outra solução.

“Seria [um filme] muito extenso”, confessou Jagger à norte-americana “Rolling Stone”, mas a solução estava ali, mesmo ao lado: o melhor era arriscar no pequeno ecrã. O entusiasmo cresceu à velocidade a que se vivia nos anos 1970 e “em televisão tudo se tornou mais refinado e interessante”.

Vivem-se novos tempos e a HBO, responsável por sucessos como “Guerra dos Tronos”, apostou na história. “Vinyl” obrigou a um esforço de memória — algo nem sempre fácil tendo em conta os excessos da época — pelo que foi depois de uma fase de pesquisa que a realidade se recompôs. Ainda em declarações à mesma publicação, Mick Jagger explicou que “primeiro fez-se a pesquisa” e que “o resultado dessa pesquisa acabou por dar cor às memórias”.

Instagram

“Vinyl” estreia na HBO a 14 de fevereiro e a chegada a Portugal não deverá acontecer muito depois. O TVSéries, que no ano passado firmou um acordo com o gigante norte-americano, será o responsável pela transmissão da produção em Portugal.

A Mick Jagger, Martin Scorcese e Terrence Winter — que será o showrunner e foi responsável por “Boardwalk Empire” —, junta-se um elenco vasto. Da primeira temporada fazem parte Bobby Cannavale, Olivia Wilde, Ray Romano, Ato Essandoh, Max Casella, P.J.Byrne, J.C. MacKenzie, Birgitte Hjort Sørensen, Juno Temple, Jack Quaid, Paul Ben-Victor e James Jagger, filho de Mick Jagger.

  • Tempo de voltar a estalar o verniz

    Claire Foy vai interpretar o papel de rainha Isabel II durante a primeira temporada de “The Crown”. Com um orçamento de 135 milhões de euros, a biossérie é a maior produção de sempre para a Netflix. Nesta semana de ano novo, escrevemos sobre as séries que vão abanar com 2016

  • (#5) O homem que só sabe seis coisas: “Wayward Pines”, a série que ia ter uma única temporada

    “Ethan Burke acorda sem saber onde se encontra. Só sabe seis coisas: o nome do atual Presidente dos Estados Unidos, a aparência do rosto da mãe, que é capaz de tocar piano e de pilotar helicópteros, que tem 37 anos e que precisa de encontrar um hospital tão rápido quanto possível.” A trama abre assim e esta premissa virou fenómeno - e uma série de temporada única viu-se forçada a quebrar a própria regra. Nesta semana de Natal e depois na de ano novo, escrevemos sobre as séries que mexeram com 2015 e as que vão abanar com 2016

  • (#3) “Mr. Robot”: Que se lixe a sociedade

    Elliot Alderson sabe de programação como ninguém, mas tem contra si as fracas capacidades sociais. É entre a luz e a sombra, ou o mal e o bem (exatamente por esta ordem), que tudo acontece em “Mr.Robot”. Nesta semana de Natal e depois na de ano novo, escrevemos sobre as séries que mexeram com 2015 e as que vão abanar com 2016

  • (#2) Uma família ainda mais moderna: os Pfefferman de "Transparent"

    Esta é uma série que nos abre os olhos e nos prepara para um mundo melhor (sem preconceitos de uns e medos de outros). "Transparent" é assim, uma lição de vida em duas temporadas — mas com muito humor à mistura. Nesta semana de Natal e depois na de ano novo, escrevemos sobre as séries que mexeram com 2015 e as que vão abanar com 2016