Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

Que Deus nos ajude

  • 333

Hollywood pegou num dos seus meninos bonitos, tornou-o careca e fez dele um vilão de dentes esquisitos, olhos turvos e coração gelado. Nesta semana de Natal escrevemos sobre cinco filmes que fizeram 2015 prosperar - e depois haverá tempo, mas somente na próxima semana, para prosar sobre cinco filmes que vão agitar com o 2016 que há de vir

“Black Mass – Jogo Sujo”

Realização: Scott Cooper
Com: Johnny Depp, Benedict Cumberbatch, Dakota Johnson, Kevin Bacon, Peter Sarsgaard, Jesse Plemons, Rory Cochrane, David Harbour
122 min

É um quase irreconhecível Johnny Depp que nos surgiu em “Jogo Sujo” como James “Whitey” Bulger, o tenebroso gangster irlandês que, graças à cumplicidade com o FBI, conseguiu, a partir de meados dos anos 1970, alargar o seu território no submundo do crime de Boston, acabando por controlar o crime organizado de toda a cidade.

O argumento é baseado no livro homónimo (editado pela Marcador, em Portugal em 2015, por ocasião da estreia do filme), de autoria dos jornalistas Dick Lehr e Gerar O'Neill e que se tornou num best seller nos Estados Unidos e que deu este ano origem a mais um filme que nos faz mergulhar no mundo do crime.

Neste caso, a história não é apenas inspirada em casos verídicos, mas antes uma reconstituição de um caso especifico. O filme começa com um dos capangas de Bulger a ser interrogado sobre a organização que se encontraria nessa altura a ser desmantelada, com o próprio interrogado a expressar a sua surpresa pelo modo como o seu chefe conseguiu expandir a organização, perante a inação das autoridades.

Depois mostra o modo como a chegada de um amigo de infância de Bulger, John Connolly (Joel Edgerton), ao FBI foi determinante para a expansão da organização criminosa. Também irlandês e oriundo da zona sul da cidade, Connolly propõe-lhe fornecer-lhe proteção em troca de informações que levem à incriminação e captura do padrinho da máfia italiana de Boston.

Bulger compromete-se a continuar a desenvolver a sua atividade criminosa sem matar mais ninguém. Mas esse será um detalhe ao qual ele não irá prestar qualquer atenção. Homicídios, tráfico de droga e extorsões figuram entre as suas práticas quotidianas. Não hesitava em matar os seus inimigos ou mesmo os membros da sua organização que dessem qualquer passo em falso.

Consegue manobrar as coisas ao ponto de a determinada altura ter a polícia a servir os seus interesses, sem ele dar nada em troca. O filme expõe esta linha de cumplicidades e de intimidação de um medonho submundo que consegue contaminar as instituições oficiais.

  • Sabes qual é o teu problema? Para não sofreres, preferes iludir-te

    As relações humanas, as desigualdades sociais, os jogos de poder e a irascibilidade: um grande filme turco, vindo das Montanhas da Anatólia. Nesta semana de Natal escrevemos sobre cinco filmes que fizeram 2015 prosperar - e depois haverá tempo, mas somente na próxima semana, para prosar sobre cinco filmes que vão agitar com o 2016 que há de vir

  • Uma pequena e simples lição de psicologia

    Há alegria, medo, raiva, repulsa e tristeza: “Divertida-Mente”, um filme para relembrar, explicar e sugerir. Nesta semana de Natal escrevemos sobre cinco filmes que fizeram 2015 prosperar - e depois haverá tempo, mas somente na próxima semana, para prosar sobre cinco filmes que vão agitar com o 2016 que há de vir

  • Três mulheres deste país perderam o juízo

    O trailer começa com um bandido irrelevante a perguntar a uma mulher prudente se ela é um anjo. Basta aquele momento para querer ver o filme inteiro. Nesta semana de Natal escrevemos sobre cinco filmes que fizeram 2015 prosperar - e depois haverá tempo, mas somente na próxima semana, para prosar sobre cinco filmes que vão agitar com o 2016 que há de vir