Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

(#3) “Mr. Robot”: Que se lixe a sociedade

  • 333

USA Network

Elliot Alderson sabe de programação como ninguém, mas tem contra si as fracas capacidades sociais. É entre a luz e a sombra, ou o mal e o bem (exatamente por esta ordem), que tudo acontece em “Mr.Robot”. Nesta semana de Natal e depois na de ano novo, escrevemos sobre as séries que mexeram com 2015 e as que vão abanar com 2016

É brilhante no trabalho mas o negrume do seu ser acaba por tomar conta da forma como age. É negro no interior, mas o seu valor real ultrapassa qualquer estimativa. Parece que se está a escrever exatamente sobre a mesma coisa, mas não é assim. Elliot pode desligar a internet, mandar abaixo qualquer servidor ou apagar os registos bancários da humanidade, mas, se pode fazer tudo isto, o que o impede de agir? Quem é e de onde veio.

“Soturno e triste”, como o apresentámos aquando da estreia de “Mr. Robot” no TVSéries, não usa apenas a força interior para enfrentar o dia e as drogas são uma parte importante — especialmente à noite, quando a solidão toma conta de si.

Elliot precisa também de fazer a divisão entre as suas duas vidas: a do emprego na Allsafe Security e a da força secreta a que se juntou, a Fsociety. Tem consigo algo que nunca larga. O casaco de capuz preto faz parte de si e contribui para a construção da personagem interpretada por Rami Malek, mas este é, mais do que físico, um traço psicológico do jovem programador.

Não é fácil gerir tudo. A luta por um mundo mais justo cativa-o, no entanto os meios utilizados são perigosos. Não é preciso estragar o prazer de ver esta série e por isso este é um artigo sem spoilers. Fica como recomendação de ano novo — quando estiver disponível nas plataformas de streaming, em DVD, ou for reposta na programação do TVSéries.

O melhor é ir preparando o coração para a segunda temporada, já confirmada, e cujos pormenores já começaram a ser avançados.

USA Network

Sam Ismail, criador de “Mr. Robot”, quer fazer diferente em 2016 e pretende e assumir a realização dos próximos episódios. Serão 10 e aumentarão consideravelmente o trabalho do criativo durante a segunda temporada, uma vez que só foi responsável por três dos capítulos da primeira.

Vamos ver o que o novo ano nos reserva. Que se lixe a sociedade!

  • (#5) O homem que só sabe seis coisas: “Wayward Pines”, a série que ia ter uma única temporada

    “Ethan Burke acorda sem saber onde se encontra. Só sabe seis coisas: o nome do atual Presidente dos Estados Unidos, a aparência do rosto da mãe, que é capaz de tocar piano e de pilotar helicópteros, que tem 37 anos e que precisa de encontrar um hospital tão rápido quanto possível.” A trama abre assim e esta premissa virou fenómeno - e uma série de temporada única viu-se forçada a quebrar a própria regra. Nesta semana de Natal e depois na de ano novo, escrevemos sobre as séries que mexeram com 2015 e as que vão abanar com 2016