Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

“Star Wars: O Despertar da Força” bate recordes de bilheteira

  • 333

PERSONAGEM A nova heroína do novo "Star Wars": Rey (Daisy Ridley), fugindo do lado negro da força FOTO FILM FRAME

FOTO FILM FRAME

O novo “Star Wars” bateu recordes de bilheteira no fim de semana de estreia nos Estados Unidos e no Canadá e arrecadou 238 milhões de dólares. Só no dia de estreia, Portugal rendeu 240 mil euros em bilheteira, com cerca de 39 mil pessoas a entrarem nas salas de cinema portuguesas para verem o filme

O filme “Star Wars: O despertar da força” bateu recordes de bilheteira no fim de semana de estreia nos Estados Unidos e no Canadá e arrecadou 238 milhões de dólares, noticia este domingo a Hollywood Reporter. O filme de J.J. Abrams bate assim o “Jurassic World”, cujas receitas de bilheteira no primeiro fim de semana de estreia, em junho, atingiram os 208,8 milhões de dólares.

Já a nível mundial, o novo “Star Wars” recolheu, em receitas de bilheteira desde a estreia, 517 milhões de dólares, um valor inferior ao arrecadado pelo “Jurassic World”, de 524,9 milhões de dólares. Na quinta-feira, o filme bateu recordes de receita e arrecadou 57 milhões de dólares na noite de estreia nas salas de cinema dos Estados Unidos e Canadá, batendo o recorde anterior, de 43,5 milhões, que pertencia ao segundo filme da série “Harry Potter”, de 2011.

Segundo a Disney, a produtora do filme, atendendo aos números já apurados das vendas de bilhetes de sexta-feira, tudo aponta para um total de 100 milhões de dólares em 24 horas, o que será um novo recorde na indústria. O filme da série Harry Potter de 2011 somou, no primeiro dia de exibição, 91 milhões de dólares nas bilheteiras dos EUA e do Canadá.

130 milhões de dólares em Portugal

“Star Wars: O despertar da força” estreou esta semana em diversos países, incluindo Portugal, e nas primeiras exibições na quarta-feira conseguiu receitas de bilheteira de pelo menos 240 mil euros, batendo recordes em países como o Reino Unido, Alemanha, Noruega ou Suécia.

A Disney acredita que o filme poderá superar os 200 milhões de dólares em venda de bilhetes no primeiro fim de semana de exibição e bater mais um recorde, neste caso, o de “Jurassic World” (208,8 milhões de dólares).

Realizado por J.J. Abrams, “O despertar da força” é o sétimo filme de uma série idealizada pelo realizador norte-americano George Lucas e que se tornou num fenómeno da cultura popular, marcando várias gerações de espetadores ao longo dos últimos 40 anos. A rodagem foi entregue a J.J. Abrams, produtor da série televisiva “Perdidos” e realizador, entre outros, de “Missão Impossível” e do renovado “Star Trek”.

O filme é também o primeiro desde que os estúdios Disney assumiram os comandos da série, adquirida a George Lucas em 2013 por quatro mil milhões de dólares.

De acordo com o New York Times, a Disney espera ter uma receita de bilheteira global de 2,5 mil milhões de dólares e uma previsão de 5 mil milhões de dólares por vendas de produtos associados à série. Até 2020 deverão estrear-se quatro novos filmes.

  • Manual da galáxia para quem dispõe de bom humor e estima a fantasia

    Isto é para si que que sabe o que é a Força e o que ela desperta e salvaguarda. Isto é para si que não entende esta histeria com sabres e naves especiais e espaciais. Isto é para si que precisa de recapitular o Star Wars antes de ir ver o novo capítulo. Isto é para si que dispõe de bom humor e estima a fantasia. Isto é para si e para nós todos

  • Um catálogo de relíquias e aquela sequência final: crítica ao novo Star Wars

    “O Star Wars de J.J. Abrams é tão fiel aos primeiros filmes da saga que redunda numa cópia. É a tal ponto fetichista e reverencial em relação à trilogia original que se assemelha ao trabalho de um monge copista que se deixou fascinar pelo caráter sacrossanto do texto que transcreve.” Crítica de Vasco Baptista Marques ao filme que estreia esta quinta-feira em mais de 150 salas de cinema do país

  • Um catálogo de relíquias e aquela sequência final: crítica ao novo Star Wars

    “O Star Wars de J.J. Abrams é tão fiel aos primeiros filmes da saga que redunda numa cópia. É a tal ponto fetichista e reverencial em relação à trilogia original que se assemelha ao trabalho de um monge copista que se deixou fascinar pelo caráter sacrossanto do texto que transcreve.” Crítica de Vasco Baptista Marques ao filme que estreia esta quinta-feira em mais de 150 salas de cinema do país