Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

Está tudo rendido: “Não sabia se devia chorar ou aplaudir”. As primeiras críticas (eufóricas) a Star Wars

  • 333

d.r.

O filme tem gente “divertida, charmosa e corajosa”; respeita os fãs mais zelosos sem deixar de aliciar quem nunca o foi; é emotivo e desperta sentimentos irracionais - em tudo o que isso tem de bom e saudoso. A imprensa que já viu o novo episódio de Star Wars, que estreia esta quinta-feira, está rendida - fomos ver como e porquê (e acrescentamos uns vídeos para preencher o coração). E esteja tranquilo: este é um artigo sem spoilers

“O verdadeiro Star Wars está de volta.” Vamos contar-lhe tudo o que está a ser dito (em tom de celebração) sobre o novo episódio da sala galática, mas queremos descansá-lo já no primeiro parágrafo: de acordo com a imprensa internacional, se for fã das aventuras de Han, Leia e Luke, vai sair do cinema preenchido. Se não for, parece que também é para si.

Já se sabe que que os últimos três filmes da saga - que consistiram em prequelas dos três que saíram nos anos 70 e 80 - desiludiram muita gente. E o engenho deste “Star Wars: O despertar da Força” parece ser precisamente o facto de conseguir afastar esses fantasmas, de acordo com... bem, aparentemente, toda a gente.

A “Wired” explica-o sem rodeios: “Durante décadas, desde ‘O Regresso de Jedi’, parecia que tudo o que havia de bom em Star Wars estava destinado a viver na nossa memória”. Mas há salvação e o sétimo filme da saga traduz isso mesmo, argumenta a revista: “Se gostava de Star Wars, tudo aquilo de que gosta está de volta. E se ainda não era fã? Bem-vindo a casa”.

Se ainda não está convencido que tem mesmo de ir ver o filme, há mais entusiasmo para ler. A revista “Variety” resume os seus sentimentos em relação ao episódio que cronologicamente se segue a “O Returno de Jedi” numa linha: “Se o filme lançado em 77 não se chamasse ‘Uma nova esperança’, esse título optimista cairia bem a este episódio”. Classificando o filme como um “restaurador” da energia que caracterizou os primeiros filmes da saga, a publicação vai mais longe: “Só um cataclismo global (ou talvez nem isso) vai impedi-lo de ser o filme mais visto do ano e talvez o mais bem-sucedido de sempre”.

O britânico “The Guardian” mantém o clima de comemoração e classifica o filme como “um grande presente de Natal” - dá-lhe cinco estrelas. Defendendo que o sangue novo do duo que protagoniza este episódio é muito benéfico para o resultado final, Peter Brawsh, crítico de cinema do jornal, conta que se emocionou assim que viu Han Solo e Chewbacca de regresso ao grande ecrã: “Tive uma sensação no cinema que não tinha desde os 16 anos: não saber se havia de desatar a chorar ou de aplaudir efusivamente”.

Continuando a passar os olhos pela imprensa britânica, o “Telegraph” titula a crítica em que atribui cinco estrelas ao filme com euforia: “A magia está de volta”. Isto porque, para o jornal, “J.J. Abrams fez a sequela dos nossos sonhos”. Mais: o “Telegraph” declara que “O despertar da Força” vai entrar nos corações de todos e ainda arranja espaço para elogiar os novos protagonistas, que descreve como “corajosos, divertidos e sedutores”.

Atravessamos oceanos para lhe contar ainda a opinião dos nova-iorquinos do “The New York Times”. Spoiler: são boas. Mais uma vez, é sublinhado o equilíbrio que o filme consegue atingir entre nostalgia e novidade. Para o “New York Times”, o fã J.J. Abrams conseguiu a proeza de fazer “um filme para (quase) todos”.

Parece que a expressão “Tenho um mau pressentimento sobre isto”, celebrizada como um dos momentos-chave da saga (e repetida em todos os episódios, incluindo neste último), não se aplica mesmo ao novo filme. As celebridades que já viram o filme invadiram o Twitter para concordar, já que, como diz Darren Criss, neste episódio “a força foi indubitavelmente acordada”:

É uma maldade estar a aguçar-lhe a curiosidade enquanto o filme não estreia (em Portugal, pode correr para os cinemas já esta quinta-feira). Por isso, deixamos-lhe o trailer final para ir revendo e ansiando (e depois deixamos um bónus de Jimmy Fallon):