Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

Já nem o Drácula se safa

  • 333

O primeiro tomo de “Hotel Transylvania”, a aposta de animação da Sony Pictures para o Natal de 2012, não deixou boas recordações. Aquela anedótica história de um Drácula que geria um hotel para monstros na sua Transilvânia local era pouco mais do que uma comédia com graçolas incontinentes a misturar clichés de filmes de vampiros com o estilo de vida americano.

Três anos depois, e socorrendo-se do mesmo elenco de vozes (com Adam Sandler, que se ocupa da personagem principal, carrega de novo num inglês com sotaque de Europa de Leste), Genndy Tartakovsky teve mais cuidado e, pelo menos, mostra outra vontade de desenvolver personagens. Por fim tolerante a humanos, o nosso Drácula está agora prestes a ser avô (depois de a filha vampira ter engraçado com um louro tonto da Califórnia) e começa a preocupar-se com a linhagem mal o rebento nasce (o que, por defeito, é absurdo para um imortal), não vá o miúdo, que se chama Dennis (aliás, Dennisovich), sair um ‘herdeiro de vampiro’ mansinho e sem sede de sangue. No mesmo tom farsolas do primeiro filme — e que, no fundo, é alimentado pelo conservadorismo — “Hotel Transylvania 2” lá vai levando a bom porto o seu Drácula danado para a brincadeira e avesso a modernices (o smartphone que lhe oferecem, naturalmente da Sony) à medida que o filme também se vai socorrendo de modernices para se tornar familiar e piscar o olho ao espectador. Alguns gags resultam: um certo Bluetooth que é um dente azul com pernas; uma escova de dentes especial para lavar caninos afiados; aquele campo de férias para vampiros que outrora era como a tropa e agora parece um acampamento de escuteiros; os ciúmes do avô quando o neto lhe fala de um herói com capa e que se chama Batman. A personagem de Vlad, o pai de Drácula, foi desenhado de propósito para (e tem a voz de) Mel Brooks. Falta contudo aqui algo de essencial a este divertimento para que ele consiga elevar-se da mediania: um bom argumento. O facto de se exibir agora, ao mesmo tempo que “A Viagem de Arlo”, da Pixar/Disney, ainda mais o realça como uma animação de segunda linha.