Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

Prémio Pessoa para Rui Chafes: “Não sei se mereço”

  • 333

Rui Chafes reconhece que "há uma história de prestígio" por trás do Prémio Pessoa, feita pelo conjunto de personalidades premiadas, e que "têm uma presença na sociedade mais longa e mais válida do que a minha"

Gonçalo Rosa da Silva

Rui Chafes diz que ficou “sem palavras” quando Francisco Pinto Balsemão lhe comunicou ter sido o escolhido como vencedor do Prémio Pessoa 2015. Júri destaca a “obra simultaneamente sem tempo e do seu tempo” do escultor

“É difícil fugir aos lugares comuns e às banalidades”, diz Rui Chafes. O 29º vencedor do Prémio Pessoa, tal como muitos dos seus antecessores, foi apanhado de supresa pela comunicação, feita na noite desta quinta-feira, pelo presidente do júri. Francisco Pinto Balsemão telefonou ao escultor para o informar de que tinha sido o vencedor e... “fiquei sem palavras”, assume Rui Chafes.

“É uma grande alegria, uma grande honra e um grande reconhecimento. Não sei se mereço.”

A história do Prémio Pessoa, que desde 1987 já distinguiu personalidades tão diversas como Maria João Pires ou José Mattoso, Souto Moura ou Sobrinho Simões, Eduardo Lourenço ou Manuel Alegre, pesa sobre os ombros dos novos vencedores. Rui Chafes, o escultor lisboeta premiado este ano, reconhece que “há uma história de prestígio” por detrás do Prémio Pessoa, feita pelo conjunto de personalidades que foram sendo premiadas e que “têm uma presença na sociedade mais longa e mais válida do que a minha”.

A distinção da sua obra, feita de mais de três décadas de carreira como escultor, “é um reconhecimento importantíssimo por parte da sociedade” e que surgiu de um modo “absolutamente inesperado”. O ano de 2015 foi particularmente relevante para o artista? A resposta vem rápida: “Correu sempre bem. Todos os anos correm bem. Sou uma pessoa de sorte, desde que nasci”.

O júri destacou a obra do escultor, considerando que “Rui Chafes consegue o feito raro de produzir uma obra simultaneamente sem tempo e do seu tempo”.

  • Rui Chafes vence Prémio Pessoa

    O escultor lisboeta é o vencedor, em 2015, do Prémio Pessoa. Uma obra feita a ferro e fogo mereceu o destaque do júri do prémio, que é uma iniciativa do Expresso e da Caixa Geral de Depósitos

  • Comunicado do júri do Prémio Pessoa

    Rui Chafes “consegue o feito raro de produzir uma obra simultaneamente sem tempo e do seu tempo”, lê-se na ata da reunião do júri que, esta sexta-feira, atribuiu ao escultor o Prémio Pessoa 2015