Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

Germano Silva. “Por trás de cada fachada do Porto há uma história desconhecida ou insólita”

  • 333

Germano Silva acaba de lançar “Porto Desconhecido & Insólito”

Lucília Monteiro

Há um amor de perdição entre duas mulheres no século XIX, um imperador caloteiro, a imagem da santa com a cabeça cortada por ser demasiado sensual, e muitas outras histórias no novo livro de Germano Silva dedicado a mostrar um Porto nunca imaginado

Valdemar Cruz

Valdemar Cruz

Texto

Jornalista

Lucília Monteiro

Lucília Monteiro

Fotos

Fotojornalista

Está-lhe na natureza. Se começa a falar sobre o Porto, haverá a certeza de este ex-jornalista e cronista da cidade fazer jorrar uma infinidade de histórias de uma cidade que julgávamos conhecer e, afinal, se revela tão estranha e insólita.

Com tantos livros publicados sobre o Porto, esta é uma forma de ir à procura do que é menos óbvio?
Exatamente. Andamos nas ruas e muitas vezes olhamos para a fachada de uma casa, de uma igreja, e não imaginamos que por trás dessa fachada há uma história que é, ou desconhecida, ou até insólita. Há uns anos, estava eu ainda no jornalismo, tive de ir falar com um advogado com escritório à entrada da avenida dos Aliados, do lado direito para quem sobe. Cheguei e ele não estava. O empregado, enquanto eu esperava, levou-me a espreitar por uma janela, nas traseiras. Via-se a viela dos Congregados. Ainda havia ali restos de casas da antiga rua de D. Pedro. Disse-me ele, então, que se contava que havia por ali uma casa onde teriam aparecido umas libras em ouro. Aquilo intrigou-me. Andei a investigar e descobri que vivera ali um fulano que andara no cerco do Porto. Era um militar que tinha vivido naquele local aí pelos anos de 1850. A casa era alugada. Um dia, a empregada estava a preparar o almoço e tinha uma peça de carne ou de peixe em cima da mesa. Descuidou-se e um gato passou, pegou na peça e fugiu. Meteu-se numa espécie de saguão. Ter-se-á ouvido alguma coisa que cai e tilinta.O homem fica intrigado e vai espreitar. Descobre um pote com umas libras de ouro. Não muitas. Era normal durante o cerco do Porto as pessoas esconderem os valores, porque não sabiam o que ia acontecer. A partir daí convenço-me que o Porto está cheio destas pequenas histórias.

Miragaia, zona da antiga judiaria

Miragaia, zona da antiga judiaria

Lucília Monteiro

Na altura já escrevia no "JN" as crónicas "À descoberta do Porto". Nessa altura utilizou esta história?
Isto terá sido por volta de 1995 e não cheguei a contar a história. Guardei-a nos meus apontamentos. Começaram a aparecer outras curiosidades.

Por exemplo?
Há casos como o da rua das Flores, de que toda a gente falava e que começou por se chamar rua de Santa Catarina das Flores. Chegou a ter à entrada uma imagem da santa. Muita gente se perguntava onde estaria a imagem. Ninguém sabia. Ora, está dentro da papelaria Araújo & Sobrinho.

Que já não é papelaria...
Sim, agora é um hotel, mas tem ainda uma parte de papelaria para elites, com esferográficas de luxo. Ao ser construído, aquele prédio sai do alinhamento normal que vinha da rua das Flores. O Araújo, que foi vereador da Câmara, conseguiu aquilo e com isso desaparece o prédio onde estava o nicho com a imagem de Santa Catarina. Mas ele manteve-a no interior da loja. Um dia fui à papelaria e vi a imagem que me pareceu ser a da santa. Perguntei a um especialista e confirmou-me que se tratava de uma imagem do século XV ou XVI. São estas histórias que as pessoas não veem e que eu vou contando.

No meio desses encontros aparecem muitos casos insólitos?
Sim, um deles é o da Confraria da Nossa Senhora da Vitória. Há um incêndio que devora todo o altar e a própria imagem da padroeira desaparece. Os homens da confraria encomendam uma imagem nova para colocar lá o Soares dos Reis, o grande escultor da época. Faz uma imagem tendo como modelo uma rapariga de Gaia, a Mariquinhas Castanheira, que já servira de modelo a outros artistas. Era uma rapariga com um corpo muito bem feito e um rosto perfeito. O escultor fez uma imagem muito bonita, mas os homens da confraria nunca gostaram da cara dela. Não a viam com cara de santa, angelical, pintadinha, corada. Um dia tiraram a imagem, a pretexto de que precisava de ser limpa, e mandaram-na para um santeiro da Maia. Ele cortou-lhe a cabeça e fez uma outra como eles entendiam que devia ser a da santa. O padre da altura teve o bom senso de guardar a cabeça original e, por isso, continua guardada. Um dia fiz a experiência com um entendido em arte sacra e perguntei-lhe, frente à imagem, se havia algo de anormal. Ele disse logo que era a cabeça da santa. Chamou a atenção para quase não haver diferença de tamanho entre a cabeça do menino e a da santa. Só que o comum das pessoas olha, e não repara.

Ruínas da fonte mais antiga da cidade, na Alfândega

Ruínas da fonte mais antiga da cidade, na Alfândega

Lucília Monteiro

É comum as pessoas olharem e não verem?
Sim, sim. Passa-se na rua de S. Miguel e vê-se as fachadas daquelas casas, que são fachadas normais, algumas do século XVIII e XIX. Já não são as antigas casas da judiaria. Não se imagina que dentro há uma arquitetura totalmente diferente. Há ali uma com uma escadaria toda trabalhada em granito encaracolado. Isto numa casa que hoje está subalugada. É este Porto que não vemos, mas que está aí, e que faz parte da própria cidade, que me interessa retratar.

É a situação da Casa do Cais, onde foi lançado o livro?
Exato. É uma casa construída no século XVIII propositadamente para servir de armazém do vinho da Real Companhia que ia para o Brasil. A casa ainda hoje reúne todas aquelas condições. É feita em abóbadas enormes de tijolo da época, que cria frescura no ambiente. É comprida. Como está situada à beira-rio, junto ao Mosteiro de Monchique, o proprietário ordenou que não fizessem um telhado. Construíram uma placa, porque servia também de miradouro dadas as vistas fabulosas sobre o Douro. Continua a ser propriedade privada, mas hoje está o Museu do Vinho do Porto no rés do chão. Ao lado tem a casa dos fidalgos, com brasão. É um sítio excelente para fazer exposições, mas não está aproveitado.

Uma questão que este livro suscita é a seguinte: temos a certeza que conhecemos o Porto?
Eu próprio ainda não conheço o Porto. Há muita coisa que não conhecemos. Há muito por descobrir. A igreja de S. Francisco é muito visitada. As pessoas olham, vêm as imagens, mas raramente reparam que há lá uma imagem de um santo preto. É o S. Benedito. Era franciscano, mas não era padre porque nos séculos XIV/XV os negros não podiam ser ordenados padres. Era um serviçal, que recebeu ordens. Como era negro, o hábito dele na imagem está dourado para o realçar mais. Aquele santo era o patrono dos escravos. No Porto havia muitos escravos. Esses escravos criaram uma confraria, a de Nossa Senhora do Rosário e faziam uma festa interessantíssima. Participavam mulatos da Índia, negros de África, os marroquinos, todos com os seus trajes e os seus instrumentos. Especialmente nos séculos XVI, XVII e XVIII houve uma grande festa feita por aquela confraria. E, no entanto, o santo está ali e passa despercebido. Também há lá uma imagem de São Francisco. É uma imagem tosca, sem nada de especial, mas era das mais veneradas. As moças metiam lá as cartas dos namorados. Chamam-lhe o santo alcoviteiro porque servia de ligação com as raparigas.

S. Benedito, o santo negro na Igreja de S. Francisco

S. Benedito, o santo negro na Igreja de S. Francisco

Lucília Monteiro

Ainda hoje continua a descobrir novas histórias?
Muitas. Há dias estava no Arquivo Distrital porque, num alfarrabista, me apareceu uma lista das freiras que na altura estavam no Mosteiro de Monchique. Depois foram indo para Santa Clara. A esse propósito quis saber mais qualquer coisa e fui ver os fundos do mosteiro. Encontrei uma coisa muito interessante. Uma queixa da madre superiora às autoridades da época contra um barqueiro que vinha para junto do mosteiro cantar madrigais às freiras. Na altura o mosteiro ficava mais junto ao rio. Mas analisando os documentos vê-se a resposta do barqueiro à polícia. Segundo ele, a Madre Superiora o que tinha era ciúmes, porque ele já teria cantado para ela, até já teria estado na cela dela e agora não quereria que ele cantasse às outras. Como um jornalista é um contador de histórias, são estas as histórias que conto nesses passeios que faço por aí com grupos.

Isso implica uma grande disponibilidade para calcorrear a cidade e também interesse em ir aos arquivos e passar lá o tempo necessário...
Há uma outra fonte que me tem ajudado muito: os jornais da época. Encontro muitos jornais do século XIX, por exemplo nos alfarrabistas. Compro-os e encontram-se coisas interessantíssimas, sobretudo nos anúncios. Hoje temos o SMS. na altura, os namorados mandavam mensagens através dos anúncios dos jornais. Encontra-se uma rede de comunicação.

Zona da Ribeira

Zona da Ribeira

Lucília Monteiro

É nessas deambulações que encontra histórias mirabolantes, como a do imperador caloteiro?
Essa história tem agora sido muito comentada. Há um imperador, o filho de D. Pedro II, do Brasil, que vem ao Porto. Estava uma grande exposição industrial no antigo palácio de Cristal e ele vem cá. Dá ordens ao cônsul do Brasil na cidade para encontrar um sítio onde se alojar, perto da exposição. No edifício da esquina da rua do Rosário com a de D. Manuel II, onde esteve o Cineclube do Porto, havia um hotel, de uma senhora da alta sociedade, muito bonita, muito elegante. O cônsul foi lá, ela aceitou e esmerou-se. O hotel ficou por conta do Imperador. Decorou os aposentos, gastou muito dinheiro. No final ela apresentou a conta. O Imperador achou aquilo muito caro e deu ordens para não pagarem e assim se foram embora. Ela pôs uma ação em tribunal e ganhou. A sentença está na íntegra no “Comércio do Porto”. Com aquela base que lhe dava razão, mete-se num barco e vai ao Brasil disposta a fazer escândalo. Há lá um português rico que, para evitar o escândalo, chama-a, paga-lhe a despesa e ainda o bilhete de regresso.

Nessa visita, o imperador teve outros contactos com a sociedade portuense?
Teve outras peripécias, porque queria estar com Camilo Castelo Branco. Só que nessa altura o Camilo andava em conflito com os Braganças, a cujo ramo o Imperador pertencia. Andava até a escrever “A Infanta Capelista”, que denegria os Braganças. Por isso inventa justificações para não ir ter com o imperador. Alega razões de saúde. Só que o imperador decide ir ele próprio visitar o Camilo. Na sequência da visita, Camilo mandou desfazer o livro que já estava a ser impresso. Hoje é um romance raríssimo, porque só há uns três ou quatro exemplares. Isto porque, apesar de Camilo ter dado ordem à tipografia para parar e deitar tudo fora, na tipografia aproveitaram para vender o papel a um merceeiro da rua 31 de janeiro, que com aquilo embrulhava sabão e outras coisas. Um dia, uma empregada de um admirador de Camilo chega a casa com um daqueles embrulhos. Ele olha para o papel, fica sobressaltado, e pergunta-lhe onde tinha arranjado aquilo. O homem vai à mercearia e salva o que pode, ao ponto de ter conseguido reconstituir dois ou três exemplares. Há por aí umas edições em “fac simile” ou falsificadas.

Na fachada da igreja de S. Francisco

Na fachada da igreja de S. Francisco

Lucília Monteiro

Qual é, para si, a história mais surpreendente ou mais insólita narrada neste livro?
É a história do amor entre duas raparigas. No século XIX há uma rapariga que teve uma vida muito agitada. Ficou sem pai muito cedo. Era muito bonita. Dava nas vistas. Chamava-se Henriqueta. Era pobre, vivia sem recursos. Resolveu tirar partido do corpo. Atraía comerciantes ricos a casa, em Cimo de Vila. Enquanto eles se preparavam, roubava-lhes os relógios, correntes de ouro, dinheiro, e a seguir punha-os na rua sem que nada tivesse acontecido entre os dois. Eles não se queixavam porque tinham vergonha. Ela foi ganhando dinheiro e um dia apareceu na vida dela uma rapariga, Teresa de Jesus, por quem se apaixonou. Viviam as duas juntas. A Teresa tuberculizou e morreu pouco depois. Ela sentiu muito aquela morte. Foi ao cemitério do Prado do Repouso, que tinha sido inaugurado há pouco tempo, e comprou um talhão para fazer um jazigo. Comprou um pedaço de mármore na Alfândega e mandou esculpir uma imagem de S. Francisco de Assis. É uma imagem muito bonita. Naquela época os funerais eram à noite. Em dada altura do funeral, quando já estavam no cemitério, pediu aos circunstantes que a deixassem despedir-se da amiga na intimidade. Ao ficar sozinha corta a cabeça da amiga e leva-a consigo. Até que um dia, por qualquer razão, passa lá em casa um fiscal da Câmara e vê a cabeça numa redoma. Vai de imediato à esquadra fazer queixa. O caso vai a tribunal, mas ela foi absolvida por terem considerado que se trataria de um excesso de amor e não estava relacionada com nenhum crime. A história podia ter acabado ali, mas não. Isto foi em meados do século XIX e ainda hoje quem passa no cemitério vê que todos os dias há quem vá ao jazigo colocar flores novas, terços nas mãos de S. Francisco, velas, lamparinas. De tal ordem que a administração do cemitério já pediu para não colocarem velas, porque estraga a imagem de S. Francisco. Há ali um culto qualquer e esta é uma das muitas histórias de que se faz o Porto.