Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

Porto/post/doc procura o imaginário através do real

  • 333

Ritos de Passagem, de Teboho Edkins é um dos filmes em competição no Porto/post/doc

D.R.

Festival mostra a partir desta terça-feira, e durante uma semana, o melhor do cinema documental contemporâneo

Com as fronteiras a esbaterem-se de um modo progressivo, de tal ordem que começa a ser difícil definir compartimentos estanques para o dinema documental versus cinema de ficção, arranca esta terça-feira a 2ª edição do Porto/post/doc, no teatro Rivoli e no cinema Passos Manuel. Durante uma semana será exibida muita da melhor produção contemporânea no âmbito do cinema documental.

Estarão em competição doze obras nas quais se revela, como diz a organização, "como cada realizador vê o documentário, um conceito cada vez mais lato e abrangente, mais imbuído de uma marca autoral e sem restrições formais". As diferentes propostas vão suscitar reflexões sobre diferentes mundividências, que vão desde o Lesoto a Trás-os-Montes, da China à Argentina.

Desdobrado em múltiplos focos, o festival inclui uma secção intitulada "Transmission", em cuja génese está o fenómeno musical. O guitarrista dos Rolling Stones Keith Richards estará em destaque através do documentário "Under the Influence". Os Blur serão vistos através do olhar de Damon Albarn ("Blur: New World Towers"). Haverá ainda música ao vivo, com o Projecto Oupa de André Tentugal, e Capicua,

Debate e reflexão

O espaço de reflexão e debate está assegurado com o Fórum do Real, marcado para a próxima sexta-feira, com temas como documentar o imaginário, a reinvenção do documentário contemporâneo ou Galiza e Portugal: um imaginário comum.

Sempre atento aos grandes nomes do cinema documental, o Porto/post/doc vai homenagear Chantal Akerman com dois dos seus documentários e um filme sobre a sua obra. Na rubrica "working class heroes" estará em evidência o cinema independente norte-americano através de Lionel Rogosin, um autodidata responsável por alguns documentários marcantes sobre a realidade dos marginalizados entre os anos de 1950 e 1960.

Pela Cinefiesta passará algum do melhor documentário contemporâneo produzido em Espanha, com filmes como "O Futebol", de Sérgio Oskman, "A Academia das Musas", de José Luis Guerin, ou "Noite sem distância", de Lola Patiño.

Todos os anos o festival convida cineastas e programadores para escolherem um filme ou uma sessão do festival. Desta vez, será possível ver os filmes escolhidos por Dennis Lim e pelo festival Les Rencontres Internationales. Serão exibidos "Síndromes e um século" e "O Hino", de Apichatpong Weerasethakul, além de "Notícias de Casa", de Chantal Akerman.

Nas sessões espeicais serão mostrados filmes que já trazem colado o reconhecimento internacional. Duas dessas sessões são dedicadas à secção persona, com dois filmes que discutem classes sociais ou a maternidade. A terceira sessão será dedicada à moda, no âmbito da sessão especial "Doc is the New Black".

O programa completo do Porto/post/doc, com informações sobre os filmes e todas as atividades do festival, pode ser consultado em http://www.portopostdoc.com.