Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

Porto mostra a obra toda de Manoel de Oliveira

  • 333

"Belle Toujours" é um dos filmes a apresentar no ciclo dedicado á obra completa de Manoel de Oliveira

Ciclo de cinema em 38 sessões mostra todos os filmes do realizador, a partir de terça-feira e até 12 de dezembro

Chama-se “Grande Plano” e é um ciclo de cinema criado com o objetivo de exibir toda a obra cinematográfica de Manoel de Oliveira. Os filmes serão apresentados em 38 sessões, a partir da próxima terça-feira, dia 10, e até 13 de dezembro, distribuídas pelos teatros Rivoli e do Campo Alegre, pelo auditório do Museu de Serralves e pelo cinema Passos Manuel.

É a primeira retrospetiva integral concretizada a título póstumo e arranca em Serralves, a partir das 19 horas de terça-feira, com a exibição dos documentários “Douro, Faina Fluvial” (1931), “Hulha Branca” (1932), “Já se fabricam automóveis em Portugal” (1938) e “Famalicão” (1940).

No dia seguinte decorre no Rivoli uma mesa redonda sobre a obra de Oliveira e será exibido, a partir das 22 horas, “Aniki Bobó” (1942). Na quinta-feira à noite, ainda no Teatro Municipal, é tempo de “O pintor e a cidade” (1956) e “O Pão” (1959).

A exibição dos filmes seguirá uma ordem tanto quanto possível cronológica e terá um programa mais alargado a 12 de dezembro, dia do fecho. Começa às 14h30 com “Rencontre Unique”, uma curta-metragem de 3 minutos datada de 2007, e prossegue com “Cristóvão Colombo - O Enigma”, do mesmo ano. Para as 16 horas estão previstas duas curtas. Primeiro “Romance de Vila do Conde” (1957-2008), com oito minutos, e “O poeta doido, o vitral e a santa morta” (1958-2008), com sete minutos, seguidas de “SIngularidades de uma rapariga loura” (2009). Para as 18 horas está reservado “O estranho caso de Angélica” (2010). Duas horas depois mais uma sequência de curtas-metragens, com “Painéis de São Vicente de For a - Visão Poética” (2009), “O conquistador conquistado” (2012), “O velho do Restelo” (2014) e “1 século de energia” (2015). O ciclo termina com a exibição de “O Gebo e a sombra” (2012).

A programação completa está disponível nos sítios do Museu de Serralves e da Câmara Municipal do Porto. Os bilhetes de acesso a cada sessão custam €3 e um passe para o ciclo completo pode ser comprado por €30.

Organizado pelo pelouro da cultura da Câmara Munciipal do Porto, com a participação da Fundação de Serralves e a colaboração de outros agentes culturais da cidade, o ciclo tem António Preto como consultor