Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

Imagens de Kurt Cobain morto podem ser divulgadas. Viúva e filha lutam pelo “não”

  • 333

Frances Bean Cobain e Courtney Love defendem que a exposição de imagens da morte de Kurt Cobain, respetivamente pai e marido, teria grandes impactos na saúde psicológica de ambas

Jason Merritt / Getty Images

Direito à informação ou à privacidade? Neste caso não é possível garantir os dois. Richard Lee pretende que as imagens do vocalista dos Nirvana depois de morto sejam divulgadas. Courtney Love e Frances Bean Cobain pedem respeito e tentam impedir o jornalista. O caso vai a tribunal esta sexta-feira. Afinal, Cobain sucidou-se ou foi assassinado?

Muita tinta já correu sobre a vida e morte de Kurt Cobain, mas agora, meses depois do lançamento do documentário biográfico “Montage of Heck”, a realidade toma de surpresa a família do antigo vocalista dos Nirvana. Passados 21 anos desde a morte de Cobain, a vúva Courtney Love e a filha Frances Bean Cobain pedem a um juiz da cidade de Seattle para que as fotografias e registos da sua morte, a 5 de abril de 1994, não sejam tornados públicos.

No centro da nova polémica está Richard Lee, jornalista que pretende provar que Cobain não morreu com um tiro autoinfligido e com uma dose letal de heroína, mas que foi, isso sim, assassinado. O programa local “Now See It Person to Person: Kurt Cobain” pretende que os registos fotográficos e escritos da cena do crime sejam divulgados.

Esta sexta-feira será um dia decisivo no caso. A juíza Theresa Doyle, do Supremo Tribunal do Condado de King, no estado de Washington, ouvirá os argumentos de ambas as partes, deliberando sobre como proceder perante o pedido de Lee à cidade e ao Departamento de Polícia de Seattle. O jornalista invoca o direito à informação, consagrado no Public Records Act.

As autoridades locais preferem que tudo se mantenha selado, de modo a que a privacidade da viúva e da filha sejam respeitadas. Em declarações escritas ao tribunal, ambas explicaram que a exposição do material gráfico teria grandes impactos na sua saúde psicológica. Frances Bean Cobain explica: “Eu tive de lidar com muitos problemas pessoais por causa da morte do meu pai. Lidar com a possibilidade de que essas fotografias se possam tornar públicas é muito difícil”.

Opinião diferente tem Richard Lee, que há muito anos mantém a teoria de que Cobain foi morto por causa de uma conspiração que envolve o governo. Para o jornalista, expor as fotografias do corpo de Cobain pode ajudar a que se perceba que, afinal, o cantor não se suicidou.

No ano passado, Michael Ciesynski, detetive de casos arquivados da Polícia de Seattle, examinou quatro películas de 35 mm da cena do crime. A polícia prestou depois declarações ao “The Seattle Times”, explicando que não foram encontradas novas provas. Em 1995, um ano depois da morte de Cobain, Courtney Love conseguiu que o Tribunal não divulgasse a nota de suicídio do marido.