Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

Edgar Lawrence Doctorow, o autor que roubou uma frase a Fernando Pessoa. “Espero que não se importem”

  • 333

Fotografia de 2007

RADIM BEZNOSKA / EPA

Apesar de nunca ter estado em Portugal, afirmou que seria “capaz de escrever sobre Lisboa sem nunca lá ter ido”. Morreu esta terça-feira - Obama homenageou-o no Twitter

O romancista norte-americano Edgar Lawrence Doctorow, conhecido como E.L. Doctorow, que morreu na terça-feira aos 84 anos, confidenciou em 2013 ter roubado uma frase a Fernando Pessoa, sem referir qual e em que obra.

Numa entrevista ao "Público", o autor de "Homer & Langley", o seu mais recente livro editado em Portugal, em 2013, pela Quetzal, explicou parcialmente o sucedido: "[Fernando Pessoa] é um poeta extraordinário (...). Tenho-o lido em inglês, é fenomenal. A propósito, roubei uma frase a Pessoa. Espero que não se importem".

Apesar de nunca ter estado em Portugal, afirmou que seria "capaz de escrever sobre Lisboa sem nunca lá ter ido". "Costumo dizer a brincar que gosto de visitar lugares sobre os quais já escrevi. Há sempre o sentido do lugar, mas não é necessário conhecê-lo profundamente para o captar. Já escrevi westerns sem nunca ter estado a oeste de Ohio."

Em Portugal estão ainda traduzidas as obras "Feira mundial", editada pela Terramar, numa tradução de Ana Barradas (1991), "Estação das águas", pela Temas da Actualidade (1995), "Billy Bathgate", também pela Temas da Actualidade (1995), e "A cidade de Deus", pelas Publicações Europa-América (2002). O título "Billy Bathgate" deu origem a um filme, realizado por Robert Benton, no início da década de 1990, com Dustin Hoffmann e Nicole Kidman.

Em 2010, o "The Guardian" referia-se a Doctorow como um dos grandes intérpretes da América, a par com Philip Roth ou Saul Bellow, ainda que sem ter atingido o reconhecimento dos outros dois. O último romance de Doctorow é "Andrew's brain", saído no ano passado, pelo qual recebeu o prémio de ficção da Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos.

Sobre o ofício da escrita, esclareceu a sua técnica nessa mesma entrevista ao "Público": "No essencial, à partida, é preciso ter uma boa história, mesmo que depois tenhamos de desistir dela ou ela falhe", tendo referido em seguida que "é preciso ser valente".

O primeiro livro de Doctorow, "Welcome to hard times", foi publicado em 1960, seguindo-se obras como "Big as life" (1966), "The book of Daniel" (1971), adaptado ao cinema em 1983 por Sidney Lumet com o título "Daniel", e "Ragtime" (1975). Este último foi adaptado ao teatro, tendo estreado na Broadway, em Nova Iorque, e ao cinema por Milos Forman, em 1981, naquele que foi o derradeiro filme do ator James Cagney.

Na entrevista ao "Público", em 2013, recordou a sua infância, vivida no bairro nova-iorquino de Bronx, e contou: "Eu era um rapaz e a minha mãe, quando queria que eu arrumasse o meu quarto, dizia-me que ele estava a ficar parecido com a casa dos irmãos Collyer".

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, publicou uma mensagem na sua conta de Twitter dedicada à memória de Doctorow.