Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

Mário Cláudio vence Grande Prémio de Romance da APE

Rui Duarte Silva

Júri distinguiu “Retrato de Rapaz”, segundo de uma trilogia composta por “Boa Noite, Senhor Soares” e “O Fotógrafo e a Rapariga”

O escritor Mário Cláudio é o vencedor do Grande Prémio de Romance e Novela da Associação Portuguesa de escritores (APE) com a obra “Retrato de Rapaz”.

Publicado em Maio de 2014, este curto romance de apenas 139 páginas aventura-se por um terreno à partida perigoso, mas tratado com uma rara sensibilidade por um escritor que, como poucos, consegue um poderoso domínio da linguagem.

O tempo do romance é o século XVI e a matéria ficcional parte de uma base credível ao explorar a possível relação, não apenas de mestre-discípulo, estabelecida entre Leonardo da Vinci (1452-1519) e Gian Giacomo Caprotti, um disponível varredor de oficina que subitamente passa a ser uma presença constante ao lado do mestre, seja como modelo, como ajudante, como amigo, mas eventualmente também como traidor.

Apesar da sua brevidade, “Retrato de Rapaz” não é apenas um mero exercício de linguagem e de capacidade inventiva. Mário Cláudio socorre-se de um vasto manancial de documentos, não apenas para nos introduzir na vida, nos pensamentos, nas descobertas, nos sonhos, nos delírios de Leonarda. Em simultâneo, e como bom conhecedor e intenso apaixonado por Itália e a sua cultura, não deixa de ser exímio na reprodução de ambientes. Cria fascinantes viagens no tempo até aos dias renascentistas em cidades como Florença, Roma, Milão.

É este mesmo saber, esta mesma aguda curiosidade, esta mesma capacidade de agarrar o detalhe e transformá-lo num profundo enunciado de muitos saberes e vivências que voltamos a encontrar nos outros dois livros da trilogia. No mais recente, “O Fotógrafo e a Rapariga”, a proposta materializa-se numa desconcertante deambulação pelas relações equívocas entre Charles Dodgson, isto é, Lewis Carrol, autor de “Alice no País das Maravilhas”, e Alice Lidell, a rapariga que claramente o seduziu pelo modo provocatório como posava para os seus retratos.

Com “Boa Noite, Senhor Soares” entra-se no universo pessoano, através de um jovem que passa a trabalhar no mesmo escritório de Bernardo Soares.

O júri que atribuiu o prémio foi constituído por José Correia Tavares, Ana Paula Arnaut, Isabel Cristina Mateus, Maria João Cantinho, Miguel Miranda e Miguel Real.

O escritor vencera já o Grande Prémio APE com “Amadeo”, de 1983, que retrata o percurso do pintor Amadeo de Souza Cardozo.