Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

“Façam de mim o que quiserem, estou com uma grande voz”: 8 frases de um provocador

  • 333

DR

Chama-se “O lado B de um provocador”, tem 231 páginas e e vem com revelações e explicações sobre a vida de José Cid. A autobiografia do artista tem testemunhos de Ximenes Belo e Ramos-Horta

Editado pela Casa das Letras com chancela da Leya, o livro tem origem nas confissões do cantor ao jornalista Miguel Gonçalves. No “O Lado B de um provocador” Cid revela “episódios secretos e escandalosos”, explica porque anda sempre de óculos de sol e fala de como escapou à morte depois de quase ter apanhado boleia no avião onde seguia Sá Carneiro em 1980. A obra inclui depoimentos de José Ramos Horta,  Ximenes Belo, Jorge Palma, Paulo Gonzo, entre outros. O prefácio é de Nuno Markl. Em baixo, destacamos algumas das declarações mais célebres e polémicas de José Cid ao longo de 35 anos de carreira e que o próprio destaca no livro agora lançado

Carreira

“Tentaram e conseguiram-me pôr na prateleira. Mas a verdade é que os outros artistas estão na prateleira e eu estou cá”
Revista "Pública", 2003

“Quem devia fazer a primeira parte do concerto dos Rolling Stones, em Coimbra, era eu e o Quarteto 1111 e não os Xutos e Pontapés”
2003, RTP

“Usem e abusem de mim. Estou cá, canto e bem ao vivo. Façam de mim o que quiserem. Estou com uma grande voz” – revista Pública 2003

Em concerto

“Eu até vos fazia um filho, mas garanto-vos que vai doer”
Concerto na latada de Coimbra 2009 [resposta do cantor a um cartaz de dois rapazes que, apesar da resposta, apareceriam com o mesmo cartaz passado uma semana, na recepção ao caloiro, em Leiria]

“Não me mandem cuecas para o palco, eu não sou o Tony Carreira”
Semana Académica da Universidade do Algarve, 2007

Os outros

“Se Elton John tivesse nascido na Chamusca, o Julio Iglesias em Penafiel ou o Roberto Carlos na Trafaria, não teriam tido tanto êxito como eu”
RTP, 2014

“Se o Rui Veloso é o pai do rock português, eu sou a mãe”
Queima das Fitas do Porto, em 2004

E ainda...

A única mulher indispensável na minha vida é a minha mulher-a-dias”
Jornal de Leiria, 2011