Siga-nos

Perfil

Expresso

Cultura

Arquipélago já navega nos Açores

  • 333

O Arquipélago tem este ano um milhão de euros para programação

D.R.

Centro de Artes Contemporâneas abre esta sexta-feira a primeira exposição, intitulada "Pontos Colaterais".

Há pouco mais de um mês abriu portas. Para mostrar, tinha apenas o trabalho de arquitetura desenvolvido pelo gabinete portuense "Menos é Mais". Concluído há mais de um ano, o edifício estava a transformar-se num caso complexo, com muita intriga à volta da circunstância de permanecer de costas voltadas para a arte e para o mundo um investimento superior a €13 milhões. Agora é o tempo de se mostrar recheado. A partir desta sexta-feira, o Arquipélago - Centro de Artes Contemporâneas dos Açores, na Ribeira Grande, ilha de S. Miguel, apresenta a sua primeira exposição. 

A curadoria é de João Silvério, as obras escolhidas são no essencial de autores açorianos, uns já consagrados, outros ainda à procura de caminhos. Intitulada "Pontos Colaterais - Coleção Arte Contemporânea Arquipélago, uma seleção", a exposição é feita através de uma parceria com a Fundação Luso-Americana de Desenvolvimento (FLAD). Para este dia de inauguração está previsto também um concerto com Gisela. A mostra abre com as tradicionais “Sopas do Espírito Santo”, por ser uma exposição que a par da Arte Contemporânea também se associa à temática do Espírito Santo, enquanto elemento aglutinar das nove ilhas do arquipélago. 

Com um orçamento de €1 milhão para este ano, o arquipélago implicou um investimento de €13 milhões e propõe-se, segundo a sua diretora, Fátima Marques Pereira, no cargo há dois meses, organizar-se a partir da exploração de quatro eixos geográficos: as ilhas atlânticas, as américas, África e Europa. 

O Centro, uma estrutura com múltiplas valências, um pouco à semelhança do Centro Cultural de Belém, vai incentivar residências artísticas, mas, como assegura Nuno Ribeiro Lopes, diretor-geral das artes dos Açores, pretende que os artistas façam um trabalho associado à comunidade e pensado num território diferente.  

Fátima Marques Pereira, apesar de estar a trabalhar num projeto visto ainda como um recém-nascido, onde tudo está a ser construído do zero, sublinha ainda assim o facto de ser "um edifício quase único em Portugal", por estar preparado para o teatro, para a dança, para a performance, para acolher um serviço educativo e dispor de uma biblioteca, além dos espaços expositivos, constituídos por três grandes salas e 24 salinhas, distribuídas por dois corredores com vista para o mar.  

Além disso, a circunstância de ter sido nomeado para o prémio Mies van der Rohe provocou desde logo um interesse acrescido pelo edifício e pela sua proposta arquitetónica.