Siga-nos

Perfil

Expresso

Crónica

“Fomos declarados inadmissíveis”: a crónica dos jornalistas da SIC impedidos de entrar na Venezuela

Esta quinta-feira, uma equipa de reportagem da SIC foi impedida de entrar na Venezuela. À chegada ao aeroporto de Caracas, eu e o meu colega Odacir Junior não conseguimos passar da zona da imigração, onde estivemos mais de duas horas debaixo do interrogatório, da arrogância e dos sorrisinhos dos funcionários da alfândega.

Luís Garriapa (SIC)

Fomos proibidos de usar o telemóvel e fazer qualquer contacto, incluindo para a embaixada portuguesa. Perguntaram-nos o que íamos ali fazer e não mentimos, dissemos que íamos fazer reportagens sobre a situação na Venezuela, incluindo com a extensa comunidade portuguesa que vive naquele país.

Perguntaram depois se estávamos acreditados pelas autoridades venezuelanas e explicámos que não, que desconhecíamos que era necessário, até porque nunca tinha sido preciso nas vezes anteriores que lá tínhamos estado. De imediato, manifestámos intenção de fazer logo ali o pedido, questionámos o que seria necessário, se queriam que a nossa empresa enviasse algum documento, se iriam contactar a embaixada portuguesa. A tudo disseram laconicamente que não.

Depois de mais de duas horas, limitaram-se a encaminhar-nos novamente para a zona de embarque, sem qualquer explicação. Na mão do funcionário encarregado de nos recambiar ia uma folha que só entregou à Air France, a companhia aérea que nos tinha levado até lá.

O documento, que só a companhia aérea nos mostrou, ė dos serviços de imigração do Ministério do Poder Popular para as Relações Exteriores, Justica e Paz e é nesse despacho que ficamos afinal a saber que o governo de Nicolas Maduro nos declara "inadmissíveis" e exige a nossa retirada do país no voo seguinte. E foi o que aconteceu.

No poder há quatro anos, o sucessor de Hugo Chávez enfrenta há meses o descontentamento crescente e a fúria de grande parte da população. A eleição, no próximo domingo, de uma Assembleia Constituinte, que a oposição diz ser uma tentativa do chefe de Estado criar um suprapoder, pode trazer mais violência às ruas e há até quem adivinhe que a Venezuela pode mergulhar numa guerra civil.

Em resposta às críticas, Nicolás Maduro opta por atacar quem o critica e incluir todos num suposto complot imperialista internacional para derrubar o que chama de democracia. E é nessa formulação que entra a "inadmissibilidade" de jornalistas estrangeiros entrarem e testemunharem o que se passa no país.

O Presidente da Venezuela talvez não saiba (ou saberá?) que nenhuma verdadeira democracia impede o exercício do jornalismo. Porque isso, Presidente Maduro, é que é totalmente inadmissível.

Luís Garriapa


Jornalista SIC